GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

quarta-feira, julho 24, 2013

Morre Djalma Santos, o maior lateral-direito de todos os tempos

By on 24.7.13
Considerado "o maior lateral direito de todos os tempos", o ex-jogador Djalma Santos faleceu nesta terça-feira, aos 84 anos. O bicampeão mundial pela Seleção Brasileira (ganhou as Copas de 1958 e 1962) não resistiu às complicações de uma infecção respiratória aguda - ele estava internado desde 1º de julho no Hospital Hélio Angotti, em Uberaba (MG), por ter se sentido mal após assistir à vitória do Brasil sobre a Espanha, na final da Copa das Confederações, pela televisão.
Djalma Santos foi ídolo em suas passagens por Portuguesa, Palmeiras e Atlético-PR. A estreia pela Lusa ocorreu aos 19 anos, quando atuou ao lado de Julinho Botelho e Brandãozinho na derrota por 3 a 2 para o Santos, em novembro de 1948, depois de chamar a atenção nos campos de várzea de São Paulo.
O começo de carreira frustrante de Djalma Santos como volante teve uma reviravolta positiva quando ele foi deslocado para a lateral direita e passou mais de uma década na Portuguesa. "Durante 11 anos joguei na Portuguesa e não fui campeão paulista. Sempre torço para a Portuguesinha um dia chegar lá. Ela merece", disse, assim que deixou os gramados.
Já conhecido internacionalmente, Djalma Santos trocou a colônia lusitana pela italiana. Em 1959 foi negociado com o Palmeiras e passou a fazer parte de um dos melhores elencos do seu tempo. Conquistou três títulos paulistas em uma década em que o monopólio santista, comandado por Pelé e companhia, parecia insuperável.
Djalma Santos vestiu sua terceira camisa somente em 1969, ao se transferir para o Atlético-PR. Em Curitiba, ele já não precisava mais provar do que era capaz. Mesmo assim, contribuiu com a conquista do Campeonato Estadual de 1970. Na ocasião, o Furacão estava há 13 anos sem erguer nenhum troféu.
A despedida de Djalma Santos do Futebol ocorreu já no ano seguinte de seu último título, ainda com a camisa do Atlético-PR.Seleção Brasileira
Djalma Santos iniciou a sua trajetória na Seleção quando os torcedores ainda tentavam esquecer a derrota para o Uruguai na Copa do Mundo de 1950, no Maracanã. O lateral direito estreou em um empate sem gols com o Peru, em 10 de abril de 1952. A primeira vitória foi uma goleada por 5 a 0 sobre o Panamá.
Djalma Santos foi titular nas três partidas da seleção no Mundial da Suíça, em 1954. Na partida das quartas de final, contra a sensação Hungria, ele marcou um gol de pênalti, mas não impediu a derrota por 4 a 2 e a consequente eliminação.Na Copa do Mundo de 1958, o craque assistiu às cinco primeiras partidas do banco de reservas. Somente na grande final, contra a anfitriã Suécia, Djalma Santos substituiu o são-paulino De Sordi, que estava contundido, e ficou marcado com uma grande apresentação.
"Foi o maior momento da minha carreira aquela vitória sobre a Suécia: na casa do adversário e com a presença do Rei na arquibancada", discursou o então jogador.
Djalma Santos ainda seria titular em mais dois Mundiais. Na campanha do bicampeonato da Seleção, em 1962, no Chile, e na Copa do Mundo de 1966, quando os brasileiros foram eliminados por Portugal, time liderado pelo atacante Eusébio.
Além do destaque dentro dos gramados, o maior ala direito de todos os tempos ainda quebrou um importante recorde pela Seleção. Djalma Santos foi o primeiro atleta a superar a marca dos 100 jogos com a camisa canarinho. Em seu currículo, constam 110 partidas, quatro Copas do Mundo (dois títulos) e três gols com a camisa verde-amarela.
O adeus de Djalma Santos da Seleção Brasileira ocorreu em 9 de junho de 1968, com vitória por 2 a 0 sobre o Uruguai, no Pacaembu. Cinco anos antes, a Fifa organizou um amistoso para comemorar o centenário do futebol e da Liga Inglesa e escalou o lateral direito como único brasileiro na equipe do resto do mundo que perdeu por 2 a 1 para a Inglaterra, em Wembley.

Fonte: Terra


Estrangeiros reverenciam Djalma Santos: "um dos melhores de sempre"

O ex-jogador Djalma Santos, lateral direito bicampeão mundial com a Seleção Brasileira em 1958 e 1962, foi reverenciado pela imprensa internacional após morrer na noite de terça-feira, aos 84 anos, vítima de uma parada cardiorrespiratória. O assunto é destaque na página principal do site da Fifa, que tem um trecho de uma entrevista concedida por ele em 2010.
"Minha vida eu sempre levei normal. Sempre respeitei o adversário, respeitei o povo que vai assistir. Graças a Deus joguei a vida toda e nunca fui expulso. Por quê? Porque havia respeito. Jogava com lealdade", dizia, eleito o melhor lateral da Copa do Mundo de 1958, mesmo que tenha jogado apenas a final como titular.
O jornal Marca, da Espanha, diz que o ídolo mudou o modo de jogar dos laterais. Se antes a única função dos atletas dessa posição era marcar, com Djalma Santos as subidas ao ataque passaram a ser comuns. A análise é parecida à do jornal A Bola, de Portugal, que se refere ao ex-atleta de Portuguesa, Palmeiras e Atlético-PR como "um dos melhores de sempre".
O Bild, da Alemanha, exibe a seguinte manchete: "O Brasil chora por Djalma Santos". O italiano Gazzetta dello Sport salienta que o ex-atleta esteve presente em quatro Mundiais consecutivos, de 1954 a 1966, e o chama de "lenda do futebol".
Djalma Santos será enterrado na tarde desta quarta, em Uberaba, onde morava e estava internado há mais de 20 dias com problemas pulmonares.

Fonte: Terra




 

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts