GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

Breaking News

segunda-feira, junho 26, 2017

Avião interceptado pela FAB com cocaína decolou de fazenda da família do Ministro da Agricultura Blairo Maggi

By on 26.6.17
O avião bimotor interceptado pela Força Aérea Brasileira (FAB) no domingo (25) com 500 quilos de cocaína decolou da fazenda Itamarati Norte, localizada no município de Campo Novo de Parecis (MT), informou, por meio de nota, o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica. A propriedade rural é arrendada pela empresa Amaggi, de propriedade da família do ministro da Agricultura, Blairo Maggi.
Ao G1, a assessoria do titular da Agricultura afirmou que a pasta está elaborando uma nota para esclarecer o assunto.
Em nota, a empresa Amaggi disse que "não tem qualquer ligação" com a aeronave interceptada pela FAB e "não emitiu autorização para pouso/decolagem da mesma em qualquer uma de suas pistas" (leia a íntegra da nota ao final desta reportagem)


Na página do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o avião bimotor matrícula PT-IIJ, interceptado pelo FAB, está registrado em nome de Jeison Moreira Souza.
A aeronave, de acordo com a FAB, decolou da fazenda Itamarati Norte com destino a Santo Antonio Leverger, também no Mato Grosso.
No comunicado, a Força Aérea relatou que, às 13h17 deste domingo, o piloto de defesa aérea do A-29 Super Tucano identificou a aeronave suspeita e, seguindo o protocolo de policiamento aéreo, fez perguntas, por meio do radio, ao piloto do avião bimotor.
Na sequência, disse a FAB, o militar determinou que o piloto do bimotor mudasse de rota e pousasse no aeródromo de Aragarças, em Goiás.
Inicialmente, diz trecho da nota, o piloto da aeronave demonstrou que iria cumprir a ordem do militar, porém, na hora de pousar ele arremeteu e não respondeu mais às advertência da defesa aérea.
Seguindo o protocolo, o piloto da FAB deu um tiro de aviso que, conforme a Aeronáutica, é uma medida de persuasão para forçar o piloto da aeronave "considerada hostil" a cumprir as determinações da defesa aérea.
A Força Aérea disse no comunicado que, mesmo com o tiro de aviso, o avião interceptado não voltou a responder aos contatos do militar e pousou na zona rural do município de Jussara, no interior de Goiás.
Um helicóptero da Polícia Militar goiana foi acionado para fazer buscas no local do pouso. De acordo com a FAB, o bimotor será removido para o quartel da PM em Jussara. Já a droga apreendida, ressaltou a Aeronáutica, será encaminhada para a superintendência da Polícia Federal, em Goiânia.
Segundo o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, a ação que interceptou o avião faz parte da Operação Ostium, que tem o objetivo de coibir ilícitos transfronteiriços. Além da FAB, atuam nesta operação a Polícia Federal e órgãos de segurança pública.
Leia a íntegra da nota divulgada pela Amaggi:
Nota à Imprensa | Operação “Ostium”
Cuiabá, 26 de junho de 2017
A respeito das informações divulgadas pela Força Aérea Brasileira (FAB) no último domingo (25) dando conta da interceptação de uma aeronave carregada de entorpecentes que teria decolado de uma pista localizada na fazenda Itamarati, arrendada pela AMAGGI, a companhia vem a público informar que:
a) Tomou conhecimento do caso por meio da imprensa e aguarda o desenrolar das investigações sobre a propriedade da aeronave e as circunstâncias exatas em que ela - conforme afirma a FAB - teria pousado na Fazenda Itamarati e decolado a partir de uma de suas pistas;
b) A empresa não tem qualquer ligação com a aeronave descrita pela FAB e não emitiu autorização para pouso/decolagem da mesma em qualquer uma de suas pistas;
c) Localizada em Campo Novo do Parecis, a parte arrendada pela AMAGGI na Fazenda Itamarati conta com 11 pistas autorizadas para pouso eventual (apropriadas para a operação de aviões agrícolas, o que não demanda vigilância permanente) localizadas em pontos esparsos de 54,3 mil hectares de extensão;
d) A região de Campo Novo do Parecis tem sido vulnerável à ação de grupos do tráfico internacional de drogas, dada a sua proximidade com a fronteira do Estado de Mato Grosso com a Bolívia;
e) Tal vulnerabilidade acomete também as fazendas localizadas na região. Em abril deste ano a AMAGGI chegou a prestar apoio a uma operação da Polícia Federal (PF), quando a mesma foi informada de que uma aeronave clandestina pousaria com cerca de 400 kg de entorpecentes (conforme noticiado à época) em uma das pistas auxiliares da fazenda. Na ocasião, a PF realizou ação de interceptação com total apoio da AMAGGI, a qual resultou bem-sucedida.
A AMAGGI se coloca à disposição das autoridades para prestar todo apoio possível às investigações do caso.

DO G1

NTT DoCoMo: Japoneses criam 1º drone capaz de reproduzir imagens esféricas em voo

By on 26.6.17

Uma empresa japonesa desenvolveu o primeiro drone esférico do mundo capaz de reproduzir imagens em voo, o que poderia ser usado em espetáculos, eventos esportivos e até para ajudar vítimas de catástrofes naturais.

Concebido pela NTT DoCoMo, o dispositivo deve começar a ser comercializado dentro de dois anos, para agregar uma nova aplicação prática aos drones, que já são usados em campos tão diversos quanto o militar, o do transporte e o da logística.
A criação, que pode ser controlada remotamente, poderia ser usada também em eventos esportivas ou shows e inclusive como guia em situações de emergência, afirmou à Agência Efe o responsável pelo projeto, Wataru Yamada.
O drone, de 88 centímetros de diâmetro, tem cinco hélices instaladas no centro de uma estrutura esférica constituída por varetas curvas de LED que, quando giram rapidamente sobre um eixo horizontal, formam as imagens e criam o efeito de uma esfera sólida.
O projeto nasceu há dois anos como um desafio pessoal de Yamada.
"Sempre quis desenvolver uma tecnologia capaz de colocar imagens no ar, mas não como as que as pessoas veem através de dispositivos móveis ou vestíveis, queria um que fizesse diretamente", contou.

Diante das dificuldades para fazer o trabalho sozinho, ele buscou patrocínio. Um ano depois, seu trabalho no centro de pesquisas e desenvolvimento que a companhia tem na cidade de Yokosuka deu resultados com um dispositivo que pode subir até 100 metros no ar.
Equipar um drone com uma tela esférica era uma tarefa complicada, até então, por conta da interferência do fluxo de ar das hélices e do peso. Para resolver estas questões, a equipe liderada por Yamada utilizou uma tela em grande parte oca, com exceção das varietas de LED, de tal forma que o ar passa através dela enquanto cria a ilusão de uma tela sólida graças à imagem residual das luzes que giram rapidamente.
De acordo com Yamada, ao descartar o uso de uma tela completa, o peso do dispositivo, atualmente de 3,4 quilos, também diminuiu.
A NTT DoCoMo pretende colocar o drone esférico no mercado até março de 2019 para uso em eventos lúdicos.
"Estamos pensando em usá-lo em peças de teatro, no intervalo das atuações, ou no final de eventos esportivos, como partidas de futebol ou beisebol", disse Yamada.
Apesar de a utilização na indústria do entretenimento e da publicidade ser a primeira ideia, a equipe quer levar o aparelho além e dar a ele um uso social.
"Estamos trabalhando para que possa ser empregado mais para a frente na orientação de pessoas em casos de emergência", antecipou o inventor, ressaltando que o aparelho poderia indicar locais para refúgior e contribuir com outras informações em caso de catástrofes naturais.
Terremotos, erupções vulcânicas e tufões são comuns no arquipélago japonês, que fica sobre uma das zonas sísmicas mais ativas do mundo, o Círculo de Fogo do Pacífico, e que tem 110 vulcões em atividade no seu território. Por isso, o país fez uma firme aposta nos drones como ajuda para estes desafios, como reflete sua presença em feiras tecnológicas e a legislação específica adotada em 2015, que inclui disposições de segurança quanto ao uso destes aparelhos e especifica onde eles podem operar.
De Epoca - (Por Maria Roldán)

domingo, junho 25, 2017

Europa autoriza projeto para buscar vida extraterrestre

By on 25.6.17

A Europa aprovou o lançamento de um observatório do espaço profundo para buscar planetas habitáveis em outros sistemas estelares, junto com quaisquer formas de vida que eles possam hospedar.
"A missão PLATO abordará questões fundamentais, como 'quão comuns são os planetas parecidos com a Terra?' e 'nosso sistema solar é incomum, ou até mesmo único?'", disse na quarta-feira a Universidade de Warwick, cujos cientistas participarão do projeto.
O empreendimento de vários milhões de euros "poderia eventualmente levar à detecção de vida extraterrestre", acrescentou.
Um comitê da Agência Espacial Europeia (ESA), reunido em Madri, autorizou a missão na terça-feira, o que significa que ela "pode passar de um plano à construção", afirmou a universidade em um comunicado. 
Quando o projeto candidato foi anunciado pela primeira vez, há três anos, seu custo foi estimado em cerca de 600 milhões de euros.
Com 26 telescópios a bordo, a PLATO irá se juntar ao observatório Kepler da Nasa na busca por exoplanetas, que giram em torno de estrelas diferentes do nosso Sol.
O Kepler encontrou até agora mais de 3.400 exoplanetas confirmados. Destes, 30 têm menos do dobro do tamanho da Terra e orbitam dentro da chamada "zona habitável" da sua estrela, a uma distância que permite a existência de água em estado líquido.
A PLATO (Planetary Transits and Oscillations of stars) deve ser lançada em 2026, disse a ESA.

Do EM

sexta-feira, junho 23, 2017

Embraer KC-390 é apresentado em salão de Paris

By on 23.6.17
Embraer apresentou no domingo, 18, à imprensa internacional em Le Bourget, na França, seu cargueiro KC-390, que passa por fase de certificação e deve chegar ao mercado em 2018. A apresentação aconteceu às margens do Salão Aeronáutico de Le Bourget, um dos maiores do mundo.
Com o objetivo de diversificar seu portfólio de produtos, a companhia brasileira espera confirmar nos próximos meses a venda de cinco unidades, com opção de um sexto, ao governo de Portugal.A apresentação foi realizada no final da manhã de domingo com a presença no voo de Paulo Cesar de Souza e Silva, diretor-presidente da Embraer, e de Jackson Schneider, diretor-presidente da Embraer Defesa e Segurança, subsidiária para produtos militares.
O KC-390 é uma das atrações da companhia no salão aeronáutico e tenta conquistar uma parte do mercado hoje cativo do Hercules C-130, produzido pela americana Lockheed Martin. Os dois aviões em fase de testes já contam mais de mil horas de voo e ainda terão pela frente outras mil horas até que a certificação seja garantida, etapa essencial para a venda. 
Venda da primeira unidade
O diretor-presidente da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva, espera sacramentar a primeira venda do cargueiro KC-390 nos próximos três meses. "A sinalização de Portugal é muito positiva. Na quinta-feira da semana passada, o Conselho de Ministros de Portugal aprovou a operação de compra e o primeiro-ministro de Portugal esteve no Brasil no domingo passado. Agora temos 90 dias para negociar o contrato", afirmou o executivo ao jornal O Estado de S. Paulo.

O valor do contrato ainda dependerá das configurações e equipamentos das aeronaves, mas a despeito das questões em aberto a Embraer pode obter acesso privilegiado de seu novo produto à maior aliança militar do mundo, a Otan. "Isso é muito importante porque a entrada na Europa é muito importante. É uma vitrine para o mundo", diz Souza e Silva. Se confirmada a venda a Portugal, ela se somará à encomenda já feita pela Força Aérea Brasileira (FAB), que vai adquirir 28 unidades da aeronave - a primeira delas com previsão de entrega em meados de 2018.

A produção do KC-390 marca o retorno dos altos investimentos da Embraer no mercado militar. Nesse mercado, a empresa tem um best seller mundial, o avião de treinamento EMB 314 Super Tucano. Fabricante da série de aviões comerciais regionais com capacidades entre 70 e 130 assentos, que lhe garantem posição de liderança no mercado e o posto de terceira maior construtora do mundo, atrás de Boeing e Airbus, a companhia brasileira busca agora tomar uma posição no setor de aviação militar de transporte de carga e pessoal, reabastecimento, missões humanitárias e de buscas.
Esse mercado, hoje dominado pelo Hercules, é estimado pela Embraer em US$ 50 bilhões por ano, enquanto a demanda projetada para o KC-390 seria de US$ 1,5 bilhão. 

De Epoca

Smoking Snakes: Game quer mostrar o Brasil na Segunda Guerra Mundial

By on 23.6.17
O Smoking Snakes, jogo que se passará na Segunda Guerra Mundial e contará a história dos 25 mil homens da Força Expedicionária Brasileira (FEB) que foram enviados para o confronto, entrou em processo de financiamento coletivo.
Todo o jogo será baseado em fatos e lugares em que a Força Expedicionária Brasileira esteve. Os mapas do jogo são baseados em fronts de batalha históricos que estão sendo fielmente desenvolvidos pela equipe. Além disso, haverá um sistema exclusivo de mudança de clima, que deixará os combates ainda mais difíceis e únicos.
Em Smoking Snakes, as partidas serão dividas em três modos de jogo e, por meio de um sofisticado sistema de ranqueamento e busca de partidas, os jogadores serão colocados em lobbies específicos dependendo do seu nível de habilidade. Os jogadores poderão entrar no campo de batalha no modo Team Deathmatch, Conquest e Assalto.
 Dênis Fernandes, responsável pelo projeto comentou:
“Acreditamos que a história é viva e, por isso, resolvemos lembrar dos soldados que foram enviados para a Segunda Guerra Mundial, Smoking Snakes não é um jogo/documentário, no entanto, temos como objetivo principal transportar o jogador para dentro de um front de batalha e, para isso, utilizaremos de relatos históricos e fotos da época para criarmos o cenário e a ambientação do jogo. Todo o som emitido pelas armas de será desenvolvido com o maior nível possível de fidelidade”
Dênis explica que a arrecadação de fundos para o desenvolvimento do jogo foi dividida em cinco níveis e, em cada um deles, estão detalhados os custos operacionais.
“Ao todo vamos precisar de R$ 150 mil e montamos uma planilha detalhada de custos para prestar contas aos nossos apoiadores”
As recompensas para quem apoiar a campanha de financiamento coletivo estão divididas em seis níveis diferentes e incluem desde acesso ao alpha até multiplicadores de experiência e armas exclusivas. Caso você queira contribuir com o jogo, basta acessar a página do Kickante.



 Smoking Snakes será um jogo multiplayer FPS que reviverá a história da FEB durante a Segunda Guerra Mundial.

quinta-feira, junho 22, 2017

Top Gun 2: "Estou pronto", avisa Val Kilmer

By on 22.6.17
Val Kilmer, uma das estrelas do primeiro Top Gun, mandou um recado para a produção da vindoura e confirmada sequência em um post no Twitter. Confira:

"Estou pronto, só dizendo...", escreveu Kilmer.
Tom Cruise voltará para reprisar o papel de Maverick e Val Kilmer também espera retornar no papel de Iceman. A continuação deve focar na guerra moderna, onde se utilizam drones. Tony Scott, diretor da produção original, faleceu em setembro de 2012. O produtor Jerry Bruckheimer volta para liderar o projeto.

Do Omelete

A continuação de Top Gun terá a volta de Val Kilmer. No Facebook, o Iceman do filme de 1986 confirmou que foi convidado para Top Gun 2 aceitou. "Não é sempre que se diz 'sim' sem ler o roteiro. É preciso ter Gene Hackman no elenco, Francis Coppola na direção ou Jerry Bruckheimer e Tom Cruise."
Depois, na rede, o ator esclareceu que não estava dizendo que Gene Hackman e Francis Ford Coppola estarão no filme. "Esses foram exemplos. Se você for fazer um filme de ação, deve ter o mais bem sucedido produtor da história de Hollywood [Bruckheimer] e deve ter Tom Cruise junto. Só estou dizendo. Eles me telefonaram e eu disse sim."

Do Omelete

Lembro que em abril, Kilmer afirmou que estava a curado de um tumor cancerigino. (AQUI)

quarta-feira, junho 21, 2017

Ufólogos dizem que óvni em formato de pirâmide sobrevoou o Brasil em junho de 2015

By on 21.6.17
Ufólogos divulgaram um vídeo que seria de um objeto não identificado sobrevoando o céu de Mogi da Cruzes, no interior de São Paulo. A peça, no formato de uma pirâmide de bronze, teria sido filmada com uma câmera e ampliada 60 vezes em 14 de junho. As imagens foram divulgadas pelo site “Ufo Sightings daily”, especializado em notícias a respeito da existência de vida em outros planetas. 

Segundo o jornal inglês “Metro”, o diretor do site, Scott Waring, explicou que essas pirâmides não são novas, e que costumam ser vistas muito regularmente em nosso planeta. “Esta forma de UFO foi gravada antes, no passado. Por exemplo, em 05 de outubro de 1996, em Pelotas, o Brasil registrou uma forma de pirâmide bronze semelhante no céu e até mesmo voou em torno de um avião”, explicou ele.




Do Extra

terça-feira, junho 20, 2017

Alemanha Nazista: STF avalia se atos de guerra não estão imunes à sua jurisdição

By on 20.6.17

Em meio à convulsão política, o STF decidiu analisar a possibilidade do Poder Judiciário se manifestar a respeito de atos de guerra e suas consequências. Trata-se da Repercussão Geral nº 944, originado a partir de caso em que descendentes de mortos em um ataque perpetrado por submarino alemão a um barco brasileiro em 1943 buscam responsabilizar a Alemanha. Nesse contexto, o STF pode vir a considerar que atos de guerra estrangeiros não estão imunes à jurisdição.

Expliquemos um pouco melhor: existia, na doutrina jurídica, até meados do Século XX, uma distinção forte entre atos administrativos e políticos. Os atos políticos decorriam da autoridade constitucional e eram impassíveis de revisão por parte do Poder Judiciário, ao contrário dos atos administrativos.
O constitucionalismo brasileiro se ateve a tal tradição, impedindo que atos políticos fossem revistos. Aos poucos, esta doutrina passou a ser vista como autoritária; um dos últimos vestígios da sua aplicação se deu nos Atos Institucionais, da ditadura militar, que negavam a possibilidade de revisão judicial (inclusive concessão de habeas-corpus) aos atos da chamada “revolução” (que boa parte dos historiadores hoje chama de “golpe”). A Constituição Federal de 1988 prevê possibilidade irrestrita de revisão judicial desde que haja lesão ou ameaça a direito.
De certa forma, porém, a doutrina dos atos políticos sobreviveu, mesmo que tímida. Atos como a indicação de ministros de Estado ou a aprovação de uma lei não se sujeitavam ao controle judicial reservado aos atos administrativos (evidentemente, as leis sujeitam-se ao controle de constitucionalidade). Aos poucos, o Poder Judiciário, provocado, passou a imiscuir-se, mesmo que timidamente, em tais atos (como ficou claro na polêmica envolvendo liminar que negou ao ex-presidente Lula o cargo de ministro).
Agora, o STF ensaia dar um passo adiante na possibilidade de o Poder Judiciário adentrar a seara exclusivamente política. A guerra sempre foi vista como um ato de teor político e de soberania, alheio ao Direito. Aos poucos, felizmente, o cenário foi modificado, mormente depois da Segunda Guerra Mundial. A promulgação da Convenção de Genebra tentou pôr ordem ao caos dos campos de batalha e permitir um mínimo de dignidade aos afetados pelos conflitos, coisa que a anterior convenção de Haia não conseguiu. A formação da ONU tem em sua gênese a tentativa de mediação da comunidade internacional em prol da paz.
No referido tema 944, a primeira instância da Justiça Federal e o Superior Tribunal de Justiça se manifestaram de forma contrária à possibilidade de revisão do Poder Judiciário, alegando que a Alemanha era Estado soberano e que o ato de guerra e suas consequências não são apreciáveis judicialmente. O STF tem oportunidade de mudar tal entendimento, mas a dúvida permanece: como o Poder Judiciário de um país conseguirá, mesmo que se afirme constitucionalmente autorizado a tanto, exercer jurisdição efetiva sobre país estrangeiro?

Do GGN - Por: Luiz Felipe Panelli - O Autor do texto é doutorando em direito e pesquisador do Grupo de Estudos sobre Direito, Estado e Sociedade (GEDES) da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). Atua principalmente nos seguintes temas: direito constitucional, direitos fundamentais e filosofia do direito.

Após abate de Su-22 Sirio por F-18 dos EUA, Russia suspende colaboração e afrma que abaterá caças norte americanos

By on 20.6.17
A Rússia advertiu nesta segunda-feira que serão “considerados alvos” na Síria os aviões da coalizão liderada pelos Estados Unidos que sobrevoarem o oeste do rio Eufrates. Após a derrubada de um caça sírio pela força aérea americana, no domingo, Moscou suspendeu seu canal de comunicação com Washington.
A Rússia oferece apoio militar ao regime sírio de Bashar Assad, enquanto os Estados Unidos lideram uma aliança árabe-curda e os rebeldes sírios. Um canal de comunicação entre os dois países foi estabelecido em outubro de 2015 para prevenir colisões entre as diferentes forças que operam no espaço aéreo sírio.

Nesse domingo, no entanto, um caça americano F-18 derrubou um Sukhoi Su-22 do exército sírio, que, segundo o Pentágono, bombardeava as forças apoiadas pelos Estados Unidos e que lutam contra o grupo Estado Islâmico (EI) no norte da Síria. Foi o primeiro ataque da força aérea americana a outra aeronave militar desde a participação na guerra do Kosovo, em 1999.
A Síria declarou que o caça foi abatido quando realizava “uma missão contra o EI” e chamou o ato de “flagrante agressão”, que teria “repercussões perigosas”.
O ministério da Defesa russo acusou os EUA de não utilizar o canal de comunicação com Moscou antes de derrubar o avião sírio perto de Raqqa. “Devemos considerar este ataque como uma continuação da política americana que procura ignorar as regras do direito internacional”, declarou o ministro russo das Relações Exteriores, Vice Serguei Riabkov, citado pela agência oficial de notícias TASS. “Se não é um ato de agressão, o que é então?”, questionou. “Se querem saber, é uma ajuda aos terroristas contra os quais os Estados Unidos afirmam conduzir uma política antiterrorista”, disse Ryabkov.
Segundo o ministério da Defesa da Rússia, as aeronaves da coalizão internacional “serão seguidos pelos instrumentos aéreos e terrestres de defesa antiaérea russa e considerados como alvos”.

De Veja


 A Rússia diz que tratará os aviões de coalizão liderados pelos EUA na Síria, a oeste do Eufrates, como alvos após o ataque de Siria, depois de um F / A-18 americano ter derrubado um Su-22 sírio que caiu bombas perto de forças apoiadas pelos EUA.

O Ministério da Defesa da Rússia também diz que está suspendendo a coordenação com os Estados Unidos na Síria sobre as chamadas "zonas de conflito" depois que os americanos derrubaram um avião de combate do governo sírio.

Os Estados Unidos e a Rússia, que vem fornecendo uma cobertura aérea para o presidente da Síria, Bashar Assad desde 2015 em sua ofensiva contra o grupo do Estado islâmico, têm um acordo permanente que deve prevenir incidentes no ar que envolvem jatos dos EUA e da Rússia envolvidos em operações Na Síria.

O Ministério da Defesa da Rússia disse em um comunicado na segunda-feira que estava suspendendo o acordo depois que os militares dos EUA confirmaram que derrubou um avião de combate da Força aérea síria no domingo, depois que deixou cair bombas perto de forças parceiras dos EUA.

O ministério diz que vê o incidente como o "fracasso deliberado de Washington em cumprir seus compromissos" no âmbito do acordo de conflito.

Facebook usa inteligência artificial no combate ao terrorismo; entenda

By on 20.6.17
O Facebook decidiu ser mais transparente sobre como lida com "questões complexas". Textos serão publicados para esclarecer aos usuários como a rede social age e se posiciona diante de temas complicados. O terrorismo é o assunto do primeiro post no blog da plataforma (br.newsroom.fb.com/news) e a Inteligência Artificial (IA) é uma das ferramentas usadas para combatê-lo. O Facebook afirma que as mídias sociais não podem dar voz a terroristas e, para isso, também conta com pessoas trabalhando na revisão dos conteúdos compartilhados na comunidade e parcerias externas.


De acordo com Monika Bickert, diretora global de Políticas de Conteúdo, e Brian Fishman, gerente de Políticas Contra Terrorismo, a posição do Facebook é simples e direta: ''não há espaço para terrorismo. Nós removemos terroristas e posts que apoiam o terrorismo assim que ficamos cientes deles. Quando recebemos denúncias de potenciais posts sobre terrorismo, nós os revisamos com urgência. E nos raros casos em que identificamos evidências de uma eminente ameaça, nós informamos as autoridades na mesma hora''.

Inteligência Artificial no combate ao terrorismo

Segundo os porta-vozes, o Facebook usa Inteligência Artificial para interromper o compartilhamento de publicações com conteúdo terrorista. Embora o uso da tecnologia seja recente, o recurso está mudando a forma como são eliminadas as propagandas e os perfis com esse caráter na rede social. Alguns esforços tecnológicos têm foco em organizações como o ISIS e a Al Qaeda: o Facebook usa identificação de imagens, interpretação de textos, remoção de conteúdo a partir da análise de comportamento, reincidência e colaboração multi-plataformas. Entenda melhor cada tópico:
Identificação de imagens
Quando o usuário tenta fazer um post com uma imagem ou vídeo, o sistema os compara com outras mídias previamente bloqueadas na rede social por abrangerem conteúdo vinculado a atividade terrorista. Se a plataforma já apagou um vídeo sobre a Al Qaeda, é possível impedir que essa mídia seja publicada novamente.
Interpretação de textos
No caso de interpretação de textos, também são usados posts previamente removidos por promover ou apoiar organizações como a Al Qaeda. O algoritmo, que está em fase inicial de aprendizagem, é capaz de detectar os sinais de uma mensagem terrorista.
Remoção por comportamento
De acordo com estudos do Facebook, terroristas tendem ao radicalismo e à ação em grupos. Esse comportamento costuma ser refletido no mundo virtual. Dessa forma, quando são identificadas páginas, grupos, posts ou perfis com conteúdo suspeito, algoritmos são usados para identificar material relacionado. Ou seja, se uma conta pessoal tem muitos amigos cujos perfis foram desativados por terrorismo, há uma grande chance de o dono do perfil estar ligado a esse tipo de atividade.
Reincidência
Com o uso da Inteligência Artificial, o processo para identificar contas falsas reincidentes ficou muito mais ágil. Com isso, é reduzido cada vez mais o período de tempo em que o perfil pessoal de um terrorista fica ativo.
Colaboração multi-plataformas
Além de impedir que mensagens de cunho terrorista se espalhem no próprio site, o Facebook começou a trabalhar em sistemas para impedir o compartilhamento desse tipo de conteúdo em todas as suas plataformas, incluindo WhatsApp e Instagram.

Expertise humana e parcerias

A rede social, porém, não dispensa a inteligência humana nesse combate. Segundo a plataforma, a Inteligência Artificial e os algoritmos ainda não superam a capacidade de pessoas na hora de compreender um contexto. O Facebook conta com as denúcias desses conteúdos feitas por usuários e com uma equipe de três mil revisores para avaliar esses posts. Além de um time de mais de 150 especialistas, como ex-procuradores e ex-agentes policiais, focados apenas nessa questão.
Para manter o terrorismo fora, não somente do Facebook, mas também de outras plataformas, foram feitas parcerias com diferentes empresas (como Microsoft, Twitter e YouTube), pesquisadores e governos. 


Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts