GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

quarta-feira, março 20, 2013

Boeing submete 787 a testes mais complexos

By on 20.3.13
Empresa havia ajudado a desenvolver testes mais complexos e completos para a bateria da aeronave, mas nunca os utilizara.


Para seus aviões modelo Dreamliner 787 voltarem a voar, a fabricante americana de aeronaves Boeing está testando o sistema de baterias do avião sob um padrão rigoroso que havia sido desenvolvido com ajuda da própria companhia, mas que nunca havia utilizado na aeronave.

Em janeiro, a Administração Federal de Aviação (FAA, em inglês), autoridade nacional do setor nos Estados Unidos, ordenou que todas companhias aéreas americanas mantivessem os aviões Boeing 787, Dreamliner, em solo temporariamente. A decisão ocorreu após duas companhias aéreas japonesas, All Nippon Airways e Japan Airlines, suspenderem o uso do Dreamliner por causa de uma falha ocorrida durante um voo. As autoridades aeroportuárias japonesas confirmaram que houve um problema em uma das baterias de lítio. Ao todo são 50 aeronaves deste modelo que foram inabilitadas para voar.

No início de fevereiro a FAA permitiu que a Boeing conduzisse voos-testes com o modelo 787 Dreamliner. Assim, a companhia americana começou a preparar um novo desenho que minimizará o risco de superaquecimento e incêndio nas baterias de íons de lítio, motivo principal dos incidentes com os aviões.

A decisão da Boeing, anunciada nesta segunda-feira é de que ela vai mudar o padrão de testes da bateria para padrões mais complexos e completos, conhecidos como RTCA. O debate pode trazer implicações ao uso futuro de baterias de ion-lítio em aeronaves. 

Contudo, a mudança gerou questionamentos sobre o por quê de a empresa não ter feito esses testes mais duros desde o início da operação das aeronaves 787, em outubro de 2007. Questionado porque a Boeing não havia utilizado o padrão RTCA antes, um engenheiro sênior da companhia sugeriu na sexta-feira que o padrão era amplo demais.

A FAA não respondeu aos questionamentos sobre porque não aplicou o padrão antes ou sobre a decisão da Boeing em utilizá-lo agora. Um comitê integrado pela Boeing chegou a publicar orientações de segurança em março de 2008 para o uso de baterias de ion-lítio em aeronaves, de modo a minimizar o risco de incêndio. mas a Boeing optou por não utilizar as novas orientações.

Fonte: Veja.com (com agência Reuters) - Foto: Stephen Brashear/AFP - Via Aviation News

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts