GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

segunda-feira, junho 25, 2012

Irã pode ter recebido um F-16 da Venezuela para calibrar radares

By on 25.6.12




O Irã vem testando, com pelo menos um caça F-16, a calibração de radares e familiarizando as suas capacidades contra um possível ataque de Israel ou dos Estados Unidos, de acordo com uma agência de inteligência não-ocidental. O envio de uma unidade do caça da Força Aérea da Venezuela, desmontada e carregada num Boeing 707, foi confirmada por um comandante da Força Aérea Venezuelana, alegando anonimato. A documentação fornecida por uma terceira fonte inclui um acordo entre os dois países para o fornecimento de vários F-16, dentro da estreita cooperação militar entre Caracas e Teerã, como já evidenciado pela ABC.

Analistas acreditam que o peso de um ataque de Israel contra as instalações nucleares do programa iraniano seria feito principalmente com a frota de jatos F-15, porque este modelo tem uma maior resistência. No entanto, como estas aeronaves necessitam igualmente ser reabastecidas em vôo, também foi mencionada a possibilidade de que aviões israelenses utilizem uma base no Azerbaijão, no norte do Irã, cuja acordo de utilização acordo foi revelado pela revista “Foreign Policy” em março. Isso reforçaria o envolvimento de F-16s no ataque. Enquanto isso, os EUA tem esquadrões de F-16 em bases no Golfo Pérsico.

Sukhois russos
A Venezuela comprou dos EUA os caças F-16 antes da chegada de Hugo Chávez ao poder. Dos 24 adquiridos em 1983, três foram danificados em acidente e agora, aparentemente, só existam 12 unidades em operação. Alguns estão parados no hangar por falta de peças de reposição, mas vários já foram vendidos ou transferidos para países terceiros sem permissão dos EUA, algo contrário às condições de venda original, mesmo com o governo anunciando que era sua intenção. O regime de Chávez está substituindo sua frota com 24 caças russos Sukhoi Su-27.

A ata de uma reunião a Teerã em agosto de 2009 pelo então Presidente da Compañía Anómina Venezolana de Industrias Militares (Cavim), General Eduardo Richani Aref, indica que “o lado venezuelano se comprometeu a acelerar os estudos de viabilidade para a proposta apresentado pela AIO [Aviation Industries Organization] nos aviões F-16. “O documento, que o jornal ABC tem uma cópia, está assinado no lado iraniano pelo general Mohammad Mohammad Lou Beig, adjunto do Ministério de Logística de Defesa. O acordo também menciona outros casos de cooperação, como a venda de drones”.
Embora alguns dos projetos assinados entre os dois países não foram executados, no caso do F-16 é, pelo menos, conhecido de uma apresentação prévia feita em agosto de 2006. A operação foi iniciada pelo tenente-coronel Luis Reyes Reyes, um dos mais próximos assessores de Chávez, e foi também acompanhado do Major-General Roger Lara Cordeiro.

De acordo com o depoimento confidencial agora oferecido por um comando da Força Aérea Venezuelana (FAV), uma caça biplace F-16D da Base Aérea em Maracay foi desmontado e colocado em grandes caixas de madeira ‘seladas’, sem qualquer indicação externa de seu conteúdo. A “aeronave” foi carregada na base aérea El Libertador no Boeing 707 “6944″ da FAV (foto), uma aeronave de carga e reabastecimento aéreo. O percurso contemplou escalas no Brasil (Recife) e na Argélia, terminando em Teerã. Com os pilotos e técnicos venezuelanos enviados posteriormente para montar a aeronave na base de Mehrabad, no Irã, operar a aeronave, e treinar em conjunto com os iranianos.

Essa mesma pessoa identificada como Karim Lezama, um tenente-coronel venezuelano da reserva, como alguém engajado em levar peças dos EUA para os caças F-16, assim como para os F-14 Tomcats, sendo o Irã o único país do mundo a operar esse caça, que foi adquirido antes da revolução islâmica.

Informações de uma agência de inteligência não-ocidental indica que o avião enviado pela Venezuela tem sido usado para calibrar o sistema específico para detectar aeronaves F-16, e estudar a sua tecnologia através de engenharia reversa. Ter um destes caças oferece o aprendizado para notar a presença no radar ou a velocidade com que ela se aproxima, e é útil para compreender melhor o inimigo em caso de confrontação.

Ely Harmon, pesquisador do Instituto Internacional de Contraterrorismo israelense, que publicou vários estudos sobre a presença do Irã na América Latina, aponta para três efeitos possíveis na operação de envio do avião venezuelano: o acesso à tecnologia na construção de uma aeronave mais moderna, tentar conhecer melhor como funcionam as forças aéreas dos Estados Unidos e Israel, e oferecer tecnologia para outros países, como Rússia e Coréia do Norte.

“Esse avião é muito útil para a força aérea do Irã, pois eles podem treinar seus próprios pilotos nas táticas dos outros. Ele mostra a profunda relação entre Irã e Venezuela.” Uma parceria que, em sua opinião, também pode se manifestar em retaliação contra as que atacaram as instalações nucleares iranianas.

Fonte: ABC.es – Via: Cavok


0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts