GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

domingo, agosto 29, 2010

EMBRAER: Pouso forçado na China?

By on 29.8.10
Com o futuro incerto no país comunista, a Embraer enfrenta o drama do primeiro grande acidente com jato de sua fabricação

Uma intensa neblina foi a última imagem que 42 passageiros e tripulantes da Henan Airlines puderam ver antes do acidente aéreo que tirou suas vidas na terça-feira 24, na cidade chinesa de Yichun, no nordeste do país.

Queda em Yichun: aeronave da Henan Airlines deixa 42 mortos e 54 sobreviventes,
na terça-feira 24. Três dias depois, outro avião idêntico sai da pista

Para outras 54 pessoas sobreviventes, a fumaça espessa e o fogo marcaram o começo de uma nova vida. As causas da tragédia ainda estão sendo investigadas pelas autoridades chinesas. Suas consequências podem atingir uma empresa brasileira, a Embraer, fabricante da aeronave que se partiu em dois ao pousar antes da pista do aeroporto.

Foi o primeiro acidente grave envolvendo a família de jatos da Embraer. Também foi o primeiro desastre aéreo com vítimas na China desde novembro de 2004, quando um CRJ-200, fabricado pela canadense Bombardier e comprado pela China Eastern Airlines, caiu num parque de Baotou, no norte do país. Depois de investir bilhões na construção e modernização dos aeroportos, a China viveu seis anos de acidente-zero, numa tranquilidade contrastante com seu tamanho e sua pujança econômica. Após a queda do Embraer 190, o governo de Pequim ordenou uma inspeção em toda a frota aérea e a revisão das condições de segurança – no caso da Embraer, o mais grave é que, três dias depois, outro avião idêntico saiu da pista em Nanning, no sul da China, mas desta vez sem vítimas.

Para a empresa brasileira, há duas questões importantes em jogo: a sua imagem e as negociações com os chineses para a continuidade dos investimentos da empresa naquele país.

No primeiro caso, a grande dúvida é até que ponto fatalidades aéreas afetam a imagem dos fabricantes. Geralmente, o dano na marca é contido quando se comprova falha humana, mas é certeiro quando surgem problemas de origem mecânica.

Em 1996, um defeito no reversor da turbina de um Fokker 100 da TAM vitimou 99 pessoas em São Paulo e praticamente acabou com a carreira do jato. Pelo sim, pelo não, na terça-feira as ações ordinárias da Embraer caíram 3,87% na Bovespa, recuperando-se parcialmente nos dias seguintes.

Até agora, o Embraer 190 é visto como uma aeronave avançada e segura. “É o melhor avião do mundo em sua categoria”, diz Gianfranco Beting, diretor de comunicação, marca e produto da Azul Linhas Aéreas Brasileiras. A companhia tem 21 aeronaves Embraer em operação e diz que segue confiante na marca.

“Não é porque uma Ferrari capota na estrada que vamos perder a confiança no veículo”, compara. Há 30 jatos Embraer 190 voando na China. São 290 em operação em 39 países. As companhias aéreas internacionais já compraram e receberam 652 aeronaves da família dos E-jets da Embraer.

Para não deixar perguntas incômodas pairando no ar, a empresa de São José dos Campos (SP) enviou uma equipe de técnicos em segurança de voo para Yichun, na quarta-feira, para ajudar nas investigações.

No mesmo dia, outro time de emergência viajou para Vitória da Conquista, na Bahia, depois que um ERJ-145 utilizado pela companhia Passaredo pousou de barriga no aeroporto Pedro Otacílio de Figueiredo. Não houve vítimas. Segundo informações internas da Embraer, as duas aeronaves funcionavam normalmente antes dos acidentes.

Procurada pela 'IstoÉ Dinheiro', a empresa diz que só irá se manifestar publicamente sobre os acidentes após a conclusão das investigações. Os resultados podem interferir numa questão delicada: sua própria presença na China.

A Embraer investe há dez anos no país, onde fabrica o ERJ-145, modelo destinado ao segmento de 30 a 60 assentos.

O avião sai da unidade da Harbin Embraer Aircraft Industry, uma joint venture com a chinesa Avic, sediada em Harbin. Fundada em 2003, foi a primeira fábrica da Embraer fora do Brasil.

Hoje, a empresa tem 300 funcionários em Harbin e Pequim. Depois de entregar 20 aeronaves, a fábrica tem apenas mais cinco unidades para montar até o primeiro trimestre de 2011. Não há mais pedidos em carteira. Segundo uma fonte da empresa, “não tem mais mercado para o ERJ-145”.

A sócia Avic desenvolveu um modelo próprio de 70 a 90 assentos, o que colocou em dúvida a sobrevivência da parceria. A estratégia de Frederico Curado, presidente da Embraer, é negociar com os chineses a fabricação local do Embraer 190, usado para competir na faixa de mercado de 91 a 120 assentos. Se não sair a autorização de Pequim para o negócio ir adiante, a fábrica de Harbin estará com os dias contados.

Fonte: Milton Gamez (IstoÉ Dinheiro) - Fotos: STR / AFP / CCTV - Noticias Sobre Aviação

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts