GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

sexta-feira, abril 05, 2013

Poderão chineses vencer em futuras guerras?

By on 5.4.13

Existe uma série de estereótipos que, em grande parte, determinam a imagem da China não só no mundo, mas também na própria China. Acredita-se que os chineses não sabem e não querem guerrear, que a China historicamente não está inclinada nem é capaz de expansão, que a cultura chinesa implica passividade e pacifismo na política externa.

Esses estereótipos vêm do período semi-colonial da história chinesa, que começou com a Primeira Guerra do Ópio.
A literatura de ciência política muitas vezes faz referência a certos cânones de Confúcio, os quais, supostamente, indicam que os chineses têm tendência para o compromisso e para evitar conflitos violentos. Tais referências dificilmente podem ser consideradas corretas. Se a cultura chinesa é, basicamente, confucionista, a europeia é cristã. O cristianismo, em seu sermão de paz, de amor fraterno e de perdão aos inimigos vai muito mais longe do que qualquer outra religião de massa. Isso não impediu a Europa, no seu tempo, de se tornar a região mais militarizada do planeta, e os países europeus de conquistarem e subjugarem muitos países e povos. O impacto de fatores culturais e religiosos sobre a política externa e assuntos militares não deveria ser exagerado.
Na realidade, a expansão territorial da China foi contida ao longo da história, não por fatores culturais, ideológicos ou religiosos, mas por fatores naturais e técnico-militares. O império chinês, ainda durante a dinastia Han, atingiu os limites naturais, o avanço além dos quais era difícil de realizar. Estepes e desertos, montanhas e florestas densas eram obstáculos quase intransponíveis para os exércitos do impérios agrícolas pré-industriais. Mesmo que eles conseguiam passar por esses obstáculos, manter os ganhos em lugares tão dificilmente acessíveis era impossível por causa de dificuldades de provisionamento e gestão.
E, mesmo assim, ao longo de muitos séculos de sua história, "não tendendo para a expansão", o império chinês regularmente tentou se expandir para além dos limites ditados pela natureza. Mas as regularmente intentadas campanhas militares para Coreia, Indochina, Ásia Central, Tibete, pesadas e caras, ou terminavam em fracasso, ou então, as conquistas resultantes não podiam ser controladas por muito tempo.
As limitações naturais da expansão territorial do país foram superadas com a chegada ao poder, no século 17, da dinastia Manchu de Qing, que atraiu para as campanhas números significativos de cavaleiros manchus e mongóis, acostumados à natureza severa. Embora o governo de Qing muitos associam com estagnação, declínio e derrotas, no estágio inicial de sua história ele levou a China a aproximadamente um século de prosperidade sem precedentes e à mais rápida expansão territorial na história do país.
Infelizmente, a força da China virou sua fraqueza. Garantido pela própria geografia, o papel de potência regional hegemônica levou à estagnação no campo da organização militar. A China ficou fora da revolução nos assuntos militares que teve lugar na Europa nos séculos 15-17, e que tinha a ver não tanto com a proliferação de armas de fogo como com uma mudança de tática, do sistema de recrutamento e comando das tropas. Este período de fraqueza militar da China em face das potências ocidentais e do Japão, que se tornou bastante evidente ainda no século 18, dificilmente está relacionado com quaisquer características culturais, nacionais ou históricas dos chineses.
O pouco sucesso da China nas guerras do século 19 e início do século 20, e o estereótipo do chinês como um mau soldado são apenas um resultado de fatores políticos, econômicos e institucionais. Se tentarmos avaliar as qualidades morais e psicológicas individuais dos soldados chineses, não há necessidade de procurar por exemplos muito longe: milhares de chineses participaram na guerra civil na Rússia. Tendo sido incluídos numa organização militar moderna e eficaz, essas pessoas demonstraram qualidades individuais excepcionalmente altas.
A atitude da China para com a guerra e a expansão é um problema tanto da política global, como da política doméstica da China. Após a transformação da China numa superpotência econômica, inevitavelmente está acontecendo a sua emergência como a principal potência militar do mundo. Estão sendo divulgadas muito fortemente teorias sobre a ameaça chinesa. Por outro lado, a opinião pública chinesa está se inclinando cada vez mais em favor de uma proteção mais rígida dos seus interesses, inclusive por meios militares. O governo da China é muitas vezes criticado por sua fraqueza e indecisão.
Como acontece com outros países, a política da China é o produto de um complexo conjunto de fatores políticos e econômicos e de sua avaliação pela liderança chinesa. Como em qualquer outro país, sob a influência desses fatores, ela pode mudar de qualquer forma possível.
 

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts