GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

sexta-feira, março 08, 2013

Nachthexen: As "Bruxas na Noite"

By on 8.3.13

Durante a Grande Guerra Pátria existiram muitos rostos de mulheres piloto da aviação soviética que, mais que heroínas,foram exemplos de conquista da igualdade

Entre as múltiplas faces do heroísmo manifestado pelo Exército Vermelho no decurso da II Guerra Mundial - a Grande Guerra Pátria - existem muitos rostos de mulher, nomeadamente das mulheres piloto da aviação soviética. Devem ser recordadas não apenas como heroínas, mas também como exemplos de conquista da igualdade, que apenas a sociedade socialista poderá efetivamente concretizar.

— Para nós era simplesmente incompreensível que os pilotos soviéticos que nos criavam tantos problemas fossem… mulheres. Estas mulheres não temiam nada: vinham, noite após noite, nos seus desajeitados aviões e não nos deixavam dormir. — Hauptmann Johannes Steinhoff, piloto de guerra nazista - Comandante do II./JG 52, JG 77 e JG 7. - 176 Vitórias.

A Alemanha invade a União Soviética a 22 de junho de 1941, e boa parte da aviação soviética foi destruída nos primeiros momentos. Enquanto os aviões nazistas continuam a dominar os céus, milhares de jovens, muitos membros dos clubes civis de aviação, acorrem a alistar-se para lutar contra os ataques fascistas.
Muitas eram mulheres e depararam-se com uma rejeição inicial, mas em outubro de 1941 já estavam, como recrutas, a treinar na base aérea do povo de Engels, a norte de Stalingrado. Sob as ordens da sua instrutora, a Major das Forças Aéreas Soviéticas, Marina Raskova, as futuras aviadoras começaram a treinar.

Enfrentaram muitas dificuldades, a primeira das quais foi a desconfiança e desdém de alguns dos seus companheiros, que consideravam que eram de fiar e que, inclusivamente, recusavam voar juntamente com elas. Além disso, os uniformes estavam feitos para homens, e foi preciso fazê-los de novo para que elas os pudessem vestir; o mesmo aconteceu com as botas, que tiveram que ser cheias com papel de jornal para que se adaptassem ao pé, normalmente menor, das combatentes. Em muitos casos também os aviões tiveram de ser modificados, pois as novas recrutas não chegavam aos pedais. E ainda tiveram que cortar o cabelo até um máximo "de duas polegadas", quando em muitas regiões da URSS era tradição deixá-lo crescer até à cintura. Embora nos nossos dias possa parecer trivial uma mulher cortar o cabelo muito curto, em 1941 isso revelava um compromisso total.

Treinavam mais de 10 horas por dia, pois com as tropas alemãs a avançar na Frente Oriental, tinham que aprender em dias o que outros se podiam se dar ao luxo de aprender em meses ou anos.

Depois de seis meses de duríssimos treinos, Marina Raskova enviou as jovens recrutas para a linha de frente em 3 regimentos: o 586º de Caças, o 587º de Bombardeamento e o 588º de Bombardeamento Noturno.

As mulheres do 588º pilotavam aviões Polikarpov U-2 (foto no topo da materia), biplanos desenhados originalmente para treino e fumigação, que só tinham capacidade para duas bombas (pelo que tinham de fazer várias viagens) e não podiam comparar-se nem em velocidade nem em potência de fogo com os aviões alemães.

No entanto, rapidamente se tornaram um pesadelo para os aviadores nazistas.
As combatentes do 588º mostravam grande capacidade de manobra dos U-2 e combinavam-na com táticas extremamente arriscadas. Apareciam de noite, com o motor desligado para não serem detectadas pelo som, e faziam bombardeamentos de precisão e de fustigamento contra o exército alemão. Em combate contra os aviões nazistas, estas aviadoras costumavam pôr-se no campo de tiro dos alemães enquanto as suas companheiras aproveitavam a distração para apontar para os alvos.
 
Devido à sua habilidade e astúcia, e à ferocidade dos ataques, os soldados nazistas começaram a chamá-las Nachthexen:as "Bruxas na Noite".

Em fevereiro de 1943, o 588º Regimento reorganizou-se dentro do 46º Regimento de Aviação de Bombardeamento Noturno, que em outubro de 1943 era conhecido como a "Guarda de Taman", pelas vitórias conquistadas pelo Exército Vermelho na península de Taman.

 Night Witches - Hero of the Soviet Union Irina Sebrova and Vera Belik. Standing, hero of the Soviet Union Nadezhda Popova

Foi o regimento de mulheres com mais condecorações, e no seu apogeu chegou a ter 40 tripulações duplas. No final da guerra, as Bruxas tinham feito cerca de 23.000 saídas e despejado aproximadamente três mil toneladas de bombas. Calcula-se que cada aviadora tenha feito mais mil missões de combate, e 23 delas foram condecoradas com o título de heroínas da União Soviética, a mais alta distinção da URSS.

Trinta das "Bruxas da Noite" morreram em combate; muitas delas eram muito novas, algumas eram mesmo adolescentes.
 Lilya Litvya, Katya Budanova e Mariya Kuznetsova

Marina Raskova

Nasceu numa família da classe média em 1913, filha de uma professora e de um professor de música. Apesar da intenção da família ser que fosse cantora lírica, ela começou a estudar química, e depois de se licenciar começou a trabalhar numa fábrica de tintas.

Um ano depois casou com o seu companheiro, Sergei, e tiveram uma filha chamada Tânia. Em 1931 começou a trabalhar como desenhista no Laboratório de Aeronavegação da Academia da Força Aérea. Em 1933 tornou-se a primeira aviadora soviética com o título oficial, e um ano depois era instrutora da Academia Aérea Zhukovsky. Em 1935 divorciou-se do seu marido, e, em 37, juntamente com Valentina Grizodubova, bateu o recorde feminino de voo sem escalas.

Em 1938, juntamente com outras aviadoras (Grizodubova e P. Osipenko), estabeleceu um novo recorde. Voaram desde Moscou até Komsomolsk-no-Amur, num voo de mais de 26 horas sem escalas, a bordo do Rodina ("Pátria"). Marina não teve dúvidas em saltar do avião com paraquedas, quando a visibilidade impedia a aterragem, tendo sido encontrada por um caçador em plena estepe. Nesse mesmo ano foram condecoradas com o título de Heroínas da União Soviética, sendo as primeiras mulheres a conquistar tal distinção.

Quando começou a II Guerra Mundial na Frente Oriental, muitas mulheres com experiência civil de voo acorreram a alistar-se. No Exército Vermelho não havia nenhuma norma que impedisse as mulheres de combater na primeira linha mas, na prática, deparavam-se com inúmeros obstáculos, sendo relegados para ocupações de tipo auxiliar.

Marina Raskova recorreu à sua autoridade como aviadora de fama mundial para mudar a situação, e com a aprovação direta de Stalin pôde convencer as autoridades militares a organizar e treinar 3 regimentos de aviação onde as mulheres seriam aviadoras, engenheiras e pessoal de apoio.

Raskova comandou pessoalmente o Regimento 587º de Bombardeiros, que em 1943 foi reorganizado como o 125º Regimento. Estas aviadoras, que combateram em Stalingrado, voavam em modernos Petlyakov Pe-2, enquanto as outras unidades compostas por homens utilizavam aviões mais velhos.

Marina Raskova morreu a 4 de janeiro de 1943, quando o seu avião se estatelou no chão devido a uma tempestade. Como estava numa missão militar foi considerada morta em combate e teve um funeral de Estado. As suas cinzas foram colocadas no Muro do Kremlin, e foi condecorada a título póstumo com a Ordem da Guerra Patriótica de Primeira Classe.








Lydia Litvak - A Rosa Branca de Stalingrado

— Era uma pessoa muito agressiva… Nascida para o combate.— Boris Eremin, Oficial da Força Aérea Soviética.

Lydia Litvak (1921-1943), de origem moscovita, entrou para um clube de aviação popular com 14 anos, e aos 15 fez o seu primeiro voo sozinha.
Um ano depois já tinha licença de instrutora de voo.

Quando começou a invasão da URSS pelos nazistas, alistou-se numa unidade de aviação militar, mas foi rejeitada. Alterou o seu histórico de voo, acrescentou-lhe mais de cem horas de voo do que realmente tinha feito, e foi admitida na base aérea de Engels, próximo de Stalingrado.

Ali foi treinada por Marina Raskova e seis meses depois já combatia no 587º Regimento de Caças, uma unidade exclusivamente composta por mulheres.
Fez os seus primeiros voos de combate no Verão de 1942, sobre Saratov. Em setembro foi transferida, juntamente com outras 6 aviadoras do 587º e algum pessoal civil, para o 437º Regimento. Esta unidade, que até à sua chegada era exclusivamente composta por homens, combatia nos céus de Stalingrado. Três dias depois da sua chegada fez a sua primeira derrubada, tornando-se provavelmente a primeira mulher na História a derrotar um avião inimigo em combate. Poucos minutos depois derrubou um segundo caça que perseguia a comandante do seu esquadrão. O piloto nazista pôde saltar a tempo do avião e foi capturado pelas tropas soviéticas. Era Uffz. Erwin Meier, um Ás alemão com 11 vitórias, 3 vezes condecorado com a Cruz de Ferro. Maier pediu para conhecer o piloto russo que o tinha superado e, quando o apresentaram a Lydia Litvak indignou-se, pensando que os oficiais soviéticos o estavam a vexar. Até ela descrever todos os pormenores do combate, o piloto nazista não aceitou que tinha sido derrubado por uma mulher.

Em finais de setembro, à medida que iam conseguindo mais vitórias, Lydia e outras camaradas foram transferidas para o 9º Regimento de Caças da Guarda, também em Stalingrado. Diz-se que, então, já estava pintado na fuselagem do seu caça uma flor branca, pelo que começou a ganhar o nome de Flor Branca de Stalingrado.

Pouco depois, Lydia e a sua ala Katia Budanova foram novamente transferidas, desta vez para o 296º Regimento de Caças da Guarda (renomeado depois de 73º Regimento de Caças da Guarda). Aí, Lydia conseguiu a sua quinta derrubada, tornando-se a primeira das duas únicas mulheres Ases na história da aviação militar (a outra foi a sua camarada de armas Katya Budanova - Ao lado).

Poucos dias depois, em 23 de fevereiro, foi condecorada com a Ordem da Estrela Vermelha, promovida a subtenente, e indicada para um grupo de caças de elite chamado okhotniki ("caçadores livres"). Nessa iniciativa, pares de pilotos veteranos movimentavam-se com mais liberdade que dentro do regimento, procurando objetivos de acordo com o seu próprio critério.
Em março fez um ataque sobre um grupo de bombardeiros alemães e foi ferida por um dos caças que os escoltavam. Teve forças para derrubar outro dos caças, mas quando aterrou na sua base já tinha tido uma grave perda de sangue devido aos ferimentos.
Em maio, o que tinha sido o seu companheiro de voo em muitas ocasiões, oÁssoviético Solomatin, morreu num acidente. Segundo as palavras posteriores da mecânica de Lydia depois da morte de Solomatin, "Litvak só queria voar em missões de combate".
Dez dias depois, Lydia apresentou-se como voluntária para derrubar um balão de observação alemão, utilizado para localizar objetivos para fogo de artilharia. A missão era extremamente arriscada: o balão estava defendido por dezenas de canhões antiaéreos que sempre tinha tido êxito a repelir os ataques da aviação soviética.
Apesar de ter tido dificuldades, Lydia foi capaz de calcular a hora precisa do dia em que podia aproximar-se do balão, utilizando a luz do sol para camuflar o seu caça, pelo que destruiu o dirigível alemão.
Em junho foi nomeada comandante de esquadrão. Apesar de em meados de julho ter sido novamente ferida e ter tido de realizar uma aterragem de emergência, rejeitou a baixa médica e poucos dias depois estava de novo a voar.
A 1° de agosto saiu quatro vezes em combate no setor sul da Batalha de Kursk. Durante a quarta missão de voo, o seu grupo foi atacado de surpresa por um grupo de caças nazistas, e o avião de Lydia foi visto pela última vez, desaparecendo por entre as nuvens, fumegando e perseguido por vários caças  inimigos (relatos indicam 8). Tinha 21 anos.

Lydia já tinha sido condecorada com a Ordem da Bandeira Vermelha, a Ordem da Estrela Vermelha e duas vezes com a Ordem da Guerra Patriótica. No entanto, os restos do seu avião nunca foram encontrados, e isso impediu que também se lhe concedesse a distinção máxima. Foi assim durante décadas, até os restos do seu avião terem sido encontrados e, finalmente, foi condecorada postumamente como Heroína da União Soviética.

Salve às que lutam

A crença de que o socialismo trará automaticamente a libertação da mulher deve ser afastada da cabeça dos revolucionários, mas tampouco se deve esquecer que a derrota do patriarcado só é possível dentro de um sistema em que a exploração econômica da maioria por parte de uma minoria não seja permitida.
A II Guerra Mundial foi um conflito atroz, e muitas mulheres tiveram o seu papel nos respectivos exércitos de cada território. A maioria delas foi relegada para trabalhos administrativos, auxiliares ou de enfermagem. Apenas na União Soviética estiveram na primeira linha de combate. Mais de 800 mil mulheres combateram no Exército Vermelho como franco-atiradoras, artilheiras ou aviadoras; 20 mil mulheres foram condecoradas; 89 receberam a condecoração máxima: Heroína da União Soviética.
Nos Estados Unidos, a "terra das liberdades", as mulheres não pilotaram aviões de combate até 1993.
A crise capitalista em curso, a que ninguém consegue ver o fim, pode relegar muitas mulheres exclusivamente ao trabalho não remunerado, o que quer dizer que se agravará a sua dependência, sendo possível que acabem dependendo do suporte econômico de um homem. Darão passos atrás na sua liberdade.
Vivemos tempos com cheiro a barricadas, e devemos fazer um esforço para combater as atitudes patriarcais dentro da esquerda revolucionária. Dizer que a repressão policial é mais terrível porque "batem nas mulheres" é relegá-las a uma posição de debilidade. Afirmar que as nossas companheiras não devem estar na primeira linha porque "não são tão fortes como um homem", é insultar milhares de anos de desenvolvimento da humanidade.
Ambos os argumentos se podem ouvir no sector da esquerda revolucionária. O patriarcado anda há centenas de anos a moldar as sociedades e as cabeças das pessoas, mas isso não é desculpa: é motivo para redobrar os esforços na luta.

As Bruxas da Noite não necessitaram de testosterona nem cromossomas XY para se colocarem na primeira linha. O capitalismo caminha lado a lado com a opressão patriarcal, e a sua ideologia dominante concentra-se em fazer amar o explorador e odiar o explorado. Devemos ter um espírito crítico, mas tal não quer dizer que devemos criticar o que o poder estabelecido queira.
A União Soviética não foi perfeita; não podia sê-lo. A crítica é necessária, mas sempre a partir da esquerda e, em caso algum, deve fazer o jogo do poder estabelecido ou converter-se em peça da engrenagem da propaganda imperialista. E se há muitos erros a aprender com a experiência soviética, também há muitos triunfos que reivindicar.
Com o socialismo não se eliminaram as contradições de gênero por artes mágicas, e vimos acima como muitas mulheres lutadoras foram inicialmente rejeitadas, tanto pelo Estado como pelos seus companheiros varões, mas não pode negar-se que foi feito um avanço.
A URSS do meio dos anos 30 era um país onde uma mulher como Marina Raskova podia decidir divorciar-se e tornar-se numa oficial militar de elevada patente; mais impressionante é que era um país que permitia que a mulher concebesse isso não como um milagre, mas comouma opção viável. Isto não surgiu do nada: foi o trabalho organizado de muitas militantes que permitiu haver tais avanços na União Soviética, deixando claro que a libertação das mulheres só pode ser fruto da sua própria luta, e acontecer num sistema em que a economia esteja ao serviço das pessoas e não o contrário.


A ofensiva ideológica do capitalismo esconde-nos os triunfos, para que não possamos recordá-los e agarrarmo-nos a eles, para que nos sintamos desligados e desligadas do passado, daquelas pessoas que lutaram. Não podemos permiti-lo.
Tal como a história dos povos lutadores, a história das mulheres lutadoras é inviabilizada pela classe dominante. É nosso dever recuperar a nossa história, a história das que não se renderam. Mulheres lutadoras procedentes de povos lutadores, como as Bruxas da Noite, não podem ser esquecidas. Devem ser um exemplo.
Temos que lutar pelo futuro, mas sendo herdeiras e herdeiros do passado, recuperando os nossos heróis e heroínas.
E as minhas heroínas atravessaram os céus levando bandeiras vermelhas.
__________________  Texto de Miguel Huertas Maestro, espanhol, é estudante de Psicologia.
Este texto foi publicado em:www.kaosenlared.net/secciones/item/43003-brujas-en-la-noche.html
Tradução de José Paulo Gascão 

Reprodução do A Nova Democracia - Fotos Internet 

Nota: Fica aqui nossa homenagem neste 8 de março de 2013 pelo dia internacional da mulher

1 comentários:

Galvam disse...

Matéria excelente para o dia de Hoje. Mostra a valentia de guerreiras obstinadas e competentes. Mas o autor peca muito pela sua obsessão em endeusar o socialismo (comunismo disfarçado!)atribuindo a igualdade social conquistada pelas mulheres pilotos graças ao regime politico soviético. Esquece-se o autor que embora haja praticamente nenhum registro de mulheres combatentes no lado ocidental como pilotos, não era incomum encontrar mulheres pilotando caças aliados e bombardeiros nas principais bases aéreas durante a segunda grande guerra mundial. Pela necessidade absoluta de pilotos de combate no front, que eram exclusivamente masculinos em sua maioria, restava as fabricas usar mulheres para translado de aeronaves que repunham as perdas dos esquadrões em combate. Muitas já eram pilotos civis que foram reaproveitadas e outras passaram por treinamento exclusivo para este objetivo.
Note-se que as B-17's,B-24's, e B-29's só para exemplificar não eram aeronaves fáceis de pilotar mesmo para a compleição masculina, e estas adoráveis criaturas (todas muito bonitas) atravessaram o Atlântico e o Pacifico muitas vezes em voos solitários pilotando as mais diversas aeronaves(caças também!)para levá-los ao front!
Seria muito bom uma matéria sobre elas!

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts