GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

sábado, março 01, 2014

Perigo de voo com piloto cansado aparece em inquérito da UPS

By on 1.3.14
Os reguladores de segurança dos EUA que investigam o acidente fatal de um jato da United Parcel Service Inc., ocorrido no ano passado, ressaltaram os perigos de cansaço do piloto, uma questão crucial para as tripulações dos aviões de carga, que frequentemente voam durante a noite.
Documentos divulgados ontem pelo Conselho Nacional de Segurança nos Transportes dos EUA (NTSB, na sigla em inglês) mostraram que o capitão havia reclamado da árdua programação noturna e que o copiloto não havia aproveitado ao máximo a oportunidade de descansar antes de começar seu turno. Ambos os pilotos morreram em uma aterrissagem fracassada antes do amanhecer de 14 de agosto.
O peso de alternar entre um estilo de vida diurno e voos noturnos pode prejudicar as respostas dos membros da tripulação a situações críticas, disse Bill Waldock, que dá aulas sobre investigações de acidentes na Universidade Aeronáutica Embry-Riddle. As autoridades de segurança disseram que os pilotos do UPS voo 1354 cometeram erros quando tentaram a aterrissagem em Birmingham, Alabama.
“Nós somos, basicamente, animais diurnos”, disse Waldock em entrevista por telefone, de Prescott, Arizona. “Nós gostamos de ficar acordados durante o dia e dormir à noite. Para muitas pessoas é difícil inverter isso”.
A UPS, a maior empresa de entrega de pacotes do mundo, e a FedEx Corp., a operadora da maior companhia aérea de cargas, realizam muitos de seus voos à noite, quando há menos concorrência no espaço aéreo com aviões de passageiros. Cerca de dois terços do volume da UPS é movimentado em voos noturnos, disse Jeff Wafford, um porta-voz da empresa.
Turnos dos pilotos
Voar à noite é um desafio maior porque é provável que os pilotos tentem manter uma rotina normal durante o dia quando não estão trabalhando, disse Bob Mann, ex-executivo da American Airlines que agora é presidente da consultoria de aviação R.W. Mann Co. em Port Washington, Nova York.
“Isso é real se você é um piloto de aviação geral ou um piloto de uma companhia aérea que voa de dia ou um piloto de uma companhia aérea de carga que voa de noite”, disse Mann, por telefone.
As companhias aéreas de cargas não estão sujeitas às regras de trabalho e descanso mais estritas dos EUA, que passaram a vigorar no dia 4 de janeiro, para pilotos de companhias aéreas de passageiros. A UPS, que tem sede em Atlanta, disse que a jornada doméstica máxima dos pilotos é de 13,5 horas, enquanto o limite estabelecido para operações de carga é de 16 horas, segundo a norma da Administração Federal da Aviação dos EUA (FAA, na sigla em inglês).
Embora o trabalho por turnos esteja há muito tempo ligado a riscos para a segurança e a saúde, segundo os Centros para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, os pilotos que voam em horários irregulares operam em um ambiente com menos espaço para erros -- e consequências muito mais graves -- do que na maioria das outras ocupações.
As operadoras de carga estão isentas dos novos padrões para pilotos de aviões de passageiros, cujos turnos máximos de trabalho foram limitados a uma faixa entre nove e 14 horas, em vez de 16. Pilotos de companhias aéreas de passageiros que voam à noite, cruzando múltiplos fusos horários ou executando numerosos pousos e decolagens foram restringidos ao máximo.
O sindicato dos pilotos da UPS fez lobby no Congresso e acionou a FAA para estender as novas regras de descanso para as companhias aéreas de carga. Embora a UPS tenha dito que suas análises mostraram que os pilotos do voo 1354 haviam cumprido as novas regras estabelecidas para companhias aéreas de passageiros, o NTSB disse que o exame não levou em conta nenhuma de suas viagens anteriores de vários dias.
“Eu não entendo, com a intenção declarada da FAA de manter apenas um nível de segurança na indústria, por que isso é aplicado apenas para o lado dos passageiros”, disse Mann. “O fracasso deles em colocar a indústria de cargas aéreas dentro dessa meta não tem sentido”. O NTSB repercutiu esse pedido ontem, dizendo que solicitou aos órgãos reguladores da aviação nos EUA que apliquem os padrões de cansaço às operações de carga.
“Não há motivo para excluir pilotos simplesmente porque eles estão transportando pallets em vez de passageiros”, disse a presidente do NTSB, Deborah Hersman, em entrevista coletiva após a audiência, em Washington. Os pilotos que voam durante a madrugada “são ainda mais suscetíveis ao cansaço”.

Da Exame
 

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts