GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

segunda-feira, novembro 05, 2012

Países da América apoiam OEA sobre Malvinas

By on 5.11.12
Os ministros de Defesa da América concordaram nesta quarta-feira em buscar a paz no Atlântico Sul, reconheceram a importância para o hemisfério da disputa sobre as Malvinas e resolveram criar um sistema que coordene a ajuda em caso de desastres naturais.
A décima conferência de ministros encerrou assim três dias de intensos debates em que foram manifestadas distintas visões políticas do continente e a reivindicação argentina sobre as ilhas Malvinas, sob controle britânico desde 1833, voltou a dividir águas.
"Dentro do caráter pacífico das nações do continente americano, se manifesta a vontade de promover a paz e a cooperação no Atlântico Sul", informou a declaração final do encontro que aconteceu a portas fechadas, com um forte esquema de segurança, a qual a imprensa só teve acesso à cerimônia de abertura.
Os ministros reconheceram, além disso, a importância da última declaração da Organização dos Estados Americanos (OEA), "onde se decide continuar examinando 'a questão das Ilhas Malvinas' até sua solução definitiva, destacando o fato de que este tema é de permanente interesse hemisférico".
Apesar de a declaração ser aprovada por consenso, o artigo sobre as Malvinas tem quatro ressalvas, em que países como Canadá e Estados Unidos consideraram que o tema não corresponde a este fórum, enquanto a maioria de latino-americanos seguiu explicitamente a histórica reivindicação argentina.
A menção ao tema foi considerada um avanço pelo Uruguai, presidente pró-tempore do fórum, depois de a cúpula presidencial das Américas não chegar a uma declaração final em abril, justamente pela falta de consenso sobre Malvinas.
A decisão é "de muita importância do ponto de vista político", disse na coletiva de imprensa de encerramento o vice-ministro de Defesa uruguaio, Jorge Menéndez.
http://1.bp.blogspot.com/-Faf0KxDbCRM/TzY2gRtHDYI/AAAAAAAAEKw/8-HNZUhERaw/s1600/Las-Malvinas-son-Argentinas.jpgUm acordo concreto
No resultado mais concreto do encontro, após um intenso debate, os ministros aprovaram, por maioria, implementar um mecanismo de coordenação voluntário da ajuda a países afetados por desastres naturais, anunciou o ministro chileno de Defesa, Andrés Allamand.
Trata-se da primeira vez na história deste fórum continental - realizado desde 1995 - que se apela a uma votação diante da falta de consenso. E a primeira vez que a conferência de ministros aprova uma iniciativa concreta.
"Este é um avanço concreto desta conferência, e, sem dúvida, um sucesso, embora tenham ocorrido algumas divergências", destacou Allamand, que, segundo fontes do encontro, pressionou energicamente para que uma resolução fosse adotada.
A iniciativa promovida pelo Chile e que contava com o apoio de Estados Unidos e Canadá foi aprovada com a oposição de Argentina, Brasil, Bolívia, Equador, Nicarágua, Suriname e Venezuela, enquanto Guiana e Uruguai se abstiveram, informaram as fontes à AFP.
O batizado Sistema Cooperativo de Assistência Humanitária (Sicahum) será um mecanismo voluntário, que respeitará a legislação de cada país e no qual a coordenação e a direção da ajuda estarão a cargo das autoridades civis, explicou Allamand.
O encarregado de implementá-lo será o Peru, que presidirá a próxima conferência de ministros em 2014. Por sua vez, embora a discussão sobre a vigência do sistema interamericano de defesa e suas instituições tenha sido anunciada como "prioritária", os ministros se limitaram a pedir à OEA "que trate de forma peremptória o tema", indicou o vice-ministro do Uruguai, Jorge Menéndez.
Será, assim, uma declaração similar à da conferência anterior, na Bolívia em 2010, que já havia chamado a revisar um sistema que vários países consideram obsoleto. Com relação à questão das missões de país, houve unanimidade, com um acordo para trabalhar em conjunto na integração de civis, de gênero e educação.
Novos desafios
Para o ministro anfitrião, Fernández Huidobro, o resultado é positivo. "Pode haver acordo sobre algumas coisas, sobre outras é preciso continuar discutindo e sobre outras pode ser que não haja acordo nunca", disse à AFP. "Mas é preciso fazer essas reuniões".
Paz Tibilett, presidente da Rede de Segurança e Defesa da América Latina (Resdal), observou que a conferência "foi dura porque, pela primeira vez, se chegou a uma votação, isso implica um desafio para o próximo país sede". De toda forma, considerou que o debate "sempre é um avanço".
"Por mais que os órgãos sub-regionais tenham se fortalecido, como Unasul ou Celac, sempre é bom encontrar coisas em comum em que se pode avançar", disse à AFP. "E com os grandes do norte sempre convém falar".
O Peru, que presidirá a próxima conferência de ministros de Defesa das Américas em 2014, buscará que se analise o tema da luta contra o terrorismo, disse o ministro de Defesa desse país, Pedro Cateriano, em coletiva de imprensa no encerramento do evento.

Fonte: Terra

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts