GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

quinta-feira, setembro 19, 2013

A CIA, o Brasil e o terrorismo

By on 19.9.13
As denúncias feitas pela Folha de S.Paulo, de que agentes da CIA norte-americana atuam livremente no Brasil, em franca “colaboração” com policiais brasileiros assustam muito menos do ponto de vista da atuação dos agentes estrangeiros do que da de seus “parceiros” brasileiros.
Afinal, os espiões norte-americanos estão cumprindo o seu papel: vigiar de perto um país que tem uma extensão territorial contínua maior que os próprios Estados Unidos; que conta com 200 milhões de habitantes; que é a sétima maior economia do mundo; e o terceiro maior credor individual dos Estados Unidos; além de membro dos Brics — uma aliança que o une à China, Rússia, índia e África do Sul deve mesmo ser uma prioridade para a CIA.
Assim como interceptar e-mails e telefonemas da presidente Dilma é prioridade de outra agência do complexo de inteligência dos Estados Unidos, a NSA, já sabemos.
O que não podemos entender, já que estamos sendo ridicularizados no mundo inteiro, é como  esses agentes externos têm o seu trabalho banalizado e facilitado pelo próprio governo brasileiro, dentro do nosso território, como se fosse a coisa mais comum do mundo eles entrarem e saírem de instalações responsáveis pela nossa segurança interna e se deslocarem em nosso território como se estivessem dentro das fronteiras dos Estados Unidos.
http://1.bp.blogspot.com/-RYFdtPTajeI/Uh1gDMgusKI/AAAAAAAAMFs/QrcLOwePqBQ/s1600/nsa-tecnology.jpgEspertos, os EUA contam com a ignorância e o cabotinismo deslumbrado e tupiniquim de muitos de seus “colaboradores”.
Afinal — pode-se imaginar, depois de tantos anos de “colaboração”, quantos policiais brasileiros não terão tido a oportunidade de chegar em casa — ou de se sentar com os amigos depois do expediente — e comentar ter participado de uma reunião com “agentes” da DEA ou da CIA, para conversar sobre o “combate ao tráfico de drogas” — a primeira fachada para a assinatura de convênios — ou, depois do 11 de Setembro, como se informa agora, sobre o combate ao “terrorismo”.
E quantos espiões norte-americanos devem ter rido de seus “colegas” brasileiros, a propósito da “guerra contra o terror”, tomando um uísque no bar do hotel, antes de ir para a cama.
Trata-se, muitas vezes, de uma questão cultural. Quantos dentre esses agentes da lei brasileiros não cresceram e não aguçaram a sua vocação vendo — como milhões de outros brasileiros de sua geração — programas policiais e de espionagem norte-americanos na televisão?
E quantos não se imaginaram, em suas fantasias de criança, viajando pelo mundo, combatendo os malvados “terroristas” que ameaçam a liberdade e a democracia ocidental e os próprios Estados Unidos?
Bom seria se da formação informal de alguns de nossos profissionais da área, além de suas lembranças de séries como Miami Vice, CSI New York, Missão Impossível, fizessem parte também cursos sobre relações internacionais, geopolítica e o lugar do Brasil, hoje, no mundo.
Assim, seria mais fácil que eles — e também muitos de nossos diplomatas e até gente de outras áreas do governo — percebessem que o Brasil não corre risco de sofrer ataques “terroristas”.
Nossa República — graças a um dispositivo constitucional que propugna o princípio da não intervenção — não se mete em assuntos internos ou externos de outros países.  
E o faz para que outras nações — e grupos, armados ou não, e de qualquer orientação ideológica — não se metam conosco, nem oficial, nem sub-repticiamente, como fazem os Estados Unidos.
Quem é vítima do “terrorismo” são países que, como a Espanha e Israel, por exemplo, atuam como servidores de segunda classe dos EUA em lugares como a Líbia, o Iraque, o Afeganistão, enviando tropas e aviões para combater ao lado dos ingleses e norte-americanos em defesa de seus interesses.
Afinal, o termo “terrorismo” não pode ser usado apenas, como se faz usualmente, contra os inimigos dos EUA. Se terrorismo é matar um inocente em Madri ou Nova York, não existe outra palavra para qualificar o fato de se assassinar uma criança, usando um avião não tripulado em Cabul, Bagdá ou Islamabad.
O Brasil só estará sujeito a ser atacado, se continuar, justamente, a estreitar seus laços com os serviços de segurança norte-americanos, colocando-se como inimigo de grupos e organizações que não têm nenhuma razão ou interesse de atuar em território brasileiro. 
O Brasil não tem problema com países árabes — temos aqui grandes colônias de palestinos, sírios, libaneses — e os judeus estão em nosso país desde a Descoberta, de que participaram.
A CPI que investiga a espionagem cibernética norte-americana deve estender a sua atuação para a imediata apuração da atividade de agentes norte-americanos no Brasil.
É necessário identificar e romper esses convênios; desmontar as instalações — muitas financiadas com dinheiro norte-americano — a que esses senhores têm acesso e “convidá-los”, educadamente, a deixar, imediatamente, o território nacional. ´
Como se viu ontem, com o tiroteio em Washington, os Estados Unidos — com os inimigos internos e externos que cultivam — não terão paz enquanto acreditarem que receberam licença divina para tutelar o planeta.
Saiamos — antes que seja tarde demais — da “colaboração” com os EUA na área de segurança. Administremos nossos próprios problemas, que já não são poucos. E eles que cuidem dos deles.

Do JB

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts