ILHAS SPRATLY – A TETRADISPUTA NO MAR DA CHINA MERIDIONAL - HANGAR DO VINNA

Breaking

GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

quarta-feira, outubro 10, 2018

ILHAS SPRATLY – A TETRADISPUTA NO MAR DA CHINA MERIDIONAL

As Ilhas Spratly, que aparecem assinaladas ao centro no mapa acima, constituem um conjunto disperso de afloramentos de terra de características e tamanhos distintos (ilhas, atóis, ilhéus e recifes) que se dispersam por mais de 400.000 km² no centro do Mar da China Meridional. Sendo muitos (mais de 750), nenhum dos afloramentos é muito extenso, e a área somada de todos eles nem chega a atingir os 5 km². Por isso, também não existe população indígena. Mas constituem um dos locais mais disputados da actualidade: chineses, filipinos, malaios e vietnamitas cobiçam-nas, para elencar (e por ordem alfabética...) apenas os quatro pretendentes mais sérios. A localização das ilhas explica geograficamente o porquê das pretensões de malaios (linha vermelha) e filipinos (linha amarela), enquanto as de vietnamitas (a verde) e chineses (cor de laranja) necessitam de explicações históricas adicionais…
Paradoxalmente, são as candidaturas mais complexas destes dois últimos países que são as mais eloquentes no terreno, conforme se constata pelo mapa acima, onde se assinala com bandeiras nacionais cada uma das guarnições militares estacionadas na região: a paisagem é dominada por bandeiras vermelhas com estrelas amarelas. Por detrás de tanto entusiasmo pelas Ilhas Spratly apontam-se três razões: a importância económica dos seus bancos de pesca; a importância estratégica do tráfego marítimo que as atravessa; a importância estratégica e económica das jazidas de hidrocarbonetos que eventualmente ali existirão. Episódios violentos envolvendo militares dos países em litígio têm sido discretos e contidos mas já se morreu pelas Ilhas Spratly. E, para os autores de ficção, as Spratly já serviram como uma espécie de estopim – ao estilo balcânico – de uma futura confrontação mundial.
Em 1996, Tom Clancy publicou – com um co-autor que deve ter feito a maior parte do trabalho… – um livro intitulado SSN (acima). SSN trata-se da sigla norte-americana para designar um submarino de ataque propulsionado a energia nuclear e o enredo do livro é uma colagem de episódios em que um desses submarinos (o USS Cheyenne) se engaja em vários combates contra variados submarinos chineses (todos de concepção soviética: classes Kilo, Alfa, Akula) num encadeamento repetitivo de sucessos (e afundamentos...) que apenas torna a narrativa enjoativa. O enquadramento que justificava o conflito era uma disputa que não era muito bem explicada a pretexto das Ilhas Spratly. Como se fosse sagaz (e plausível) que a China se dispusesse a defrontar frontalmente os Estados Unidos em 1996, ainda por cima nos terrenos da qualidade do hardware naval…

Nenhum comentário:

Sponsor

AD BANNER



Os Indianos vão acabar voltando atrás e comprando o Gripen NG

Videos Recomendados

Acidente do 737 MAX Lion Air:




Drones Para Uso policial



Abate de Avião Russo incrementa a tensão na Siria






A MELHOR HISTÓRIA DE AVIAÇÃO DE TODOS OS TEMPOS


BANNER 728X90