GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

sábado, janeiro 31, 2009

Compras de material militar do Brasil ampliam capacidade e poderio das forças

By on 31.1.09




http://www.usp.br/agen/363.gif
Analistas vêem maior poderio militar do Brasil

AE - Agencia Estado

Especialistas em defesa afirmam que as compras de material militar recentemente fechadas pelo governo não apenas repõem a capacidade bélica do País, mas também apontam para uma alteração, a longo prazo, do peso político-estratégico do Brasil no mundo. Segundo esses pesquisadores, as Forças Armadas brasileiras continuarão distantes de países líderes no setor, como Estados Unidos, Rússia e China, e das potências europeias, como Reino Unido, França e Alemanha. Mas o País poderá aspirar a uma capacidade próxima da de outras nações da Europa, como Espanha e Itália, e assumir maior protagonismo internacional - exigível de um membro permanente do Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU), desejo da política exterior brasileira.

"É um processo de reposição e ao mesmo tempo de modernização", diz Geraldo Cavagnari, do Núcleo de Estudos Estratégicos da Universidade de Campinas (Unicamp). "Desde 1995, as Forças Armadas vêm sofrendo um processo de desmonte. Ficamos desatualizados em termos de tecnologia militar."

A movimentação na área estratégico-militar foi intensa nos últimos três meses. Incluiu a compra de 63 helicópteros - 12 da Rússia e 51 da França -, a aquisição, também dos franceses, de quatro submarinos Scorpène e da tecnologia do casco do submarino nuclear, além da construção de um estaleiro para montar as embarcações e uma nova base naval no Rio de Janeiro. Também foi lançada a Estratégia Nacional de Defesa, documento de 64 páginas que lista 19 ações a serem iniciadas entre 2009 e 2010, para dinamizar a área.

27 de janeiro de 1967 - Tragédia na corrida espacial - Apollo I pega fogo

By on 31.1.09
A imagem “http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/e/e1/Apollo1-Crew_01.jpg/750px-Apollo1-Crew_01.jpg” contém erros e não pode ser exibida.
Tragédia na corrida espacial

Fonte: JB

Os astronautas Virgil Ivan Grissom, Edward Higgins White II e Roger Bruce Chaffee morreram em um incêndio dentro da cabine de comando, na plataforma de Cabo Kennedy. As três primeiras vítimas da corrida espacial estavam a bordo da Apolo 1 em exercício de prova para o lançamento no dia 21 de fevereiro. Os peritos concluíram que o acidente foi causado por um curto-circuito próximo ao painel de oxigênio. Grissom comunicou que havia fogo no cockpit. Segundos mais tarde, Chaffee avisou que ele e seus companheiros sairiam do módulo de comando. Mas foi impossível escapar porque a escotilha de saída tinha trancas mecânicas, que os astronautas não conseguiram destravar.

A equipe que trabalhava fora da espaçonave procurou em vão libertá-los. O calor era insuportável. Finalmente, quando o módulo de comando foi aberto os três astronautas já estavam mortos. A roupa espacial os protegeu do fogo, mas a inalação excessiva de fumaça foi fatal. Devido ao acidente, toda programação do projeto Apolo foi atrasada em 21 meses.

Durante esse período os engenheiros da Nasa modificaram toda a cabine do módulo de comando e aperfeiçoaram as normas de segurança. Na base das plataformas, por exemplo, não havia equipamentos médicos nem de resgate. Também ainda não tinham sido desenvolvidos procedimentos para esse tipo de emergência, e as estruturas não eram apropriadas para uma operação de salvamento.

Três meses após o incêndio da Apolo 1, o cosmonauta russo Vladimir Komarov, da Soyuz-1, morreu ao retornar à Terra, depois de ficar em órbita do planeta.

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/9/9b/Apollo_1_fire.jpg/791px-Apollo_1_fire.jpg

Experiências frustadas

Em fevereiro de 1969, o foguete do projeto lunar soviético caiu após 66 segundos de voo sobre uma cidade, matando 350 pessoas. - Em março de 1980, 50 técnicos do Centro Espacial Plesetsk, em Vostok, na Rússia, morreram por causa da explosão de um propulsor que recebia combustível. O acidente só foi revelado em 1989.

No início de 1986, os sete tripulantes da nave Challenger morreram 72 segundos após o lançamento da nave. A explosão foi causada pelo congelamento de um dos anéis de união do foguete. Em 30 de junho de 1971, durante o primeiro voo à estação orbital Saliut, o módulo de aterrissagem sofreu uma despressurização e provocou a morte dos três tripulantes da Soyuz-11. Os astronautas haviam permanecido 24 dias no espaço, um record para a época.

Em 1º de fevereiro de 2003, os sete ocupantes da Columbia morreram, no fim de uma missão espacial que até então fora bem-sucedida. A Columbia desintegrou-se ao regressar à Terra, devido a uma perfuração na asa esquerda, provocada pelo desprendimento de um pedaço da espuma de isolamento de um setor do tanque externo.

30 de janeiro de 1972 - O 'Domingo Sangrento' - Sunday bloody sunday

By on 31.1.09
http://www.troopsoutmovement.com/BloodySundayRunningSoldier.jpg
O 'Domingo Sangrento' - Sunday Bloody Sunday


Fonte: JB

Treze pessoas morreram e 16 ficaram feridas quando soldados do batalhão de paraquedistas britânicos abriram fogo contra civis, em Derry, na Irlanda do Norte. As vítimas faziam uma manifestação pacífica contra a prisão sumária de suspeitos de terrorismo. Os incidentes começaram no Guild Hall onde manifestantes católicos haviam se reunido, desobedecendo pelo segundo dia consecutivo a ordem do governo que proibia os protestos. A ação das tropas inglesas resultou no maior número de mortos desde o início da intervenção na Irlanda do Norte, em 1969. O general Robert Ford, comandante das tropas terrestres inglesas, disse que os soldados foram recebidos a tiros pelos manifestantes. A versão foi desmentida por testemunhas e por um porta-voz do Exército Republicano Irlandês (IRA), que prometeu uma vingança implacável contra os agressores. Depois do episódio, o IRA dividiu-se em duas frentes de luta: Uma que acreditava no movimento político e na participação nos parlamentos de Londres, Dublin e Belfast, e outra, que optou por continuar a luta armada.


A imagem “http://www.troopsoutmovement.com/barneymcguiganpicture2.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

A tragédia ficou conhecida como Domingo Sangrento e desencadeou uma onda de atentados na Irlanda e na Inglaterra, comandados pelo braço armado do IRA. Em função da chacina, o Exército Republicano Irlandês arregimentou um grande número de voluntários entre os jovens católicos da Irlanda do Norte.
Em represália ao massacre, o IRA convocou uma greve geral cujo apelo foi atendido por 90% da população. Milhares de pessoas saíram às ruas sob uma forte tempestade de neve para atirar pedras, explodir bombas, incendiar veículos e arrancar barricadas feitas pela polícia. Dois policiais foram feridos por franco-atiradores.

A imagem “http://www.troopsoutmovement.com/Jackie%20Duddy%20Picture.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

Militantes fazem greve de fome

Os militantes do IRA presos em 1981 iniciaram uma série de greves de fome. Bobby Sands foi o primeiro a morrer depois de ficar mais de dois meses sem receber alimento algum. Ele tornou-se um símbolo e mártir da luta da minoria católica contra o domínio inglês. Outros nove presos católicos também morreram em greve de fome. De 1969 a 1982, a disputa causou mais de 2 mil mortes, na maioria de civis. Depois de várias tentativas de cessar-fogo, o IRA depôs as armas em julho de 2005, sem contudo conseguir os seu objetivo de independência da Irlanda do Norte, que continuou a fazer parte do Reino Unido.



PAK FA-T50: Governo Russo confirma para 2009 o vôo do primeiro protótipo

By on 31.1.09
A imagem “http://www.kommersant.com/photo/300/News/2007/08/08/MiG1-27-3view.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

O governo russo confirma: o PAK-FA (T-50) vai voar ainda este ano

Fonte: Quintus por Clavis Prophetarum

Finalmente, parece que o “Sukhoi PAK FA” (PAK-FA) (Perspektivnyi Aviatsionnyi Kompleks Frontovoi Aviatsyi ou “Promissor Sistema Aéreo para a Aviação de Linha de Frente”) o projeto de um caça de 5ª geração russo está a entrar na fase final… O projeto é conhecido internamente na Sukhoi como T-50, o que explica porque aparece ora sob essa designação, ora sob a designação “PAK-FA”. O avião, na Força Aérea Russa deverá substituir os remanescentes MiG-29 e SU-27 ainda em operação e sabe-se agora que terá construído o seu primeiro protótipo ainda neste ano de 2009. A informação foi fornecida por Viktor Khristenko, ministro da indústria e da energia da Federação Russa ainda em abril de 2008. Recentemente, o vice-primeiro ministro russo Sergei Ivanov repetiria a mesma data de 2009 em 21 de janeiro deste ano, mas deslocando-a agora para o final do ano. Desta forma se confirma a antecipação em um ano da data da construção do primeiro T-50/PAK-FA.

O primeiro protótipo está a ser construído na fábrica Sukhoi de Komsomolsk-on-Amur, situado no extremo oriente russo e deverá ser um monologar, ou seja, a versão russa do PAK-FA já que a sua versão indiana terá dois lugares, conforme requisito deste país asiático. Depois de construído, o protótipo será transportado até Zhukovsky, perto de Moscovo, onde será utilizado apenas em testes estáticos, no solo. Um segundo protótipo está também em construção em Komsomolsk-on-Amur, mas este capaz de voar, devendo realizar esse primeiro voo alguns meses depois dos primeiros estáticos do primeiro protótipo, mas ainda em 2009, confirmou também Ivanov.

http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads/2008/09/pak-fa-t-50-c.jpg

A agencia Novosti afirmou que com o avanço destas datas seria provável que o avião entrasse ao serviço da força aérea russa ainda antes de 2015, citando Sergei Ivanov.

O chefe supremo da Força Aérea russa, Alexander Zelin reafirmou que o primeiro aparelho para testes estáticos estará terminado em agosto deste ano e que além deste e do outro protótipo de voo, há ainda um terceiro em avançado estado, sendo esta ultima informação completamente inédita.

O programa recebeu a promessa do governo russo de um bilião e meio de dólares até 2010, um valor que é claramente insuficiente e que se deve esgotar apenas na concepção e construção dos primeiros três protótipos (motores AL-41F, radares de phased array, materiais compósitos, etc).

O desenvolvimento do PAK-FA começou em outubro de 2007 com um acordo entre a Sukhoi russa e a Hindustan Aeronautics Limited (HAL) indiana.

Helicópteros do Exército brasileiro partem para resgate de reféns das Farc

By on 31.1.09
http://defesabrasil.com/site/images/stories/artigos/avex/avex-08T.jpg

Helicópteros do Exército brasileiro partem para resgate de reféns das Farc

Fonte: O Globo - Por Evandro Éboli

Dois helicópteros Cougar do Comando Militar da Amazônia com capacidade para transportar até 26 passageiros cada partiram às 10h desta sexta-feira de Manaus (12h no horário de Brasília) em direção à fronteira da Colômbia. Integrantes do 4º Batalhão de Aviação do Exército, as aeronaves serão utilizadas no resgate de seis reféns colombianos que estão em poder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Na tripulação brasileira estarão dezesseis militares. Mas o Exército garante que são apenas técnicos: um coordenador da operação, quatro pilotos, quatro sargentos da manutenção, quatro sargentos técnicos em mecânica, dois especialistas em comunicações e um técnico em aparelho de oxigênio.

Após uma escala em Tefé (AM), os helicópteros seguem para São Gabriel da Cachoeira (AM), distante cerca de 900 quilômetros de Manaus, onde fazem um pouso para pernoite e abastecimento. Lá se juntaram à equipe integrantes da Cruz Vermelha e uma senadora colombiana. No sábado pela manhã, a missão brasileira segue para Querari (AM), na fronteira com a Colômbia. Nessa localidade, os militares do Brasil aguardarão as instruções da Cruz Vermelha, que está no comando dessa operação de resgate. ( Cruz Vermelha está esperançosa com liberação de reféns )

No Comando do Exército, o receio é que o mau tempo na região possa atrapalhar ou atrasar a ação, já que se trata de uma área de selva e esta época é de muita chuva na Amazônia. O governo brasileiro não tem informações precisas sobre o local onde os reféns serão libertados e para onde serão levados dentro da Colômbia. Os militares ficarão aguardando as coordenadas.

Em dezembro, o comando das Farc prometeu libertar o ex-governador Alan Jara, do Departamento de Meta, o ex-deputado Sigifredo López, um soldado e três policiais militares. O pedido de ajuda ao Brasil foi feita pela Cruz Vermelha ao Ministério da Defesa. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha decidiu chamar o Brasil para esta missão por sua proximidade geográfica com a Colômbia. Na terça, em Bogotá, o embaixador brasileiro Valdemar Carneiro Leão anunciou que o Brasil daria uma ajuda "logística".

quarta-feira, janeiro 28, 2009

Eurocopter Tiger será empregado em combate no Afeganistão

By on 28.1.09

Tiger francês em guerra.

O novo helicóptero de ataque da Eurocopter será posto a prova no teatro de operações do Afeganistão ainda este ano.

Fonte Airway - Por Hercules Araujo

O primeiro helicóptero de ataque Eurocopter Tiger será empregado em combate no final deste ano, revelou o executivo chefe da empresa européia.

Falando em 20 de janeiro em paris, Lutz Bertling disse que o helicóptero Tiger será operado pelo exército francês no Afeganistão e será “provado em guerra em 2009”.

Berling não soube falar precisamente sobre o número de helicópteros a serem enviados, disse apenas que seriam “mais de zero, mas não acredito que sejam mais de cinco ou seis”. A Eurocopter está pronta para enviar uma equipe para o Afeganistão para dar suporte e prestar serviços de manutenção aos requerimentos do exército francês.

O Exército francês opera 13 helicópteros Tiger HAP, além dos 28 a serem entregues. Também foram encomendadas 40 unidades do helicóptero na versão HAD.

Respondendo a uma questão formulada durante a entrevista de que os Tiger tiveram suas entregas atrasadas por dois anos, Bertling disse: “Eu não posso seguramente confirmar que houve atraso”. Entretanto ele salientou que houve um pequeno atraso na entrega dos motores MTR390-E que equipam os helicópteros.

Desenvolvido pela MTRI, um consórcio entre as empresas ITP, MTU, Rolls-Royce e Turbomeca, os melhoramentos do motor MTR390-E produz 14% mais potência para operações em cenários de altas temperaturas e grandes altitudes.

Desenvolvido para a França e Espanha, o Tiger HAD também é equipado com proteção melhorada balística e um novo sistema de guerra.

PAK FA-T50: As perspectivas do caça russo da quinta geração

By on 28.1.09

As perspectivas do caça russo da quinta geração

Fonte: Pravda - Por Iliá Krámnik, RIA Novosti - Tradução Lyuba Lulko


O processo de desenvolvimento e construção do caça russo da quinta geração destinado para as Forças Aéreas da Rússia, desde há vários anos, é um dos temas militares de maior interesse. O novo avião elaborado no âmbito do Programa PAK FA deve, em perspetiva , substituir os caças da quarta geração Su-27 e Mig -29, que constituem hoje a força de choque principal da Força Aérea da Rússia.

Recentemente , o vice-presidente do governo russo, Serguei Ivanov, falou sobre a necessidade de acelerar a fabricação do novo avião de combate. A decisão da criação do novo caça foi tomada no início dos anos 2000 e , na época, as empresas principais de construção de aviões : Sukhoi, Mikoian e Yakovlev, apresentaram seus planos de desenvolvimento do projeto.

Finalmente foi o consórcio aeronáutico Sukhoi que ganhou o concurso e foi eleito pelo Governo como o agente geral do PAK FA-T50. Inicialmente , os expertos e as fontes competentes indicaram que o primeiro vôo de teste do aparelho russo seria realizado entre os anos 2008 e 2010, mas nos finais do ano passado , o comando da Força Aérea da Rússia revelou o primeiro vôo do T-50 ser marcado para o agosto de 2009.

Um pouco antes a documentação de Sukhoi, aprovada pelo governo, foi enviada para a fabrica da empresa situada na cidade Komsomolsk do Amur ( Extremo Oriente do pais). Segundo as fontes oficiais, a fábrica em Komsomolsk atualmente instala uma cadeia de produção de novos aviões e já construi os três prototipos do modelo T-50 em estaleiros especiais. Estes aviões participarão em diversos testes a serem realizados durante cinco ou seis anos seguintes.

Depois de acabar a segunda fase – a de certificação por parte de várias entidades russas, começará a fabricação em série do avião, provavelmente, no início do ano 2015.

As fontes não oficiais informam que o avião da quinta geração russo seria o aparelho da categoria pesada, com peso de cerca de 30 toneladas, ao corresponder ao peso do atual Su-27. O radar e o armamento a bordo seria elaborado e construído pelo Instituto Tikhomirov, que fabrica o radar Irbis para o caça Su-35 BM da geração intermédia (IV+++).

O armamento do T-50 seria desenvolvido na base do equipamento instalado no Su-35.

Quanto à forma de visão exterior, praticamente não há informações. Algumas fontes de imprensa indicam que seria muito semelhante à do caça norte-americano Raptor F-22.

De acordo com a imprensa russa especializada, o T-50 será um caça com velocidade do avião supersônico de entre 1,58 e 2, 5 Mach, equipado por um propulsor da variante vectorial que lhe assegurará a alta capacidade de manobra.

Seria utilizada a tecnologia Stealth para garantir a sua invulnerabilidade. A navegação , controle de armamento, possibilidades de ataque e defesa deveriam ser totalmente omputadorizados .

A introdução na Força Aérea russa do avião da quinta geração será acompanhada por criação de um sistema adicional logístico, destinado para ampliar as possibilidades de combate da Força Aérea russa. Se trata dos sistemas de abastecimento e apoio terrestre, aéreo e orbital , defesa rádio-eletrônica.

O desenvolvimento desta parte do projeto continua a ritmos diferentes, devido à crise financeira mundial que abrangeu também a Rússia. Segundo os expertos, esses sistemas têm uma importância principal para o sucesso do projeto PAK FA, pois, sem as quais os aviões virão brinquedos de alto custo e de produção complicada, e não aumentarão o potencial da Força Aérea russa.

Vantagens da aliança Brasil-França

By on 28.1.09


Vantagens da aliança Brasil-França

Fonte: Paraná Online Por: Léo de Almeida Neves

Ao mesmo tempo em que lançou em dezembro último o Plano Nacional de Defesa, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou com o presidente francês Nicolas Sarkozy importante acordo na área militar, que envolve a construção em parceria com o Brasil de 50 helicópteros e de quatro submarinos convencionais e um movido a propulsão nuclear, que já está sendo desenvolvido pela Marinha em Iperó, São Paulo. Os valores pertinentes são de elevado montante, com especulação na imprensa que poderão chegar a R$ 28,6 bilhões, dos quais R$ 19,9 bilhões destinar-se-ão a empresas francesas.

O aspecto novo nesse entendimento bilateral será a transferência de tecnologia de geração avançada para o Brasil em áreas ligadas à defesa. Ressalte-se que do chamado BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), países emergentes economicamente e de grande extensão territorial, o Brasil é o único despreparado militarmente. A Rússia, como herança da extinta União Soviética, acumula gigantesco arsenal de bombas atômicas e de hidrogênio, transportáveis em aviões e submarinos, podendo ser arremessadas através de foguetes intercontinentais. É numerosa sua frota de submarinos nucleares e dispõe de aviões de combate que se equiparam aos dos Estados Unidos e da União Européia. A República Popular da China conta com forças armadas de contingente humano superior ao dos Estados Unidos, embora com armas menos sofisticadas: tem artefatos nucleares, participa da corrida espacial e avança no poderio bélico com expressivos gastos orçamentários. A Índia já domina as explosões nucleares e se moderniza militarmente despendendo amplos recursos, porquanto enfrenta contendas de fronteira com o Paquistão, inimigo de duas guerras, cujas hostilidades são mais de caráter religioso desde o fim do domínio do império britânico. O Brasil é um país praticamente desarmado, contrastando com o fato de ser detentor de vastas riquezas minerais, dono da maior floresta do universo e de enormes reservas de água, com longa costa marítima, explorando petróleo na plataforma submarina e na área do pré-sal até 300 quilômetros do litoral.

The image “http://lh4.ggpht.com/_AxCuBauiBF0/SCEI5y7HvLI/AAAAAAAAAPY/PpOJYZ_x8Vg/rafale-exo-f3.jpg” cannot be displayed, because it contains errors.

É benfazeja a aproximação Brasil-França com a qual temos tradicionais afinidades culturais e até alguns anos antes da eclosão da 2ª Guerra Mundial mantínhamos cooperação de suas missões militares, comandadas pelo General Gamelin, que nos traziam experiências e ensinamentos. Para a formação da Força Expedicionária Brasileira (FEB) que lutou contra os alemães na península italiana em 1944/45, o Brasil recebeu armamentos dos Estados Unidos, e na região de conflito ficamos sob o comando norte-americano, e daí por diante criamos estreitos vínculos militares com a América do Norte. No derradeiro governo do presidente Getúlio Vargas (1951 a 1954) foi assinado o Acordo Militar Brasil-Estados Unidos, que perdurou até a gestão do presidente general Ernesto Geisel, a quem coube denunciar e dar fim a esse pacto.

Na sua recente estada no Rio de Janeiro, o presidente Sarkozy disse com entonação nas palavras que “o Brasil deve participar como membro efetivo do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e das reuniões do G8, grupo que reúne as nações mais ricas do mundo”. Aliás, ele acrescentou China, Índia e África do Sul, e igualmente o Egito em afago aos países árabes. Sarkozy também nos enalteceu ao proclamar: “A França pensa que o Brasil poderoso é um elemento de segurança e estabilidade para o mundo”. Os dois países firmaram protocolo adicional prevendo a criação de um Centro Franco-Brasileiro de Biodiversidade Amazônica, focado na pesquisa científica e tecnológica, cujos núcleos serão instalados na região fronteiriça entre o Amapá e a Guiana Francesa.

Se na futura aquisição de aviões caça para a FAB prevalecer a escolha do Rafale, construído pela Dassault Aviation, estará ampliada e consolidada a aliança estratégica Brasil-França, que considero adequada ao interesse nacional, garantindo-nos autonomia e vontade soberana.

Léo de Almeida Neves é membro da Academia Paranaense de Letras, ex-deputado federal e ex-diretor do Banco do Brasil.

Nota do Blog: Com menos de uma semana para que a Dassault, a
Boeing e a SAAB entreguem suas propostas para a 2a fase da Licitação do F-X2, em resposta ao RFP (Request for Proposal) emitido pela FAB. Começam os "lobbies" já que o dia 2 de fevereiro é a data limite...

Irã intercepta navio iraquiano com combustível contrabandeado

By on 28.1.09
F-4 Phanton iraniano patrulha estreito de Ormuz

Irã intercepta navio iraquiano com combustível contrabandeado

Da EFE - Via G1

Forças iranianas interceptaram nas águas do Golfo Pérsico uma pequena embarcação com bandeira iraquiana que transportava 75 mil litros de combustível contrabandeado, informou hoje a agência oficial de notícias local "Irna".

Segundo as autoridades, o navio teria sido carregado "em um dos países árabes vizinhos".

"O navio usava bandeira do Iraque e a bordo viajavam sete homens que foram detidos", acrescentou.

O Golfo Pérsico e o vizinho Golfo de Omã são uma das principais vias de fornecimento de energias fósseis, já que por suas águas transitam a cada ano um quinto das reservas mundiais de petróleo e gás.

O Irã possui uma importante base naval no norte do Golfo Pérsico com o objetivo de fiscalizar o contrabando de petróleo.

Irã testa com sucesso míssil ar-ar de médio alcance com guigem térmica

By on 28.1.09
A imagem “http://www.5053phantoms.com/photos/albums/userpics/normal_12.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

Irã testa com sucesso novo tipo de míssil ar-ar

Da EFE - Via G1

O Exército iraniano anunciou hoje que testou com sucesso um novo tipo de míssil térmico ar-ar, capaz de alcançar alvos a uma distância de 100 quilômetros.

Em entrevista reproduzida pela agência de notícias "Fars", o general do Estado-Maior, Hassan Shahsafi, revelou ainda que o Irã trabalha em um novo protótipo de míssil, e também começou a desenvolver um modelo próprio de avião espião que não pode ser detectado por radares.

Desde 1992, o Irã mantém um programa de desenvolvimento militar próprio com o qual enfrenta o embargo armamentístico imposto pelos Estados Unidos após o fim da guerra com o Iraque (1980-1988).

Desde então, o país conseguiu adquirir um arsenal potente e moderno no qual se incluem mísseis de médio e longo alcance, os quais testa com regularidade.

Rússia suspende projeto de posicionamento de misseis Iskander em Kaliningrado

By on 28.1.09
http://www.google.com/hostednews/afp/media/ALeqM5iukU6RDIkPnA35p8QG_P50HUrSig?size=m

Rússia desiste de mísseis perto da Polônia, diz agência

AE-AP - Agencia Estado

A agência privada de notícias russa Interfax informou hoje que Moscou estava suspendendo a ameaça de instalar mísseis em Kaliningrado, nas proximidades da fronteira com a Polônia, em resposta aos programas de defesa de mísseis dos Estados Unidos. A Interfax citou um funcionário não identificado do corpo militar dizendo que a Rússia tinha suspendido a possibilidade de colocar mísseis Iskander em Kaliningrado (enclave russo entre a Polônia e a Lituânia, no Báltico) caso os EUA instalem elementos de um sistema de defesa de mísseis na Polônia.

O oficial disse à Interfax que o plano de instalação de mísseis Iskander foi suspenso porque a administração do novo presidente norte-americano, Barack Obama, não está, até agora, fazendo pressão pela instalação do escudo antimísseis. O Ministério da Defesa não comentou a informação da Interfax. Já a agência estatal ITAR-Tass citou uma fonte da Defesa rejeitando o anúncio.

Oficiais russos fazem, às vezes, uso de comentários anônimos para meios de comunicação locais como forma de testar a reação a políticas que ainda estão em deliberação. A Rússia afirma que o sistema de defesa norte-americano tem como objetivo minar suas defesas, mas os EUA alegam que o sistema tem como alvo evitar ataques de mísseis de "países nocivos", como o Irã. O plano foi uma das questões mais contenciosas entre Moscou e a administração do ex-presidente George W. Bush.

A fonte citada pela ITAR-Tass argumentou que era impossível dizer se os planos foram suspensos, porque eles ainda não foram implementados. O porta-voz do ministério de Relações Exteriores da Polônia, Piotr Paszkowski, disse que seu governo estava "tentando confirmar a credibilidade da informação". "Eu espero que Moscou tenha chegado à conclusão de que se prejudica quando anuncia esta intenção" de instalar os mísseis, disse o ministro do Exterior da República Checa, Karel Schwarzenberg.

terça-feira, janeiro 27, 2009

O Chad começa a receber aviões de ataque SU-25UB ucranianos

By on 27.1.09
O Chad começa a receber aviões de ataque SU-25UB ucranianos

Fonte: Quintus por Clavis Prophetarum

A Ucrânia entregou o primeiro de dois SU-25 à força aérea do Chad em agosto de 2008. O Chad adquiriu 6 aparelhos idênticos da versão SU-25UB. Os dois aparelhos seguintes deverão ser também entregues nos primeiros meses de 2009.

Embora o SU-25 não seja dos aviões mais modernos do mundo, em termos de carga de bombas transportada encontra apenas adversário à altura no A-10 Thunderbolt II da USAF e num país como o Chade, onde as missões de apoio a operações terrestres serão sempre mais importantes que as de superioridade terrestre, a a sua entrada em serviço vai revelar-se um autentico “salto quântico” para a força aérea chadiana. O avião é também muito robusto - bem ao estilo soviético - e não é particularmente sofisticado ou caro de manter, o que também se adequa ao Chade. Fica apenas a dúvida de saber como irá o Chade defender-se dos Sukhoi SU-27 e dos MiG-29 que constam hoje no inventario sudanês, país que é hoje o seu grande rival regional e que acusou por diversas vezes de violar as suas fronteiras

Denucias de corrupção da FACh incomoda Estado maior

By on 27.1.09

CHEFE DA FORÇA AÉREA SE DIZ 'INCOMODADO' COM DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO

Fonte: ANSA

O comandante-em-chefe da Força Aérea do Chile, general Ricardo Ortega, disse nesta segunda-feira que está "muito incomodado" com as denúncias de corrupção no organismo pela compra de 25 aviões Mirage recondicionados da Bélgica, no ano de 1994.

"Sou comandante-em-chefe da Força Aérea e tenho que responder pela instituição, mas como explico uma situação assim, em que estamos nos jornais por isso? Certamente fico incomodado, muito incomodado", falou Ortega, em suas primeiras declarações públicas a respeito do caso.

"Embora não tenha acontecido nada, e espero que seja comprovado que não aconteceu nada, essa situação nos afetou duramente", completou.

Em 1994, o Chile pagou à Bélgica US$ 109 milhões por 25 aeronaves Mirage Elkan, mas apenas US$ 70 milhões chegaram ao país europeu. O restante, US$ 39 milhões, ficou nas mãos da empresa encarregada pela manutenção dos aparelhos, que -- segundo a investigação -- teria dividido comissões com o alto comando militar chileno.

O juiz Omar Astudillo, responsável pelo caso, já expediu mandados para a prisão dos generais Ramón Vega, Jaime Estay e Florencio Dublé, além do coronel Luis Bolton.

O ministro da Defesa, José Goñi, reiterou que o caso é "muito delicado" e que "a Justiça tem de continuar com sua tarefa, separando claramente as pessoas das instituições".

"Esta é uma situação muito dolorosa e, como disse o general Ortega, é extraordinariamente incômodo para a alta cúpula militar", acrescentou o ministro.
O ex-presidente chileno Eduardo Frei afirmou nesta segunda-feira que não tem "nada a esconder", referindo-se às denúncias de recebimento de propina por parte de funcionários de seu governo (1994-2000).

"Não temos absolutamente nada a esconder. Há um processo judicial que avançou e vamos colaborar com os tribunais, como sempre fizemos", declarou.
"O que queremos é o que todos os chilenos querem: que isso seja esclarecido completamente", afirmou Frei.

Nasa transporta novo foguete Ares I para local do primeiro teste

By on 27.1.09

Nasa transporta novo foguete para local do primeiro teste

Fonte: Terra

Caminhão de carga pesada retira foguete de teste Ares I-X do Centro de Pesquisas Langley, na Virginia
Caminhão de carga pesada retira foguete de teste Ares I-X do Centro de Pesquisas Langley, na Virginia

O novo foguete Ares I - pertencente ao programa Constellation, que deve levar o homem novamente à Lua até 2020 - será testado pela primeira vez ainda no verão deste ano (inverno no Brasil), informa em seu site a Nasa, agência espacial americana. Apesar de ainda não ter a data exata, a Nasa transferiu o foguete de testes - batizado de Ares I-X - nesta terça-feira em um avião de carga C-5 do Centro de Pesquisas Langley, em Hampton, na Virginia, até o Centro Espacial Kennedy, na Flórida.

O primeiro teste servirá para avaliar o desempenho do equipamento nas fases de desacoplamento e recuperação do sistema de pára-quedas após o lançamento, explicou a Nasa. O Ares I-X subirá cerca de 40,2 km em uma simulação que deve durar em torno de dois minutos.

Segundo a agência, este primeiro passo é importante para verificar a estabilidade do foguete e recolher informações para o desenvolvimento dos sistemas de segurança.

O Ares I é parte de um novo sistema de espaçonaves que está sendo desenvolvido para substituir os envelhecidos ônibus espaciais. Ele e a cápsula Orion terão por objetivo viajar à Lua e ainda mais longe.

Obstáculos
Desde o início, o desenvolvimento do projeto tem sido uma batalha para a Nasa. De acordo com o The New York Times, problemas técnicos prejudicam o programa do Ares I, o primeiro dos novos foguetes em construção, causando atrasos e elevação de custos.

O jornal informa que para alguns críticos, o projeto enfrenta problemas sérios de inviabilidade, enquanto outros argumentam que complicações técnicas surgem no desenvolvimento de qualquer espaçonave, especialmente em projetos de grande porte como esse.


Protótipos de satélites brasileiros são testados na China

By on 27.1.09
Protótipos de satélites brasileiros são testados na China











Vista dos dois módulos PM e SM dos satélites CBERS-3 e 4, integrados para a realização dos testes de interface elétrica.



Protótipos de satélites brasileiros são testados na China

Fonte: Inovação Tecnológica, Com informações do INPE

Os protótipos dos satélites artificiais CBERS-3 e 4 começaram a ser testados na China. Os testes deverão durar até Abril deste ano. Os dois satélites têm lançamentos previstos para 2010 e 2013, respectivamente.

Os equipamentos foram transportados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) em novembro de 2008 para a montagem do modelo elétrico dos satélites, que atualmente passam por uma bateria de testes.

Programa CBERS

Segunda geração de satélites desenvolvidos em parceria pelo Brasil e China, os CBERS-3 e 4 representam uma evolução dos satélites CBERS-1, 2 e 2B, este último lançado em setembro de 2007.

O INPE é responsável no Brasil pelo Programa CBERS (sigla para China-Brazil Earth Resources Satellite; em português, Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres), parceria iniciada com a China há 20 anos e que garantiu a ambos os países o domínio da tecnologia do sensoriamento remoto.

Testando os satélites

As atividades iniciaram em dezembro, após inspeção para certificar que não houve nenhum dano na viagem de transporte, com testes elétricos e verificação de todos os equipamentos, em suas embalagens e nos registradores de choque e umidade. Apenas depois desta inspeção geral os equipamentos foram montados na estrutura do satélite para a realização dos testes elétricos.

"Dada a complexidade do satélite, seus testes elétricos são realizados por 'Estados', chamados de A, B, C e D. O satélite é progressivamente integrado para ser configurado em cada um de seus Estados. Por exemplo, no Estado A o satélite está com o Módulo de Carga útil (PM) separado do Módulo de Serviço (SM) e não tem alimentação por baterias", explica José Iram Barbosa, chefe do Serviço de Garantia do Produto do INPE.

Os testes A1, na primeira quinzena de dezembro, verificaram a interface de potência entre todos os equipamentos. Os resultados destes testes indicaram que o satélite poderia seguir para os testes A2, que tiveram início no começo de janeiro e deverão ser concluídos ainda este mês. De março a abril serão realizados os testes dos Estados B, C e D.

No Brasil, foram concluídos em dezembro os testes vibratórios e acústicos do modelo mecânico, que agora está sendo preparado para o início dos ensaios térmicos.

O desenvolvimento do satélite brasileiro

De forma mais ampla, o desenvolvimento do CBERS é dividido em fases. A primeira (fase A) contempla a concepção geral do satélite, um estudo de viabilidade técnica e a definição de uma estratégia de desenvolvimento, incluindo cronograma e estimativa de custos.

A fase B é a fase de projeto preliminar na qual se definem as concepções dos subsistemas do satélite e as especificações em nível de sistema (satélite) e subsistema. Esta fase é concluída com a PDR (Revisão de Projeto Preliminar) do sistema.

Em seguida, inicia-se a fase C, fase de projeto detalhado. Nesta fase, é feito o projeto detalhado de todos os subsistemas, levando-se em conta, além dos requisitos funcionais e de desempenho, todos os requisitos específicos do ambiente espacial.

Na fase C, são construídos os modelos de engenharia (ME) dos subsistemas e equipamentos. Estes são equipamentos construídos utilizando-se componentes eletrônicos funcionalmente equivalentes aos que serão utilizados nos modelos de qualificação e de vôo, mas sem qualificação espacial.

Modelos de engenharia

O objetivo dos MEs dos subsistemas é realizar a verificação funcional, de desempenho e de compatibilidade eletromagnética. Após a verificação em nível de subsistemas, são feitos a integração e os testes do modelo elétrico do satélite, que têm por objetivo verificar os requisitos funcionais, o desempenho e a compatibilidade eletromagnética do satélite como um todo.

Em paralelo à construção e testes do modelo elétrico, outros modelos de desenvolvimento do satélite são construídos, para verificar outros tipos de requisitos.

Um modelo estrutural com todas as características mecânicas do satélite e dos subsistemas é construído e testado. O objetivo desse modelo é verificar se o satélite vai resistir aos esforços mecânicos impostos ao longo de sua vida, principalmente os esforços do lançamento. Esse modelo é submetido a testes estáticos e dinâmicos (vibração e acústico).

Um modelo térmico é construído com as características térmicas do modelo de vôo e é submetido a teste de balanço térmico (TBT) em câmara termo-vácuo. O objetivo deste teste é verificar se todos os equipamentos e subsistemas suportarão as diferenças de temperatura durante a operação em órbita.

Um modelo radioelétrico do satélite com as características radioelétricas (antenas, formas, superfícies) é construído e testado em campo de antenas para verificar diagramas de radiação e interferências em RF.

Na fase C também são construídos modelos de qualificação dos subsistemas, cujos projetos são novos. Esses modelos de qualificação são fabricados com o mesmo nível de qualidade dos modelos de vôo, utilizam componentes eletrônicos qualificados para uso no espaço e são submetidos a ensaios ambientais de qualificação, em níveis de vibração e faixas de temperatura superiores aos previstos para o modelo de vôo.

No final da fase C é realizada a CDR (Revisão Crítica do Projeto), onde se verifica se o projeto dos subsistemas e do satélite está finalizado e atendendo às especificações, e se os preparativos para a fabricação dos modelos de vôo estão concluídos e sua fabricação pode ser iniciada.

Na fase D são construídos os modelos de vôo dos subsistemas, depois realizadas a integração e os testes do satélite e, finalmente o lançamento em órbita.

O desenvolvimento dos satélites CBERS-3 e 4 encontra-se atualmente na fase C.

Embraer Entrega Primeiro Jato EMBRAER 195 à Air Dolomiti pertencente ao grupo Lufthansa

By on 27.1.09

Embraer Entrega Primeiro Jato EMBRAER 195 à Air Dolomiti pertencente ao grupo Lufthansa

Fonte: Vnews

A Embraer entrega hoje o primeiro jato EMBRAER 195 à Haver Dolomita, companhia aérea Regional do norte da Itália pertencente à Lufthansa, Em cerimônia a ser realizada na sede da Embraer, Em São José dos Campos, interior de São Paulo. O Negócio com a Lufthansa foi anunciado em junho. De 2007, abrangendo 30 pedidos firmes do jato EMBRAER 190, com a opção de receber qualquer aeronave da família dos E-Jets.

O EMBRAER 195 da Air Dolomita é configurado com 116 assentos em classe única, com uma divisão móvel, e será utilizado para ligar a malha aérea italiana da Air Dolomiti ao centro de operações da Lufthansa em Munique, Alemanha.

“É uma honra entregar o primeiro jato EMBRAER 195 à Air Dolomiti”, disse Mauro Kern, Vice-Presidente Executivo da Embraer para o Mercado de Aviação Comercial. “A Air Dolomiti é um dos principais integrantes da família de companhias aéreas regionais da Lufthansa e estamos orgulhosos de ver nossos E-Jets assumindo papel de destaque no programa de modernização da frota da empresa.”

A nova aeronave fará parte da moderna e eficiente frota regional da Lufthansa, servindo como base para as operações tanto em rotas européias como em vôos de conexão para viagens de longo alcance. A chegada do EMBRAER 195 à Air Dolomiti coincide com a desativação de jatos mais antigos.

“Temos a satisfação de receber nosso primeiro de cinco jatos EMBRAER 195 e estamos ansiosos para introduzi-lo em nossa malha aérea européia, oferecendo aos nossos clientes um produto novo e de qualidade superior”, afirmou Michael Kraus, CEO da Air Dolomiti. “O EMBRAER 195 incorpora várias tecnologias avançadas. É economicamente eficiente e possui um nível de conforto incomparável.”

O EMBRAER 195 é o maior e mais novo dos quatro integrantes da família EMBRAER 170/190 de E-Jets e entrou em serviço em setembro de 2006. Em 31 de dezembro de 2008, a família de E-Jets possuía 876 ordens firmes e 810 opções, marcas significativas para um programa de aviões comerciais num período tão curto de tempo. Com mais de 500 aeronaves entregues, a família de E-Jets já ultrapassou 2,2 milhões de horas voadas e transportou mais de 100 milhões de passageiros.

segunda-feira, janeiro 26, 2009

Malvinas & Exocet

By on 26.1.09

britishflag2.gif (2567 bytes) ArgentinaFlag.gif (3562 bytes)

Malvinas & Exocet

A Guerra das Malvinas (em inglês Falklands War e em castelhano Guerra de las Malvinas) ou Guerra do Atlântico Sul ou ainda Guerra das Falklands foi um conflito armado entre a Argentina e o Reino Unido ocorrido nas Ilhas Malvinas (em inglês Falklands), Geórgia do Sul e Sandwich do Sul entre os dias 2 de abril e 14 de junho de 1982 pela soberania sobre estes arquipélagos austrais tomados por força em 1833 e dominados a partir de então pelo Reino Unido. Sem dúvida, a Argentina reclamou como parte integral e indivisível de seu territorio, considerando que elas encontram "ocupadas ilegalmente por uma potência invasora" e as incluem como partes da província da Terra do Fogo, Antártica e Ilhas do Atlântico Sul.

FalklandsMap.jpg (74496 bytes)

O saldo final da guerra foi a recuperação do arquipélago pelo Reino Unido e a morte de 649 soldados argentinos, 255 britânicos e 3 civis das ilhas. Na Argentina, a derrota no conflito fortaleceu a queda da Junta militar que governava o país e que havia sucedido as outras juntas militares instaladas através do golpe de Estado de 1976 e a restauração da democracia como forma de governo. Por outro lado, a vitória no confronto permitiu ao governo conservador de Margaret Thatcher obter a vitória nas eleições de 1983.

O míssil MBDA Exocet é um míssil antinavio fabricado pela empresa MBDA, possui versões que podem ser lançadas por helicópteros, aviões, navios e submarinos.


Sheffieldfire.jpg (22244 bytes)

Destroyer Sheffield depois de atingido por um Exocet


Usado a partir de aeronaves Dassault Super Etendard, o AM39 ganhou notoriedade durante a Guerra das Malvinas por ter causado o afundamento do destroyer Type 42 HMS Sheffield (D80) e do navio Atlantic Conveyor. O MM38, disparado a partir da terra por um lançador retirado de um navio, causou danos ao HMS Glamorgan.

Os argentinos também alegam ter danificado o porta-aviões HMS Invincible, o que é negado pelos britânicos. (abaixo)

FalkFuselage02.jpg (34083 bytes)



O Exocet, em sua versão lançada do ar (AM.39), também foi intensamente utilizado durante a Guerra Irã-Iraque pela Força Aérea do Iraque. Acredita-se que entre 350 e 400 mísseis tenham sido adquiridos entre 1979 e 1988. No início do conflito os mísseis eram lançados de helicópteros Super Frelon. Posteriormente o Iraque arrendou 5 Super Étendard e a partir de 1984 passou a utilizar definitivamente o Mirage F.1 como plataforma de lançamento.

Os principais alvos dos mísseis eram petroleiros e plataformas petrolíferas iranianas, além de outros navios mercantes que faiam comércio com o Irã. Mas a vítima mais conhecida foi a fragata USS Stark, da Marinha dos EUA. O ataque ocorreu no dia 17 de maio de 1987 e não se conhece a verdadeira razão.

http://www.militarypictures.info/d/786-2/exocet.jpg

Ordeal by Exocet: HMS Glamorgan and the Falklands War, 1982, de Ian Inskip. Chatham Publishing (http://www.chathampublishing.com/index.html), Park House, 1 Russell Gardens, London NW11 9NN, 2002, 320 páginas, US$14.95 (brochura).

Fonte: Airpower

Embora a Guerra das Falklands/Malvinas tenha desaparecido da visão do público, eclipsada por operações maiores e mais recentes nos Bálcãs e no Oriente Médio, dela ainda se podem aprender lições. Isso fica logo evidente com a leitura de Ordeal by Exocet, de Ian Inskip. Em 12 de junho de 1982, quando voltava de um bombardeio em apoio à última batalha importante da Guerra das Falklands/Malvinas, o contratorpedeiro da classe “County” HMS Glamorgan foi atingido por um míssil Exocet, disparado de um lançador móvel perto de Stanley, capital das Ilhas Falklands/Malvinas. Ao contrário do Sheffield e do Atlantic Conveyor, afundados no mês anterior por Exocets lançados do ar, o Glamorgan continuou flutuando, tornando-se o primeiro navio da história a sobreviver a um ataque de Exocet. Ordeal by Exocet é a sua história.

A imagem “http://www.warshipsifr.com/media/june-FALKLANDS-25-EXOCET.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

Ian Inskip, então capitão de corveta [lieutenant commander], está bem qualificado para contar essa história. Como oficial navegador, ele estava na ponte de comando não só durante o ataque do míssil, mas também durante os numerosos bombardeios à costa e os reabastecimentos do Glamorgan. Usando seu próprio diário detalhado e os de quatro companheiros de bordo, juntamente com contribuições verbais e escritas de numerosos outros participantes, ele narra, em primeira mão, a história do papel do Glamorgan na Guerra das Falklands/Malvinas.

Sem dúvida, o destaque deste livro encontra-se nos dois capítulos que tratam do ataque do míssil e dos esforços subseqüentes para controlar o dano, discutidos em termos das lições aprendidas com o afundamento do Sheffield e do Atlantic Conveyor, bem como da evolução das táticas para combater a ameaça representada pelos Exocets. Todavia, apesar do título provocativo, o livro não é apenas, nem mesmo principalmente, a respeito do ataque de Exocet e da luta subseqüente do contratorpedeiro para sobreviver. Em vez disso, cobre toda a viagem do Glamorgan, desde o exercício em que participou, antes da invasão argentina, até seu retorno a Portsmouth, depois da guerra. Desse modo, Inskip fornece ao leitor uma visão cotidiana da vida à bordo de um navio da Real Marinha na guerra, inclusive a rotina normal dos marinheiros e operações, como reabastecimento em alto mar, escolta e apoio de artilharia naval. Além das operações militares, ele fornece uma visão detalhada de como as famílias da tripulação do navio lidaram com o desdobramento, um tópico raramente mencionado em escritos de guerra, bem como discussões extensas a respeito da desordem do estresse pós-traumático—uma condição na maioria das vezes ignorada por historiadores militares (com a exceção de Hugh McManners em Falklands Commando), apesar do seu efeito em numerosos veteranos das Falklands/Malvinas.

A imagem “http://www.psywarrior.com/exocet.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

Como um todo, Ordeal by Exocet está bem escrito, embora um pouco desigual. Em virtude de desenvolverem-se cronologicamente, as partes da narrativa que tratam de períodos de lentidão relativa, como o percurso até a Ilha da Ascensão, são um pouco desconexas. Por outro lado, a narrativa do ataque de Exocet é envolvente e difícil de ser interrompida. Inskip inclui suficiente informação de base para tornar o livro acessível tanto para leitores em geral quanto para estudiosos sérios da Guerra das Falklands/Malvinas—e é provável que todos os grupos se beneficiem da perspectiva que ele apresenta. Em geral, Ordeal by Exocet é uma contribuição valiosa e relevante a estudiosos tanto da história militar quanto dos efeitos da guerra na sociedade.





sábado, janeiro 24, 2009

Ucrânia Modernizará os AN-32 da India

By on 24.1.09
La empresa ucraniana Motor Sich modernizará aviones An-32 para la India

Fonte: ForoMil.com.ar - Via: Desarrollo y Defensa

La empresa ucraniana Motor Sich, especializada en la construcción de motores, procederá en 2009 a cumplir un pedido de modernización de aviones multipropósito An-32 para la India, comunicó el director general de esa empresa, Viacheslav Bogusláev. "Este año comenzamos a modernizar aviones An-32 para la India -informó-. Serán equipados con nuevos motores que deberemos entregar dentro de dos años".

Refiriéndose a la cooperación con otros países, comentó que Motor Sich participa en los programas de aviación civil de Irán, que ha encargado 12 motores para sus aviones de pasajeros An-140 aparte de los que había pedido en el marco de los contratos anteriores. La empresa ucraniana, además, reparó el año pasado cuatro motores de avión en los Emiratos Árabes Unidos, y proyecta reparar es año otros 15 ó 20.

En 2009, Motor Sich entregará 22 motores de avión a China. El año pasado este país había comprado diez. Motor Sich cumplió 100 años en 2007. En la época de la Unión Soviética fue una de las más importantes empresas de la industria aeronáutica. Hoy produce más de 50 tipos de motores de avión y exporta sus productos a 120 países del mundo.

Mais detalhes do Satélite Geoestacionário Amazônia-1

By on 24.1.09

Com o satélite Amazônia-1, Inpe espera 'turbinar' monitoramento da floresta

Será o primeiro satélite brasileiro de observação da Terra.
Segundo diretor do Inpe, lançamento deve acontecer em 2011.

Dennis Barbosa Do Globo Amazônia, em São Paulo - Via G1

Concepção artística do satélite brasileiro, a ser lançado em 2011. (Foto: Inpe/Divulgação)

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) é referência internacional no monitoramento de desmatamento. Ainda assim, a própria instituição admite que se baseia em imagens de satélites problemáticos, como o americano Landsat-5 - que já está fazendo hora extra após 22 longos anos de serviços prestados - para vigiar a destruição da floresta.

Para diminuir a dependência de satélites estrangeiros, o instituto está desenvolvendo um modelo próprio, a ser lançado em 2011, o Amazônia-1. Será o primeiro satélite de observação da Terra desenvolvido no Brasil.

“O Amazônia-1 terá uma câmera com resolução de 40 metros que faz uma varredura completa da Terra a cada 5 dias e outra com resolução de 10 metros que precisa de 30 dias para fazer uma imagem do mundo”, explica Gilberto Câmara, diretor do Inpe.

A imagem “http://veja.abril.com.br/020998/imagens/amazonia1.jpg” contém erros e não pode ser exibida.


Atualmente, o Deter (Detecção de de Desmatamento em Tempo Real), sistema que fornece os dados mensais oficiais de desmatamento se baseia em imagens com resolução de 250 metros tiradas a cada dois dias. A resolução é o tamanho a que equivale um pixel (ponto) na imagem, ou seja, atualmente, a área mínima registrada pelo Deter tem que ter pelo menos 250 de lado.

A câmera de maior resolução (10 metros) do Amazônia-1 é de fabricação britânica. O satélite é baseado em uma plataforma nacional que deverá ser utilizada em outros satélites propostos para o programa espacial brasileiro: o satélite científico Lattes-1, o satélite-radar de observação da Terra Mapsar, e o satélite meteorológico de medidas de precipitação GPM-Br.

Esta semana, o Inpe anunciou uma compra de peças do Amazônia-1. Todos os seus equipamentos devem estar comprados ainda este ano. Gilberto Câmara diz que ainda não está definido de que país ele será lançado. “O Cbers foi lançado pela China porque se trata de um satélite sino-brasileiro. No caso do Amazônia-1, não há esse compromisso”, explica.

Apesar do avanço que o novo satélite representa para o monitoramento da Amazônia, ele não supre por si só todas as necessidades do instituto para esse fim. “O nosso sonho é ter 5 metros de resolução diariamente”, comenta Câmara.

Segundo o diretor, para um monitoramento de “grande acurácia”, seriam necessários pelo menos dois satélites. “Trabalhamos com o conceito de constelações (conjuntos de satélites). Nem num horizonte de 2015 ou 2018 podemos pensar que um só satélite vai fazer isso (monitoramento de alta precisão)”.

http://aristotelizar.com/web/wp-content/2008/08/satelite-simon-bolivar.jpg

Brasil inicia estudos sobre satélite geoestacionário

Da EFE - Via G1

Os Ministérios do Planejamento e da Ciência e Tecnologia assinaram um termo de cooperação para iniciar os estudos a respeito do primeiro satélite geoestacionário brasileiro, sob a forma de parceria público-privada (PPPs).

De acordo com a Agência Espacial Brasileira (AEB), o objetivo deste satélite será fornecer serviços de telecomunicações de governo, comunicações militares seguras e de informações sobre meteorologia e controle de tráfego aéreo.

A fase de estudos incluirá avaliações das partes técnica e econômica, assim como a financeira e jurídica, na qual serão feitas as licitações e contratos.

A AEB informou que, após a análise das alternativas de financiamento, a viabilidade do projeto foi garantida "em um horizonte de 15 anos".

Colômbia moderniza submarinos classe “209/1200”

By on 24.1.09

Colômbia moderniza submarinos

Segurança & Defesa

Em dezembro de 2008, a Howaldtswerke-Deutsche Werft GmbH (HDW), uma empresa do ThyssenKrupp Marine Systems AG, e a MarineForce International LLP (MFI) assinaram com o Ministério da Defesa da Colômbia um contrato para fornecimento de dois pacotes de material para manutenção e modernização dos submarinos colombianos “Pijao” e “Tayrona” (foto), da classe “209/1200”. Os navios foram construídos em Kiel (Alemanha) em 1970 e entregues cinco anos depois. Desde então, já foram submetidos a dois programas de modernização realizados na Alemanha. A nova modernização será realizada na própria Colômbia, no estaleiro estatal COTECMAR, em Cartagena. Além do material, a HDW e a MFI darão assistência técnica à COTECMAR. Os trabalhos devem estar concluídos em 2011.

Japão lançou satélite que vai monitorizar gases com efeito de estufa

By on 24.1.09
Satélite vai monitorar o efeito estufa

Fonte: Veja

O Japão lançou nesta sexta-feira o primeiro satélite do mundo destinado a monitorar as emissões de gases que provocam o efeito estufa. A expectativa é que o projeto, batizado Satélite de Observação de Gases do efeito Estufa (Gosat, na sigla em inglês), possa contribuir para o desenvolvimento de políticas mais detalhadas sobre o clima.

Equipado com dois sensores, o Ibuki ("respiração" em japonês) foi lançado por um um foguete às 12h54min (hora local) de uma estação espacial na ilha de Tanegashima, no sul do país. Ele deverá ficar em órbita por cinco anos, período no qual deverá calcular a densidade de metano e gás carbônico na atmosfera. A previsão é que as primeiras informações comecem a chegar dentro de nove meses.

De acordo com a Jaxa, agência espacial japonesa, o Ibuki poderá coletar dados de 56.000 localidades ao redor do globo, inclusive da atmosfera sobre mar aberto. O número é consideravelmente maior do que os 282 pontos de observação existentes em bases terrestres até o último mês de outubro.

Em 2009, outra missão deverá monitorar gases do efeito estufa a partir do espaço. A Nasa, agência espacial americana, planeja o lançamento de seu próprio Observatório Orbitante de Carbono, com o objetivo de acompanhar os níveis de CO2 na atmosfera da Terra.

Helicóptero militar das tropas americanas cai no Afeganistão

By on 24.1.09

Helicóptero militar das tropas americanas cai no Afeganistão

EFE - Via O Globo

Um helicóptero militar das tropas americanas no Afeganistão caiu nesta sexta-feira, próximo de Kabul, com sete pessoas a bordo que saíram ilesas do acidente, informou o comando americano. As causas da queda da aeronave, que estava se preparando para fazer um resgate médico, estão sendo investigadas, conforme informou o comando militar, que descartou a possibilidade de o helicóptero ter sido alvo de fogo inimigo. De acordo com uma nota, os membros da tripulação e os passageiros que viajavam na aeronave se encontram "salvos e seguros".

O incidente ocorreu um dia depois que um general afegão e 12 soldados morreram num acidente com o helicóptero em que viajavam no Oeste do Afeganistão. O porta-voz do Ministério da Defesa do Afeganistão, Zahir Azimi, explicou à EFE, no entanto, que o helicóptero bateu contra uma montanha no trecho entre as províncias ocidentais vizinhas a Herat e Farah devido ao mau tempo.

Militares franceses morrem em queda de helicóptero no Gabão

By on 24.1.09



Militares franceses morrem em queda de helicóptero no Gabão

EFE - Via O Globo

Sete militares franceses morreram e um continua desaparecido após um acidente de helicóptero acontecido no sábado na costa do Gabão. Somente dois tripulantes foram encontrados a salvo, sendo que um deles está ferido.

Os trabalhos de buscas dos desaparecidos estão sendo feitas nas imediações de onde o helicóptero caiu e em até 35m de profundidade no mar. O ministro da Defesa da França, Hervé Morin, pretendia viajar nesta segunda-feira ao Gabão para coordenar as operações de resgate e esclarecer as causas do acidente.

No momento do acidente, os ocupantes do helicóptero participavam de exercícios militares junto com militares do exército do país africano.

Aerolíneas Argentinas compram 12 aviões Boeing

By on 24.1.09
http://img.photobucket.com/albums/v498/pilotoeidt/aeropuertosARG/10.jpg

Aerolíneas Argentinas compram 12 aviões Boeing

Da EFE - Via G1

As Aerolíneas Argentinas, recém-encampadas pelo Governo de Cristina Fernández de Kirchner comprarão 12 aviões Boeing 737/700 para rotas na América Latina, incluindo diferentes cidades do Brasil informou hoje a imprensa local.

De acordo com a Secretaria de Transporte, citada pela imprensa local, dois dos aviões foram adquiridos novos por um valor de US$ 38 milhões cada um, enquanto os outros dez são usados, com idades entre 2 e 9 anos, e serão incorporados sob regime de leasing (aluguel com opção a compra).

Além dos Brasil, a companhia aérea, expropriada da empresa turística espanhola Marsans por dívidas acumuladas, terá voos para Lima, Bogotá, Caracas, México, Panamá e alguns pontos do interior da Argentina.

Mais sobre a Guerra no "Gueto de Gaza"

By on 24.1.09
A imagem “http://www.boattest.com/images-gallery/News/leponant3.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

França envia fragata para patrulhar águas de Gaza

Reuters - Via Veja - (Reportagem de Estelle Shirbon)

A França decidiu enviar uma fragata com helicópteros para patrulhar as águas internacionais em frente à Faixa de Gaza, como parte dos esforços para consolidar o cessar-fogo na região, disse o Palácio do Eliseu na sexta-feira.

A nota divulgada pelo gabinete do presidente Nicolas Sarkozy diz que a vigilância, destinada a evitar o tráfico de armas para o grupo islâmico Hamas na Faixa de Gaza, será realizada com a total cooperação de Egito e Israel.

"O que é urgente agora é consolidar o cessar-fogo, o que exige ação humanitária, um fim total do tráfico de armas para Gaza, a reabertura durável dos acessos à fronteira, a reconstrução e a reconciliação entre os palestinos", disse a nota.

Sarkozy fez duas viagens diplomáticas ao Oriente Médio durante os 22 dias da recente ofensiva israelense contra a Faixa de Gaza, na tentativa de mediar um cessar-fogo. Ele disse que a França está preparada para ajudar no que for possível para restaurar a calma.

Israel diz que atacou a Faixa de Gaza para impedir o Hamas de disparar foguetes contra o seu território. No lado palestino, o conflito matou 1.300 pessoas, a maioria civis, e feriu outras 5.000. Israel registrou 13 mortos, sendo 10 soldados e 3 civis atingidos por foguetes.

A nota da presidência francesa pede que o novo governo dos EUA e seus parceiros europeus estabeleçam rapidamente uma estreita coordenação para propor ações complementares contra o tráfico de armas por mar e terra.

"Essas ações precisam ser acompanhadas por uma reabertura total e permanente dos acessos fronteiriços a Gaza. Por isso o presidente reiterou seu apelo para uma rápida reativação do posto de controle de Rafah (fronteira Gaza/Egito), sob controle europeu, no qual a França tomará parte integralmente", diz o texto.

Israel rejeitou na sexta-feira vários outros apelos pela reabertura total da Faixa de Gaza, onde só cargas humanitárias estão sendo admitidas.


A imagem “http://www.airforce-technology.com/projects/f-16i/images/F16i_soufa_5.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

Guerra de Gaza custou cerca de US$ 8 milhões por dia

AE - Agencia Estado

A guerra de Gaza custa cerca de US$ 8 milhões por dia aos cofres de Israel. Em pouco mais de duas semanas, as despesas chegam a US$ 130 milhões, indica um boletim de conjuntura da Bolsa de Valores de Tel-Aviv. E esse é apenas o preço das operações militares - sem contar as perdas indiretas, representadas pela interrupção da produção industrial, a redução da atividade do comércio e o colapso no turismo ou o aumento da inflação e do desemprego.

A avaliação não surpreendeu Ariel, nome fictício de um oficial de média patente da reserva israelense, que vive no Brasil. Ex-integrante das forças especiais, veterano da campanha no sul do Líbano em 2006, ele é especialista em gestão empresarial e concorda com o valor da conta do conflito. Para ele, o governo de Israel pode manter esse ritmo por mais duas semanas, em regime de contenção, ou mesmo por mais um mês, nesse caso sob condições de exceção, previstas em lei, semelhantes às vigentes no estado de sítio.

Uma hora de voo de caça em condições de ataque - só o voo, sem contar as bombas inteligentes e mísseis que podem custar até US$ 1,5 milhão - não sai por menos de US$ 5 mil. A estimativa é de que a aviação israelense tenha mobilizado cerca de 60 supersônicos F-16 Block 60 e F-15D, responsáveis por cerca de 120 saídas de combate.

Além dessa força, destaca Ariel, devem ser considerados os cerca de 30 helicópteros Apache e Cobra, encarregados da cobertura de ponto. Em terra, a fatura do deslocamento de tanques Merkava de 65 toneladas e dos blindados usados para o transporte de tropas é variável, ?mas um tiro de munição especial de 120 mm perfurante não sai por menos de US$ 2,5 mil?. Além disso, treinamento, manutenção e equipamento para soldados dos grupos especiais não saem por menos de US$ 250 mil ao ano. Ariel não está em Gaza por causa de uma complexa cirurgia que passou, da qual ainda não se recuperou totalmente.

Brasil produz pela 1ª vez célula-tronco sem embrião

By on 24.1.09
http://www.jornalcomunicacao.ufpr.br/files/images/c%C3%A9lula.materia.jpg

Brasil produz pela 1ª vez célula-tronco sem embrião

Agência Estado - Via Yahoo News

Cientistas cariocas produziram pela primeira vez no Brasil uma linhagem de células-tronco de pluripotência induzida. Conhecidas pela sigla iPS - induced pluripotent stem cells, em inglês -, elas são idênticas às cobiçadas células-tronco embrionárias, com a vantagem de que não necessitam de embriões para sua obtenção. Em vez disso, a pluripotência (capacidade para se transformar em qualquer tecido do organismo) é induzida "artificialmente" em uma célula adulta, por meio da reprogramação de seu DNA.

A técnica, segundo o que os pesquisadores revelaram com exclusividade ao Estado, não reduz a importância do estudo das células embrionárias "autênticas", mas diminui a necessidade de destruir embriões para a produção de novas linhagens pluripotentes. Além de facilitar imensamente a produção de células-tronco oriundas dos próprios pacientes, já que não há limite no número de células adultas que podem ser reprogramadas nem é preciso passar pelas complicações técnicas (e éticas) de fabricar ou clonar um embrião para pesquisa.

Apenas quatro outros países já possuem linhagens de células iPS registradas na literatura científica: Japão, Estados Unidos, China e Alemanha. A pesquisa brasileira produziu, simultaneamente, em menos de um ano, uma linhagem iPS de células humanas e outra de camundongo. Ambas serão disponibilizadas gratuitamente para a comunidade científica.

O projeto foi realizado nos laboratórios do neurocientista Stevens Rehen, do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e do biomédico Martin Bonamino, da Divisão de Medicina Experimental do Instituto Nacional de Câncer (Inca), com apoio dos alunos de pós-graduação Bruna Paulsen e Leonardo Chicaybam. A parceria começou em 2008, depois que Rehen deu uma palestra no Inca. Foi o casamento perfeito: "O Stevens sabia cultivar as células-tronco e a gente sabia produzir os vetores virais para infectar as células", conta Bonamino.

Vídeo:


Vídeo mostra instantes finais da queda do teto da Igreja Renascer

By on 24.1.09

http://images.ig.com.br/publicador/ultimosegundo/339/88/88/1510353.igreja_da_renascer_desaba_276_398.jpg


Imagens mostram instantes finais da queda do teto da Igreja Renascer

A convite do "Jornal da Globo", especialista analisa as cenas.
Tragédia deixou nove mortos no último domingo (18).

Do G1, com informações do Jornal da Globo

O “Jornal da Globo” apresentou neste sábado (24) uma análise de um especialista sobre os instantes fatais da tragédia que matou nove pessoas na Igreja Evangélica Apostólica Renascer em Cristo, no Cambuci, Zona Sul de São Paulo, no domingo passado (18). O teto do templo desabou e deixou mais de 100 frequentadores ficaram feridos. As vítimas foram surpreendidas com a rapidez do desabamento. Uma câmera da própria igreja registrou tudo.

As imagens foram reveladas com exclusividade no "Jornal Nacional" desta sexta-feira (23). Faltavam poucos minutos para as 19h de domingo (18) quando o teto caiu. O culto das 18h na Igreja Renascer tinha acabado de terminar. Fiéis ocupavam ainda a maioria das cadeiras do templo. Aos poucos, o lugar começava a ser esvaziado.


Nem todos os participantes do culto saíram ao final da cerimônia. Até que quando a igreja já estava bem mais vazia, o teto desabou.
Foto: Editoria de Arte/G1

Localização da Igreja Renascer onde o teto desabou neste domingo, 18 (Foto: Editoria de Arte/G1)

A rapidez da queda impressiona. Antes do desabamento, as imagens mostram uma moça de preto olhando para o alto. Ela percebeu algo errado no teto, possivelmente um ruído. Um grupo tentou fugir.

Depois da queda do teto, o vídeo só registra um clarão. A poeira levantada pelo desabamento tomou conta do ambiente.

As imagens devem ajudar a perícia a identificar as causas do desabamento do teto da Igreja Renascer. Convidado pelo “Jornal da Globo”, o professor de engenharia da Universidade de São Paulo (USP) Roberto Kochin analisou a sequência gravada pelo circuito interno de segurança.

“As imagens mostram uma ruptura muito rápida. Há uma viga metálica que se desloca em direção à câmera e isso dá a entender que ela é uma estrutura apoiada. A estrutura do telhado é apoiada nos lados e esse tipo de estrutura sem pilares intermediários não tem capacidade de resistência. É como um castelo de cartas, se tirar uma carta, ele cai e vai de uma forma muito rápida. E infelizmente não houve tempo de reação. As pessoas não puderam sair e houve esse número elevado de vítimas”, explicou Roberto Kochen, da USP.

Vídeo:


Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts