GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

quinta-feira, outubro 11, 2012

Nasa inicia estudos para ‘velocidade de dobra’ de Star Trek

By on 11.10.12
Todo fã de ficção científica é fã de Star Trek. Nem que seja do filme lançado em 2009. Algumas das tecnologias mostradas lá já existem, como o comunicador (telefones celulares) e as portas automáticas. Porém, há tecnologias que parecem estar bem longe do que os cientistas de hoje podem criar, a exemplo do teletransporte e da famosa velocidade de dobra, responsável por tornar possíveis as longas viagens da Enterprise em curtos espaços de tempo.

Cientistas afirmam estar desenvolvendo tecnologia de 'velocidade de dobra' 
da Enterprise de StarTrek - Imagem: Reprodução

No entanto, um grupo de cientistas da Nasa, liderado pelo Dr. Harold White, afirma já estar desenvolvendo técnicas que possibilitem mover as naves espaciais em velocidades bem maiores do que a velocidade da luz. A afirmação contrastaria fortemente com uma das leis da relatividade geral de Einstein, de que nada pode se mover mais rápido que a luz (corpos massivos na verdade não podem nem chegar perto disso sem entrarem em colapso), mas os cientistas afirmam ter uma alternativa: a tecnologia interferiria no espaço, não na nave espacial.

Em observação recente, a Nasa afirma ter um indício de que é possível dobrar o espaço para que uma nave possa ‘pular’ de um ponto afastado milhares de anos-luz para chegar ao destino, sem realmente se mover. Seria como marcar dois pontos em um pedaço de papel e, em vez de considerar a linha reta como a menor distância entre eles, dobrar o papel e fazer os pontos coincidirem em um mesmo lugar. A nave teria então somente que passar de um lado para o outro, em um ‘buraco de minhoca’.

Wormhole - Imagem: Reprodução/How Stuff Works

Esse tipo de viagem sempre foi previsto pela física teórica, porém nunca foi considerado possível com a tecnologia atual devido à enorme quantidade de energia necessária para ‘dobrar o espaço’. Seria preciso a energia equivalente à massa de um planeta inteiro do tamanho de Júpiter para criar a passagem.

Dr. White no entanto afirma ter a solução para esse problema. Se suas previsões estiverem corretas e puderem ser observadas nos próximos anos através de experimentos, a energia necessária para abrir os ‘buracos de minhoca’ seria bem menor do que eles acreditavam anteriormente. “Talvez uma experiência parecida com o que vemos em Star Trek em nossa geração não seja uma possibilidade tão remota quanto pensamos”, afirma White.

A nova tecnologia seria uma verdadeira revolução para a exploração espacial, pois seria possível visitar planetas localizados a 20 anos-luz de distância da Terra em tempo factível, talvez em torno de 2 anos de viagem.

A possibilidade é interessante como uma alternativa para os bisnetos de nossos bisnetos viverem em um lugar que ainda ofereça recursos naturais, caso a Terra não consiga mais satisfazer as necessidades humanas. Quem sabe, daqui a algumas décadas, possamos falar para o Scotty ligar os propulsores sem parecermos somente nerds imitando o Capitão Kirk. Ok, cientistas, agora só falta o teletransporte. 

Fonte: Gizmodo via Paulo Alves (TechTudo) - Noticias Sobre Aviação

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts