GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

sexta-feira, janeiro 25, 2013

Defesa Civil usou drone para avaliar chuvas no RJ

By on 25.1.13
Vídeo mostrou casas irregulares que serão retiradas ao longo do Capivari.
'Conseguimos comparar com o que houve na Região Serrana', diz coronel.

Avião não tripulado usado pela Defesa Civil para avaliar os estragos em Xerém
Foto: Flight/Divulgação

As fortes chuvas que provocaram duas mortes e prejudicaram mais de 100 mil pessoas em Xerém, distrito de Duque de Caxias, em 3 de janeiro, surpreenderam os profissionais da Defesa Civil do Rio de Janeiro, que só conseguiram entender realmente o que aconteceu na semana passada, quando um pequeno avião não tripulado (vant) sobrevoou a região e deu as respostas.

Em vídeo divulgado ao G1 nesta semana, realizado pelo vant, os engenheiros conseguiram ter a prova de que a barragem que segurava as águas do Rio Capivari, que invadiu Xerém, havia sido praticamente destruída.


Conhecidos pelo termo em inglês "drones", o uso de aviões não tripulados é polêmico no mundo, tanto no meio civil quanto militar, por terem sido empregados pelos Estados Unidos para matar terroristas no Afeganistão e Iraque. Não há uma legislação específica no Brasil para seu uso, que tem de ser autorizado pela Aeronáutica e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Segundo o diretor-geral da Defesa Civil fluminense, coronel Douglas Paulich Júnior, o vídeo feito pelo vant permitiu ainda que o governo pudesse comparar o que houve em Xerém com a tragédia que ocorreu em janeiro de 2012 na Região Serrana do Rio, quando o acumulado de chuvas deixou 911 mortos e mais de 400 mil moradores desabrigados.

"As imagens do avião não tripulado nos confirmaram que a tragédia em Xerém foi de potencial menor que o que atingiu a Região Serrana. Esta deste ano foi de uma magnitude muito grande, um processo bastante agressivo também. Mas, ao contrário do que ocorreu no ano passado, percebemos que em Duque de Caxias não houve deslocamento de pedras ou de grandes blocos, ao contrário do que ocorreu na anterior. Neste caso, as pedras apenas foram descobertas e ficaram à vista, mas não houve movimentação de terra", afirma o oficial.

Imagem feita por avião não tripulado mostrou destruição da barragem de Xerém (no topo da foto)
 e que dique que represava o rio Capivari foi danificado, mas não rompido
 (linha que corta o leito do rio, no centro da foto) - Foto: Flight/Divulgação

A aeronave, chamada de Horus, foi cedida pela empresa Flight Technologies e sobrevoou a Baixada Fluminense entre os dias 15 e 18 de janeiro a cerca de cerca de 914 metros (3 mil pés).

O avião sobrevoou também o bairro Café Torrado, o mais atingido pelas águas, e fez o percurso ao longo do leito do rio Capivari, permitindo mapear uma área de 15 quilômetros de raio.

Em 2012, um avião experimental do Instituto Militar de Engenharia (IME), que possui parceria com o governo fluminense, foi usado para sobrevoar a Região Serrana e também captar imagens da destruição. 

“Conseguimos localizar áreas onde a destruição se estendeu em até 10 ou 15 vezes à largura original do leito do Capivari. E também pontos de estrangulamento da água, represados por casas, que não devem estar ali e serão retiradas”, relatou o coronel Paulich Junior.

Vídeo comprovou destruição de barragem

A gravação irá ajudar também a prefeitura e os órgãos estaduais a decidir quais locais serão prioritários para a remoção de entulhos, como será feita a evacuação de pessoas que vivem em áreas de risco e em locais ocupados irregularmente, por serem de preservação ambiental, e o que deve ser feito para impedir que a invasão das águas se repita.

"O vídeo feito pelo vant confirmou também que a barragem que represava o rio Capivari foi praticamente destruída. Nós não tínhamos certeza do que havia acontecido. E o que se imaginava é que o grande volume de água havia feito a barragem e o dique se romperem totalmente. Mas isso não aconteceu. O vídeo mostrou que o muro foi danificado e a água passou por cima, mas não rompeu”, explica o coronel.

No dia da tragédia houve boatos de que o dique havia se rompido totalmente, mas só as imagens aéreas feitas pelos vant conseguiram confirmar o tamanho da destruição do muro de contenção.

Segurança

O que sobrou do dique é que preocupa agora por representar um risco de novas tragédias ao acumular água e detritos em seu interior.

“Vamos usar as imagens para analisar e preparar que será feito, pois a represa pode continuar acumulando água e se tornar vulnerável, um fator de risco. Esta barragem serviu para transpor material terroso para o leito do rio, não funciona mais, está destruída, e teremos que pensar talvez em demolir o que sobrou, pois ela não tem mais a mesma funcionalidade de antigamente”, acrescenta ele.

Segundo Nei Brasil, proprietário da Flight, uma base de comando, que controlava o voo do avião não tripulado e recebia as imagens enviadas pelo avião, foi instalada a cerca de 5 km do centro de Xerém. “As imagens serviram para os profissionais avaliarem realmente o estrago. Suspeitas, como a destruição da barragem, foram confirmadas pela visão lá de cima”, diz.


Fonte: Tahiane Stochero (G1) - Via Aviation News

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts