GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

quinta-feira, março 21, 2013

Por que o Irã talvez esteja pronto para negociar

By on 21.3.13
Pela primeira vez desde 2009 talvez existam sinais de mudança no impasse envolvendo o programa nuclear iraniano. O Irã entrou nas últimas conversas com uma posição levemente mais suave. É uma boa notícia, mas os Estados Unidos terão de mudar a estratégia de negociação para tirar proveito disso.
As sanções econômicas estão doendo no Irã. Enquanto isso, sua posição estratégica desmorona por causa do tumulto na aliada Síria e do crescimento do islamismo sunita militante por todo o Oriente Médio árabe. Juntas, essas forças parecem terem levado o Irã a reconsiderar sua posição nas negociações.
Então, em vez de aumentar ainda mais as sanções, os EUA deveriam retribuir na mesma moeda: dar início às negociações diretamente e colocar na mesa a perspectiva de fim das sanções, uma a uma, como moeda de troca.
Os EUA deveriam deixar de tentar intimidar ainda mais o Irã e buscar o fechamento de um acordo. As sanções deram margem de manobra para os EUA, e nós deveríamos usá-la para buscar um trato que finalmente restringiria a capacidade do Irã de fabricar combustível para bomba, em vez de ampliar a pressão na esperança de obter um acordo mais amplo agora ou a rendição total mais tarde.
O problema de não suavizar a posição é a probabilidade de o tiro sair pela culatra. O Irã está compreensivelmente nervoso e caso considere os EUA intransigentes, pode duplicar o programa nuclear, acelerando-o até não existir mais a possibilidade de retorno.
Sinais do progresso foram vistos na rodada de conversações no Cazaquistão mês passado. Os EUA, negociando em conjunto com Rússia, China, Grã-Bretanha, França e Alemanha, propuseram apenas pequenos passos que aliviariam suavemente as restrições impostas pelos norte-americanos (permitindo ao Irã voltar a negociar em ouro e prata, e obter peças sobressalentes para a aviação civil), enquanto insistiam em exigências rigorosas para o Irã abrir mão da capacidade de enriquecer urânio e utilizá-lo na construção de armamentos nucleares. Causando certa surpresa, o Irã respondeu que a proposta era bem-vinda, mas insuficiente – e que daria uma resposta dentro de algumas semanas. A nova posição contrastava com o padrão anterior de rejeitar categoricamente as propostas do outro lado.
Em 2009 e 2010, o Irã deu outro sinal, na forma de uma proposta negociada com o Brasil e a Turquia, pela qual aceitaria exportar boa parte do urânio altamente enriquecido em troca de ter permissão para enriquecê-lo até um nível adequado para a energia nuclear e usos médicos. Porém, os EUA e seus parceiros rejeitaram a oferta como mera propaganda, em grande medida porque o Irã não a fez diretamente e porque o país ainda teria combustível para começar a fabricar bombas posteriormente.
As novas pressões sobre Teerã, seu tom brando nas conversações e os sinais passados de que o país pode considerar restringir níveis de enriquecimento sugerem que o Irã talvez esteja pronto para uma barganha produtiva. Assim, os EUA deveriam estar abertos a essa possibilidade quando as conversas forem retomadas nos próximos dias, fazendo novas propostas para determinar o grau de seriedade dos iranianos.
Desde 2003, Washington tem se valido de sanções para levar o Irã à mesa de negociação internacional. Porém, os governos Bush e Obama impuseram mais sanções do que negociaram – em parte porque pressionar o Irã é popular nos Estados Unidos; já fechar acordos com ele, não. Em vez de forçar uma solução negociada da crise, Washington deu a entender que esperava a simples capitulação do Irã.
Contudo, isso abala o propósito original das sanções – resolver a crise sem guerra – pois as sanções podem ser uma faca de dois gumes. Quanto mais pressão é exercida, maior a suspeita entre os líderes iranianos quanto às verdadeiras intenções norte-americanas. Quanto maior a suspeita, maior seu desejo por um programa nuclear. E quanto mais perto ficarem das metas nucleares, mais se sentirão capazes de resistir à nova pressão.
Os líderes do Irã já suspeitam que o verdadeiro objetivo dos EUA seja derrubar sua república islâmica; ao mesmo tempo, seus cidadãos se ressentem amargamente das sanções e, em geral, apoiam a ideia de um programa nuclear iraniano. Os líderes se lembram da guerra entre Irã e Iraque na década de 1980, quando Saddam Hussein violou as leis internacionais e empregou armas químicas sem nunca ser punido por isso. Os líderes iranianos concluíram ser vulneráveis à agressão dos vizinhos árabes melhor armados e que acordos internacionais não ofereciam proteção.
Trocando em miúdos, a insegurança impele a ambição nuclear iraniana, deixando o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, convencido de que se abrir mão do programa nuclear do país como um todo, como a Líbia fez na década passada, ele somente faria um convite ao destino de Muamar Kadafi. Essa lógica – se o Irã for terminar enfrentando sanções, é melhor encará-las com a bomba do que sem ela – produziu um ditado em Teerã atualmente: "É melhor ser a Coreia do Norte do que o Iraque". Mesmo assim, os líderes e cidadãos iranianos claramente desejam o fim das sanções e, agora, talvez estejam apontando uma saída para o impasse.
Esta na hora de os Estados Unidos testarem as reais intenções dos líderes e lhes oferecer um caminho de volta ao seio da comunidade internacional.
O comitê de seis nações envolvido nas conversas com o Irã atingiu o objetivo original: confrontar o Irã com uma frente unida. Assim, os outros cinco, cujos programas diferentes inevitavelmente complicam a negociação, deveriam se afastar e deixar os EUA encarregados das conversas individuais com o Irã.
E em vez de oferecer a promessa vaga de que concessões sérias podem um dia ser recompensadas pelo fim de todas as sanções de uma só vez, Washington deveria ofertar o cancelamento de sanções específicas, passo a passo, em troca de concessões específicas do Irã. Dessa forma, ambos os lados podem começar a desarticular os aspectos mais perigosos do programa nuclear iraniano de um modo incremental e verificável.
Logicamente, o Irã pode perder o entusiasmo pelas negociações quando as sanções desaparecerem, mas, então, se as primeiras concessões tiverem sido substanciais, ele teria aberto mão de pontos cruciais do programa nuclear, tornando o mundo um lugar mais seguro.
(Vali Nasr, reitor da Escola de Estudos Internacionais Avançados da Universidade Johns Hopkins é o autor do livro "The Dispensable Nation: American Foreign Policy in Retreat" – "A nação dispensável: o recuo da política externa norte-americana, em tradução livre", no prelo.)


Fonte: R7

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts