Papel do Brasil no processo de paz está em apoiar os 'árabes moderados', diz Israel - HANGAR DO VINNA

Breaking

GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

BANNER 728X90

domingo, agosto 22, 2010

Papel do Brasil no processo de paz está em apoiar os 'árabes moderados', diz Israel

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/f/f5/Playing_card_club_2.svg/200px-Playing_card_club_2.svg.png
O papel que cabe ao Brasil nos processos de negociação da convivência no Oriente Médio está em apoiar os setores árabes “moderados” para favorecer o clima de diálogo, afirmou ao UOL Notícias o embaixador israelense no Brasil, Giora Becher.

O diplomata explicou que a questão da paz entre as diversas forças na região é um tema que esteve presente nas visitas feitas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo chanceler Celso Amorim a Israel.

“A posição nossa [de Israel] é que Brasil tem um papel importante em apoiar países moderados do mundo árabe”, afirmou Becher. “Brasil é um país amigo de Israel, mas também amigo dos palestinos. É muito importante que o presidente Lula e o chanceler Amorim dialoguem com os palestinos para dar impulso aos setores da sociedade palestina que querem conviver com o Estado de Israel”.

De acordo com o embaixador, os setores “moderados” aos quais ele se refere são “os países que aceitam o conceito de paz” e “que aceitam a existência de um país como Israel” no Oriente Médio.

Nesta sexta-feira, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, convidou o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, a uma reunião no dia 2 de setembro para relançar o diálogo direto de paz, suspenso desde a ofensiva militar israelense em Gaza, no final de 2008.

Pouco depois do convite dos EUA, o Quarteto para a Paz no Oriente Médio emitiu um comunicado apoiando as negociações e um acordo que termine com a "ocupação" que começou em 1967 e resulte na proclamação de um Estado palestino independente, democrático e viável, que conviva em paz e segurança com Israel e seus outros vizinhos.

Netanyahu aceitou imediatamente o convite dos EUA e explicou que negociará “com o desejo genuíno de alcançar a paz entre os dois povos”, ponderando que preservaria “os interesses nacionais de Israel, sendo o principal deles sua segurança".

Yasser Abed Rabbo, representante da Organização da Libertação da Palestina (OLP) também anunciou aceitar o convite americano, após a reunião do Comitê Executivo, em Ramallah, na Cisjordânia.

O embaixador Becher comemorou os avanços. “Não é fácil para Israel e não é fácil para os palestinos”, afirmou o embaixador. “Mas acreditamos que não temos outro caminho. Caminho de guerra, caminho de conflito militar não é caminho que resulte em algo positivo”.




Fonte: Uol Noticias

Nenhum comentário:

Sponsor

AD BANNER



Os Indianos vão acabar voltando atrás e comprando o Gripen NG