GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

quinta-feira, outubro 04, 2012

Drones subaquáticos dos EUA: Serão usados contra o Irã?

By on 4.10.12
Drone subaquático.

A obscurecer os efeitos devastadores dos drones dos EUA que matam civis inocentes por todo o mundo, é com um toque de humor e entusiasmo ligeiramente inadequados que a empresa de consultoria militar Strike Fighter Consulting louva os novos Veículos Subaquáticos Sem Tripulação da US Navy no seu artigo recente "Unmanned Drones Take to the Seas".


  A obscurecer os efeitos devastadores dos drones dos EUA que matam civis inocentes por todo o mundo , é com um toque de humor e entusiasmo ligeiramente inadequados que a empresa de consultoria militar Strike Fighter Consulting louva os novos Veículos Subaquáticos Sem Tripulação da US Navy no seu artigo recente "Unmanned Drones Take to the Seas".

"Dá a impressão que os pilotos de drones vão precisar lições de natação".

A Armada dos EUA atualmente está a experimentar uma nova geração de drones subaquáticos nas águas junto a Newport, Rhode Island. A sua esperança é que estes drones venham a ser os primeiros passos (ou o primeiro cachorrinho, se quiser) para um futuro de submarinos autônomos.

Estes drones, que são conhecidos tecnicamente como Unmanned Underwater Vehicles (UUV) poderiam representar uma "alteração do jogo" para a Armada, disse Christopher Egan, administrador de programa no Naval Undersea Warfare Center.

Tudo o que torna os drones aéreos tão eficazes (effective) pode muito facilmente ser aplicado a submarinos. (Dabney B., Unmanned Drones Take to the Seas , Strike Fighter Consulting Inc, September 19, 2012, ênfase acrescentada.)

De que espécie de "eficiência" estamos a falar aqui?

A guerra com drones tem sido "eficiente" principalmente em matar civis inocentes, incluindo crianças, segundo um estudo da Universidade de Stanford e da Universidade de Nova York.

Segundo o novo estudo, apenas uma em cada cinquenta vítimas do programa da CIA de ataques "dirigidos" ("targeted") com drones em áreas tribais do Paquistão são militantes conhecidos, ao passo que entre 2.562 e 3.325 pessoas foram mortas no Paquistão entre Junho de 2004 e meados de Setembro deste ano – das quais entre 474 e 881 eram civis, incluindo 176 crianças. (The News International (Pakistan), Pakistan. CIA Annihilation From The Air: Drone Warfare's Invisible Dead , September 26, 2012)
 
Dizem-nos que estes novos "cost-efficient" drones submarinos "poderiam ser utilizados para mapear o fundo do oceano, detectar minas inimigas, coletar informação ou apoiar a guerra submarina [...] A Armada espera que o Razor seja virtualmente indetectável pelos sistemas inimigos". (Dabney B., op. cit.)

No princípio deste ano, a Aviation Week publicou um artigo sobre Veículos Subaquáticos Não Tripulados de Grande Deslocamento (Large Displacement Unmanned Underwater Vehicle, LDUUV) o qual confirma que a tecnologia drone subaquática não está bem estabelecida. Prevê-se que o novo Large Displacement Unmanned Underwater Vehicle (LDUUV) seja utilizado não após 2014:

O Large Displacement Unmanned Underwater Vehicle (LDUUV) será grande e extremamente autónomo, executando missões a longas distâncias durante meses. Ele actuará como um navio mãe (mothership), posicionando e operando sensores estáticos e móveis para vigilância persistente em águas costeiras. Finalmente, é provável que seja armado. O programa parece ambicioso, mas grande parte da tecnologia já foi demonstrada.

[...]

O LDUUV terá uma grande capacidade de carga útil, tornando-o capaz de libertar sensores, bóias de comunicação, UUS mais pequenos e armas. A ênfase actual da Armada está na vigilância persistente "externa" ("over the horizon"). Contudo, o seu impacto mais significativo poderia ser na guerra das minas, tanto ofensivas como defensivas.

E o LDUUV poderia tornar a colocação de minas mais controlável e clandestina. No conceito de mina transformacional, o LDUUV coloca sensores em rede numa área vasta. Estes rastreiam e identificam todo navio dentro da sua amplitude. Dependendo da situação, qualquer navio pode ser atacado, seja por uma arma ancorada ou por um torpedo vindo do próprio UUV.

[...]

A Armada planeia divulgar um pedido de propostas para o LDUUV em 2014. Em Outubro último o contra-almirante Barry Bruner, o director de guerra subaquática da Armada, indicou que mais de 10 LDUUVs seriam encomendados. O LDUUV está a ser encarado como um ajudante para complementar submarinos tripulados. Contudo, se ele alcançar os objectivos tecnológicos de resistência e autonomia, colocará questões sérias acerca do que exactamente grandes embarcações não tripuladas poderiam afinal das contas não fazer. (David Hambling, Large Displacement Unmanned Underwater Vehicle Steaming Ahead , Aviation Week, April 1, 2012, ênfase acrescentada.)
 
Se esta tecnologia foi demonstrada, ela poderá ser utilizada para a guerra subaquática.

Será que submarinos armados não tripulados serão utilizados em "minagens clandestinas" contra o Irão no Golfo Pérsico?

A respeito disto, relatórios confirmam que atualmente (Setembro/2012) estão a ser conduzidos exercícios militares próximos das águas territoriais do Irã e são "destinados a simular a resposta do Irã a um ataque dos EUA-Israel, nomeadamente que ações serão tomadas pelas forças aliadas em resposta à retaliação militar pelo Irão". (Michel Chossudovsky, “Warship Diplomacy”: A Prelude to All Out War against Iran? , Global Research, September 26, 2012.)

Drones subaquáticos fazem parte dos jogos de guerra, informa a Bloomberg:

"O ''Mark 38 Mod 2,” de 25 mm guiado da BAE Systems Plc (BA/) 25mm guided e o veículo subaquático não tripulado Kingfish estão entre os programas que o Pentágono acelerou este ano sob uma iniciativa "Via rápida" ("Fast Lane") para reagir a armas navais iranianas. Uma das mais sérias ameaças, diz a Armada, são botes iranianos de alta velocidade que podem empregar táticas de "enxame". ( Bloomberg , September 19, 2012. ênfase acrescentada.)

Uma declaração recente do Diretor de Investigação do think tank neocon Washington Institute for Near East Policy sugeriu que os EUA deveriam provocar o Irã a "disparar o primeiro tiro".

"Estamos no jogo de utilizar meios encobertos contra os iranianos. Podemos ficar mais sujos com isso [...] Os Estados Unidos – juntamente com muitos parceiros internacionais que pode mobilizar – deveriam mover-se para ações mais contundentes, sejam encobertas ou abertas, publicamente proclamadas ou negáveis". (Patrick Clawson, citado em Michel Chossudovsky, Neocon Washington Think Tank: The US should Provoke Iran into “Firing the First Shot” , September 26, 2012.)
 
Drones subaquáticos parecem constituir a arma perfeita a ser utilizada em atos de provocação.


Fonte: Vermelho - Por Julie Lévesque, em Resistir.info

0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts