GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

quinta-feira, abril 14, 2016

Mensagem subliminar: PSTU fez análise precisa de "Capitão América 3", dizem diretores do filme

By on 14.4.16


Poderia ser uma brincadeira, mas não é. Algumas semanas atrás, o PSTU publicou um artigo na página do partido fazendo uma análise sobre o filme "Capitão América: Guerra Civil". E tanto não é brincadeira que os diretores do filme leram o texto e têm até opinião sobre ele.
A análise do PSTU sobre os conflitos do novo longa do Capitão América, que estreia no próximo dia 28, é "bastante precisa", disseram em entrevista ao UOL Joe e Anthony Russo, que também estão acompanhando a crise política do Brasil e usaram muito do que viram sobre o país pela CNN como inspiração para a história que coloca o personagem título e o Homem de Ferro em conflito.
O autor do texto publicado pelo PSTU, Fred Bruno, diz que Capitão América e Homem de Ferro representam, sob prismas diferentes, "saídas burguesas" [para os problemas mundiais] e que "a coisa coerente a se dizer ante essa polarização é que ela não nos representa, e que as empresas de Tony Stark deveriam ser estatizadas sob o controle de seus trabalhadores e que o Capitão deveria ser preso pelas centenas de mortes causadas pelas ocupações norte-americanas que ele apoiou e participou, direta ou indiretamente. Fora todos eles".
"Amamos a ideia de que este tipo de filme funcionem como parábolas para a nossa existência", diz Anthony Russo. "Sabemos que há muita ansiedade pela situação atual do mundo, seja em termos de política, violência ou guerra, e sempre queremos canalizar esse tipo de debate para a história. E embora nosso mundo seja totalmente ficcional, estes temas são os temas que estamos debatendo no filme", completa o codiretor, que esteve no Brasil em dezembro passado e pode ter uma ideia do que se passa no país atualmente.
E enquanto muita gente por aqui não levou a sério o artigo do PSTU, Joe Russo, o outro diretor acredita que ele está alinhando com a discussão que o filme levanta. "O espírito por trás do artigo é muito preciso, é bom ressaltar, e está totalmente alinhado com a discussão que o filme traz: Quanto poder é poder demais? Quais as responsabilidades que os poderosos têm? Quem deveria controlar o poder? Certamente questiona as controvérsias que têm permeado o debate eleitoral deste ano aqui neste país [EUA], que têm revelado pessoas violentas em ambos os lados, com pontos de vista extremos. Então, o filme reflete nossas ansiedades e fizemos questão de politizar o filme de forma a torná-lo mais atrativo ao público."
Anthony continua: "Eu acho que eles [o PSTU] descreveram o conflito dos personagens muito bem. Se fôssemos descrever com nossas palavras qual é o conflito central do filme seria: Os Vingadores e o Homem de Ferro têm o direito de ter tamanho poder sem se sujeitar a um governo e ao povo que o elege? E a questão feita ao Capitão América no filme é: As pessoas têm a liberdade individual para fazer o que querem sem que o governo interfira? Este é o conflito trágico deste filme."
Questionados sobre qual lado da batalha cada um escolheria, os irmãos Russo disseram que não podem escolher um lado porque obviamente seu trabalho desde o começo não era esse. "Nosso trabalho é fazer com que ambos os lados sejam ouvidos e que ambos os argumentos sejam considerado."
Sobre como a crise política brasileira os inspirou para o filme, os Russo dizem que "têm acompanhado o conflito desde que começaram as filmagens".
"Ele [Anthony] foi ao Brasil e temos mantido muitas anotações nos sets de filmagem, porque o que está acontecendo lá é muito semelhante com o que está acontecendo aqui [em termos de política]. Lemos muita notícia. Vemos vídeos da CNN e do Huffington Post sobre o assunto. É interessante porque mostra que o mundo está se radicalizando dos dois lados."

Do UOL 


0 comentários:

Frases

Popular Posts

Postagens mais visitadas

Popular Posts