GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

sexta-feira, março 15, 2013

Como funcionam e quais são os tipos de assentos ejetáveis?

By on 15.3.13
Você provavelmente já deve tê-los visto em ação em algum filme, então saiba mais sobre este tipo de assento que pode salvar a vida de um piloto.



Se você já viu algum filme de ação com aviões, é bem provável que já tenha visto um assento ejetável em ação. Olhando, tudo parece extremamente simples: a aeronave está danifica e o piloto precisa salvar a sua vida, então ele pressiona um botão ou puxa uma alavanca, a redoma que cobria a cabine se rompe e ele voa pelos ares, caindo de paraquedas são e salvo.






Imagem: Força Aérea dos Estados Unidos

Apesar de ser simples descrever o que acontece quando uma alavanca de ejeção é pressionada, o funcionamento deste tipo de mecanismo é um pouco mais complicado do que o cinema faz parecer. Afinal, ele é composto por vários dispositivos que, juntos, permitem ao piloto abandonar a aeronave de forma relativamente segura durante um momento crítico.



Um pouco além do básico



Um banco ejetável é, a princípio, basicamente igual a qualquer outro assento para pilotos. Ele é composto pelo assento, pelo encosto e também por um apoio para cabeça. De fato, as diferenças entre um banco convencional e um ejetável estão os itens que ficam ao redor dele.



O assento é afixado em trilhos, pelos quais ele sobe quando o sistema de ejeção é ativado. Este sistema pode ser baseado em um mecanismo explosivo ou de balística — é isso que faz com que a cadeira seja disparada junto com o piloto.




Imagem: Flight Global



Se o tipo utilizado é explosivo, iniciadores carregados com material explosivo são acionados e expelem a cadeira da aeronave. Quando a ejeção é feita via método balístico, uma catapulta (que pode contar com a ajuda de foguetes para um lançamento ainda mais alto) é responsável por ejetar o banco juntamente do piloto.



Um vídeo postado no YouTube mostra uma comparação entre um sistema puramente balístico, com o uso de cartuchos, usado em aeronaves antigas e o primeiro a aparecer nas filmagens, e sistemas “mistos”, que usam catapultas e foguetes de propulsão juntos — que apareceram por último e são mais comuns atualmente.



É possível notar que o segundo método é mais eficaz, pois eleva o piloto para mais longe da aeronave, aumentando a chance de sobrevivência.



Pelos ares



A ejeção é rápida e, dependendo do banco e do método utilizado, pode levar menos de 1 segundo. Após ser iniciada, uma escotilha é aberta no canopi (a redoma da cabine) ou então “chifres” metálicos presentes no topo do encosto da cadeira rompem a proteção, permitindo que o banco seja ejetado. Existem ainda outros tipos de ejeção (veja isso logo abaixo).



Um dos tipos mais comuns de ejeção é o ACES II (sigla em inglês para Assento Ejetável de Conceito Avançado, modelo II). Ele conta com um foguete propulsor embaixo do assento, capaz de elevar o piloto a até 60 metros de altura quando acionado. Com isso, diminui-se o risco de colisão com a cauda da aeronave após a ejeção.



Já fora da aeronave, um gatilho dispara um paraquedas menor, responsável por reduzir a taxa de descida do assento e também por estabilizar a sua trajetória no ar. Após alguns instantes, o paraquedas grande é acionado automaticamente por meio de um sensor de altitude, quando também o assento é separado do piloto, caindo sozinho em direção ao solo.



Sistemas de ejeção



No sistema ACES II, assim que a ejeção é acionada, o canopi também se desprende da cabine, sendo liberado juntamente com o piloto. Um modelo já não usado mais atualmente é o Downward Track, que, em vez de disparar o piloto para cima, apenas soltava-o para baixo. Outro sistema até certo ponto ainda comum em aeronaves de baixa altitude é o Canopy Destruct (CD), que usa cabos explosivos dentro do canopi para destruí-lo na hora da ejeção.




Sistema ACES II, um dos mais comuns na atualidade

Imagem: Reprodução/Wikimedia Commons



O Through-Canopy Penetration (TCP) funciona de forma semelhante, mas conta com “chifres” no topo do banco que servem para romper a redoma durante a ejeção. Tanto o sistema CD quanto o TCP exigem que o canopi seja feito de um material não flexível, afinal, ele deve ser rompido completamente.



O método Drag Extraction é um dos mais simples e leves sistemas de egressão conhecidos. Ele foi usado de forma experimental em uma série de aeronaves e constituía em usar o fluxo de ar que passa pelo caça como força propulsora que ejetaria a cadeira. Alguns funcionam apenas liberando o canopi e abrindo o paraquedas no ar, fazendo com que o piloto seja arrancado de dentro da cabine.



Há também o sistema Zero-zero, que serve para ejeções feitas com a aeronave parada sobre uma superfície (zero altitude e zero velocidade). Ela utiliza foguetes propulsores e paraquedas para expelir o piloto para o alto e de forma segura, podendo ser utilizada, por exemplo, após aterrissagens forçadas sobre a água.



História



Segundo o site Ejection History, a “pré-História” dos sistemas de ejeção começou em 1910, quando o britânico George A. Barns simplesmente pulou para fora de uma aeronave com problemas a uma altura de 10 metros de altura e ficou gravemente ferido.



Mas um método mais parecido com o atual surgiu apenas no final da Segunda Guerra Mundial, criado pelo britânico Sir James Martin. Ele foi ainda cofundador da empresa Martin-Baker, líder mundial da produção de assentos ejetáveis para aeronaves.



A partir daí, a indústria aeronáutica evoluiu diversos conceitos, elaborando métodos cada vez mais seguros e eficazes, com destaque para os exércitos dos Estados Unidos e também da extinta União Soviética. No Brasil, a primeira ejeção registrada é de 16 de maio de 1961, há mais de 50 anos.



Fontes: Poder Aéreo, HowStuffWorks, A Seminar Report on Ejection Seats, Ejection History via Douglas Ciriaco (Tecmundo) - Fonte: Aviation News

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts