GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

domingo, setembro 23, 2012

General do Irã diz que filme contra Islã não é justificativa para matar diplomatas

By on 23.9.12
O comandante do Corpo de Guardiães da Revolução do Irã condenou neste domingo, 16, o filme "A inocência dos muçulmanos", considerado uma blasfêmia no mundo islâmico, mas declarou que a ira contra o vídeo não é justificativa para matar diplomatas dos Estados Unidos. 

O filme gerou reações de extrema violência em alguns países muçulmanos, especialmente contra as representações diplomáticas americanas. Em Benghazi, na Líbia, um grupo atacou o consulado dos Estados Unidos e matou o embaixador americano, Christopher Stevens, e outros três empregados.

"Lamento esse ato (a difusão do filme) americano sionista e o condeno. Os sentimentos dos muçulmanos foram feridos e a única coisa que eles puderam fazer foi levar seus protestos para as embaixadas", disse o general Mohamad Ali Jaafari em entrevista coletiva.

O general também fez ameaças a Israel. "Se Israel nos atacar, não sobrará nada de Israel", declarou. Jaafari, no entanto, afirmou que as forças iranianas não serão as primeiras a iniciar uma agressão. "Não precisamos atuar com antecedência. A capacidade de reação do Irã é muito alta e por isso achamos que eles (israelenses) não iniciarão uma guerra", disse.
Mesmo assim, Jaafari frisou que se "as organizações internacionais não evitarem um ataque israelense, não haverá motivos para respeitar o Tratado de Não-Proliferação (TNP), embora isso não significa que o Irã vá fabricar armas nucleares". Teerã diz que seu programa nuclear tem objetivos exclusivamente civis.
Síria. Jaafari também assegurou que o "Irã não tem presença militar na Síria", como disseram a oposição e alguns países que apoiam os rebeldes, mas admitiu que o governo respalda o regime de Damasco "economicamente e com assessoria".
O comandante negou a possibilidade de intervenção no conflito no futuro, mas disse que se ocorrer "um ataque militar contra a Síria, dependendo da situação", o Irã poderia ajudar o governo do presidente Bashar al Assad. A República Islâmica e o regime sírio do Partido Baath têm um acordo de colaboração estratégica há mais de 30 anos.

Fonte: Estadão

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts