Israel demonstrou a letalidade do F-35 em combate - HANGAR DO VINNA

Breaking

GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

quarta-feira, maio 23, 2018

Israel demonstrou a letalidade do F-35 em combate

Israel utilizou, pela primeira vez, seus caças F-35 em operações de combate, tornando-se o primeiro país a testar o poderio de fogo desses bombardeiros "invisíveis", anunciou o comandante da Força Aérea israelense nesta terça-feira (22).
Joias de tecnologia, os F-35 são apresentados por Israel como uma das respostas à "ameaça" do Irã, porque são capazes de passar despercebidos pelos mísseis S-300 entregues ao Irã pela Rússia.
Os "Adir" ("fortes"), nome dos F-35 em hebraico, "estão operacionais e já participam das missões de combate", declarou o general Amikam Norkin em uma conferência em Herzliya (centro).
"Nós realizamos o primeiro ataque no mundo com um F-35", acrescentou ele.
"Nós atacamos duas vezes no Oriente Médio usando o F-35, somos os primeiros no mundo a fazer isso", ressaltou, de acordo com declarações citadas no site da Força Aérea. Ele não forneceu mais detalhes.
Nos últimos anos, Israel informou ter atingido dezenas de alvos na vizinha Síria: posições do Exército do regime de Bashar al-Assad, comboios de armas destinadas ao Hezbollah libanês e, mais recentemente, instalações e equipamentos iranianos.
Israel, conhecido por ter o Exército mais poderoso da região, recebeu no final de 2016 seus primeiros F-35, a fim de ajudar a manter sua superioridade militar em uma região onde há muitos inimigos.
No total, o Estado de Israel deve receber nos próximos anos 50 exemplares deste caça construído pelo grupo americano Lockheed Martin. O governo anunciou em dezembro que seus primeiros "Adir" já estavam operacionais. 

  

Recentes ataques

Em 10 de maio, o Exército israelense atingiu o que apresentou como dezenas de alvos militares iranianos na Síria, em retaliação ao suposto disparo por forças iranianas de foguetes contra suas posições nas Colinas de Golã, ocupada e anexada por Israel.
Vinte e sete combatentes pró-regime sírio foram mortos, incluindo pelo menos 11 iranianos, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).
Esta operação provocou grande preocupação internacional quanto ao risco de um confronto aberto entre Israel e Irã.
Em 10 de maio, os iranianos lançaram 32 foguetes, segundo o general Norkin, enquanto o Exército israelense relatou até 20 projéteis.
"Nós interceptamos quatro, o resto caiu fora do território israelense", disse o oficial aos comandantes de aviação de mais de 20 países. "Em seguida, atacamos dezenas de alvos iranianos na Síria", completou.
Mais de 100 mísseis terra-ar foram disparados contra aviões israelenses durante a operação, disse ele. Todos os aviões israelenses retornaram intactos à sua base, segundo o Exército. 

Do G1



Israel afirma ter usado pela primeira vez caças F-35

Israel utilizou, pela primeira vez, seus caças F-35 em operações de combate, tornando-se o primeiro país a testar o poderio de fogo desses bombardeiros "invisíveis" - anunciou o comandante da Força Aérea israelense nesta terça-feira (22).

Os "Adir" ("fortes"), nome dos F-35 em hebraico, "estão operacionais e já participam das missões de combate", declarou o general Amikam Norkin em uma conferência em Herzliya (centro).

"Nós realizamos o primeiro ataque no mundo com um F-35", acrescentou ele.

"Nós atacamos duas vezes no Oriente Médio usando o F-35, somos os primeiros no mundo a fazer isso", ressaltou, de acordo com declarações citadas no site da Força Aérea. Ele não forneceu mais detalhes.

Nos últimos anos, Israel informou ter atingido dezenas de alvos na vizinha Síria: posições do Exército do regime de Bashar al-Assad, comboios de armas destinadas ao Hezbollah libanês e, mais recentemente, instalações e equipamentos iranianos.

Israel, conhecido por ter o Exército mais poderoso da região, recebeu no final de 2016 seus primeiros F-35, a fim de ajudar a manter sua superioridade militar em uma região onde há muitos inimigos.

No total, o Estado de Israel deve receber nos próximos anos 50 exemplares deste caça construído pelo grupo americano Lockheed Martin. O governo anunciou em dezembro que seus primeiros "Adir" já estavam operacionais.

Em 10 de maio, o Exército israelense atingiu o que apresentou como dezenas de alvos militares iranianos na Síria, em retaliação ao suposto disparo por forças iranianas de foguetes contra suas posições nas Colinas de Golã, ocupada e anexada por Israel.

Vinte e sete combatentes pró-regime sírio foram mortos, incluindo pelo menos 11 iranianos, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Esta operação provocou grande preocupação internacional quanto ao risco de um confronto aberto entre Israel e Irã.

Em 10 de maio, os iranianos lançaram 32 foguetes, segundo o general Norkin, enquanto o Exército israelense relatou até 20 projéteis.

"Nós interceptamos quatro, o resto caiu fora do território israelense", disse o oficial aos comandantes de aviação de mais de 20 países.

"Em seguida, atacamos dezenas de alvos iranianos na Síria", completou.

Mais de 100 mísseis terra-ar foram disparados contra aviões israelenses durante a operação, disse ele. Todos os aviões israelenses retornaram intactos à sua base, segundo o Exército.

Joias de tecnologia, os F-35 são apresentados por Israel como uma das respostas à "ameaça" do Irã, porque são capazes de passar despercebidos pelos mísseis S-300 entregues ao Irã pela Rússia.

Do UOL

Nenhum comentário:

Sponsor

AD BANNER



Os Indianos vão acabar voltando atrás e comprando o Gripen NG

Videos Recomendados

Acidente do 737 MAX Lion Air:




Drones Para Uso policial



Abate de Avião Russo incrementa a tensão na Siria






A MELHOR HISTÓRIA DE AVIAÇÃO DE TODOS OS TEMPOS


BANNER 728X90