China arma países africanos sob embargo, diz ONU - HANGAR DO VINNA

Breaking

GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

BANNER 728X90

domingo, setembro 23, 2012

China arma países africanos sob embargo, diz ONU

Relatórios internos da ONU apontam que arsenais chineses começam a ser encontrados em países africanos proibidos de importar armas em razão de embargos impostos pela organização. O resultado da investigação vai na linha de outro levantamento, feito pela Instituto de Pesquisa de Paz Internacional de Estocolmo, segundo o qual a China domina 25% do mercado de armas na África. Há apenas 15 anos, essa taxa era de apenas 3%. 

Barato, o armamento chinês está inundando a região, um fator decisivo para colocar a China no posto de sexto maior exportador de pistolas e fuzis do mundo. (na foto ao lado um Chengdu J-7 do Zimbabue fornecido pela China - cópia chinesa do MiG-21 Sovietico)

A investigação da ONU foi conduzida durante dois anos em áreas como República Democrática do Congo, Somália, Sudão e Costa do Marfim. O documento seria publicado neste mês, mas por pressão de Pequim a ONU resolveu engavetá-lo. Nele, países como Rússia e Ucrânia também são citados. Nas últimas semanas, cópias desse documento vazaram, enfurecendo a diplomacia chinesa. Uma cópia, vista pelo Estado, relata como grupos têm obtido munição e armas de fornecedores da China. 

Dez anos depois de estabelecer a África como uma de suas prioridades, a China transformou o mapa do continente africano e passou a ser o principal parceiro econômico dos africanos, superando as ex-potências coloniais. 

Cerca de 800 mil chineses vivem no continente. Pequim lançou o primeiro satélite nigeriano, construiu os novos prédios da administração pública na Argélia, terminou a estrada que Ossama bin Laden tinha começado no Sudão antes de fugir para o Afeganistão, construiu mais de cem escolas pela África, financiou até mesmo prisões e mais de 50 estádios de futebol. (na foto ao lado um Chengdu J-7 fornecido pela China - cópia chinesa do MiG-21 Sovietico)

O continente é visto pelos chineses como o trampolim para permitir que a China, segunda economia do mundo, tenha acesso a recursos naturais, alimentos e energia para manter o ritmo de crescimento nas próximas décadas e eventualmente superar a economia americana. 

A China, que acredita que, em 20 anos, se abastecerá de 50% de sua energia do continente africano. Em 2011, o fluxo comercial entre a China e a África superou a marca de US$ 100 bilhões, dez vezes mais que em 2001. (na foto ao lado cinco Chengdu J-7 da Tanzania fornecidos pela China - cópia chinesa do MiG-21 Sovietico)

 O movimento é semelhante ao dos americanos na marcha para o oeste, que promoveu a transformação econômica e produtiva dos EUA e deu acesso a novas fontes de recursos naturais há mais de um século. Num "safári" sem precedentes, a China rompeu monopólios europeus nos países africanos, injetou novo crescimento nas economias da região e abriu uma nova lógica na África.

A revelação da ONU dá sinais de que o envolvimento chinês na região iria bem além de relações comerciais sem implicações políticas, uma espécie de diferencial apresentado pelos chineses em relação a EUA e Europa. Pelo menos 16 países receberam armas da China, o que tornou o país asiático o maior fornecedor para a região. A ONU hoje adota embargos de armas contra sete países africanos.

O caso do Sudão é um dos mais claros. O país em si não está sujeito a um embargo. (na foto ao lado um Chengdu J-7 do Sudão fornecido pela China - cópia chinesa do MiG-21 Sovietico)

Mas a região de Darfur, sim. Segundo a investigação, as armas chinesas entram por Cartum e vão para Darfur, driblando a proibição. Em maio de 2011, especialistas da ONU visitaram a cidade de Tukumare, em Darfur. O local havia sido palco de uma intensa luta entre rebeldes e governo. Lá, encontraram munição e armas fabricadas na China com data de 2010.

O embargo internacional começou a vigorar em 2005. 

Poucos meses depois, a ONU encontraria fuzis chineses com piratas na costa da Somália. Na República Democrática do Congo, outro país sob embargo, também foram encontradas armas chinesas. (na foto ao lado um Chengdu J-7 do Congo fornecido pela China - cópia chinesa do MiG-21 Sovietico)

Ao saber do conteúdo do documento, a China vetou a publicação do relatório e negou um novo mandato ao alemão Holger Anders, um dos investigadores. Em uma outra manobra, os chineses tentaram limitar o orçamento destinado a esse tipo de investigação dentro da ONU. 

http://2.bp.blogspot.com/_AxCuBauiBF0/Shax5gJLNvI/AAAAAAAACJo/r-c6dCfgJ7c/s400/K-8_Zambia_AF-824.jpg
Durante as investigações, funcionários das Nações Unidas envolvidos no projeto disseram ao Estado, em caráter de anonimato, que a China recusou-se a fornecer informações quando os investigadores apresentaram provas da existência das armas e quiseram saber qual era a empresa que as fabricava. (Outro avião chinês o K-8 Kararorum da nas cores da Zambia).

Fonte: Estadão

Nenhum comentário:

Sponsor

AD BANNER



Os Indianos vão acabar voltando atrás e comprando o Gripen NG

Videos Recomendados

Marado, o novo "porta-aviões disfarçado" da Coreia do Sul




Super Cobra para o Brasil?






A MELHOR HISTÓRIA DE AVIAÇÃO DE TODOS OS TEMPOS