GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

sábado, agosto 15, 2015

Coreia do Sul exige pedido de desculpas ao Norte e reforça meios na fronteira

By on 15.8.15
Seul acusa Pyongyang de ter ordenado a colocação de minas que mutilaram dois militares sul-coreanos na semana passada.
A tensão constante na fronteira entra as duas Coreias atingiu nos últimos dias um novo ponto mais sensível, depois de dois militares sul-coreanos terem ficado feridos com gravidade na explosão de minas anti-pessoal. O governo do Sul acusa o Norte de ter colocado três minas na zona desmilitarizada, no lado sul-coreano, e exige um pedido de desculpas oficial e a condenação dos culpados.
O caso aconteceu no dia 4 de Agosto, nas imediações da cidade de Paju, onde estão localizadas várias bases militares sul-coreanas. Num vídeo divulgado pelo Ministério da Defesa da Coreia do Sul é possível ver o momento de uma das explosões, que ocorreu junto à vedação que marca o início da zona desmilitarizada – um dos militares viu serem-lhe amputados ambos os membros inferiores e o outro ficou sem uma das pernas.
A primeira medida de retaliação por parte do Sul foi o recomeço das trasmissões de propaganda através de altifalantes, algo que já não acontecia desde 2004. Através deste sistema, muito contestado pelo governo de Pyongyang, as autoridades sul-coreanas fazem chegar a cidadãos norte-coreanos notícias sobre o que se passa do outro lado fronteira – e também, neste caso, a condenação do ataque que mutilou os dois sargentos.
Até ao momento não é conhecida qualquer reacção oficial por parte da Coreia do Norte, mas a Presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, disse esta terça-feira que vai "manter a pressão" sobre o regime de Pyongyang, sem especificar medidas. Apesar disso, salientou Park, o seu governo "vai manter os esforços para o reatamento do diálogo com a Coreia do Norte".
As declarações da chefe de Estado sul-coreana foram proferidas ao lado do ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, Philip Hammond, que está de visita  ao país, e que também condenou o caso: "Condenamos este ataque não provocado. E os norte-coreanos devem ser responsabilizados pela violação do armistício", afirmou o responsável.
A explosão das minas anti-pessoal junto à zona desmilitarizada foi o caso mais grave entre as duas Coreias desde 2010, quando quatro sul-coreanos (dois militares e dois civis) morreram num ataque da artilharia norte-coreana contra a ilha de Yeonpyeong, no seguimento de exercícios navais no Sul – as autoridades de Pyongyang disseram que responderam a fogo disparado contra as suas águas territoriais. Meses antes, no mesmo ano, a corveta da Marinha sul-coreana Cheonan afundou-se, morrendo 46 pessoas – uma investigação internacional, que contou com especialistas dos EUA, Reino Unido, Canadá, Austrália e Suécia concluiu que o navio foi afundado por um torpedo norte-coreano, mas o regime de Pyongyang negou sempre essa acusação, e a China e a Rússia também contestaram as conclusões da investigação.
Muitos activistas sul-coreanos têm exigido uma reacção mais forte por parte de Seul – e, num raro momento de consenso, o partido no governo e a oposição aprovaram por unanimidade uma declaração a condenar o incidente da semana passada.
O ministro da Defesa, Han Min-koo, garantiu que as Forças Armadas sul-coreanas vão responder com "confiança, resolução e sem hesitação" a quaisquer "provocações" por parte do Norte. "As mais recentes acções do inimigo constituem uma clara provocação e violação do acordo de armistício e do pacto de não-agressão entre o Sul e o Norte", afirmou o responsável – apesar de ainda estarem tecnicamente em guerra, as duas Coreias assinaram um armistício em 1953 e um pacto de não-agressão em 1991.
As autoridades sul-coreanas dizem ter a certeza de que as minas foram colocadas pela Coreia do Norte, entre 22 de Julho e 4 de Agosto, período que decorreu entre as duas vistorias militares àquela área. Em conferência de imprensa, o major-general Koo Hong-mo especificou que se tratava de minas ATM-74, que consistem em barras de TNT colocadas numa caixa de madeira.
Estima-se que as duas Coreias tenham colocado várias centenas de milhares de minas ao longo da fronteira, durante a guerra e nas décadas que se seguiram, e muitas delas são arrastadas quando as fortes chuvadas provocam deslizamentos de terras, principalmente do Norte para o Sul – segundo um relatório de 2011, pelo menos 116 civis sul-coreanos morreram em explosões de minas em Gangwon, na fronteira com a Coreia do Norte.

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts