EXCLUSIVO para a Revista Asas: Roberto Godoy comenta sobre o programa PAK-FA - HANGAR DO VINNA

Breaking

GeoEstratégia, Aviação, Defesa, História, Conflitos, dentre outras coisas...

quinta-feira, maio 01, 2008

EXCLUSIVO para a Revista Asas: Roberto Godoy comenta sobre o programa PAK-FA

Fonte: Revista Asas

Fomos conversar com um dos maiores especialistas na aérea de defesa da imprensa brasileira, Roberto Godoy, que escreve para o jornal O Estado de São Paulo, para comentar sobre a assinatura do Memorando de Entendimento entre o Brasil e a Rússia, para o desenvolvimento em conjunto do caça supersônico multifuncional de 5ª Geração PAK-FA. Na minha opinião, o objetivo final do acordo, que é a produção de um super caça trinacional de 5ª geração não vai dar certo. Por que? Fundamentalmente porque a Força Aérea Brasileira não possui a cultura de emprego de produtos do Leste Europeu - principalmente russos. Isso implica uma refundamentação de conceitos e sistemas. Mais: por qualquer viés que você olhe, não é factível - e basta olhar para a questão financeira. Um caso concreto: o bombardeiro leve AMX, por exemplo, foi um projeto binacional (Brasil e Itália) do início dos anos 1980. O Brasil, naquele momento, investiu entre US$ 2 e US$ 4 bilhões. Foram produzidos poucos exemplares desse jato de ataque -- que possui características muito boas mas não vingou por ter chegado num momento desfavorável ao mercado internacional -- mas o envolvimento da indústria no programa gerou frutos reais, tecnologias que foram absorvidas pela Embraer permitindo à empresa desenvolver os aviões com os quais, hoje, domina o mercado das aeronaves destinadas a linhas regionais. Clique para ampliar... Ora, na década de 1980, o Grumman F-14 Tomcat era o que havia de mais moderno no Ocidente e seu preço unitário era de aproximadamente US$ 22 milhões, numa época que os demais caças custavam em torno de US$ 16 milhões. Seus sistemas eram tão modernos que sobre ele pesava um veto do governo americano a exportações -- exceção feita ao Irã, ainda monárquico, que recebeu o caça por conta de interesses políticos norte-americanos. Hoje, o Lockheed/Boeing F-22 custa US$ 225 milhões (sendo que o custo total programa foi de US$ 62 bilhões). Pela lógica e analogia de todos os casos citados, eu não acredito que o projeto do PAK-FA vá custar apenas US$ 20 bilhões divididos entre o Brasil, Índia e Rússia. E mesmo que o cronograma anunciado pelo bureau Sukhoi seja mantido (primeiro vôo em 2009/2010, primeiras entregas em 2014/2015) esse ritmo não atende as necessidades brasileiras. Quando é que começariam a ser recebidos os lotes da FAB? Com certeza não antes de 2018/2020.

2 comentários:

anonymator disse...

Por isso mesmo o Brasil deve aceitar a oferta da SAAB e participar do projeto Gripen NG, gastando muito menos e com os caças (não são também de quinta geração?)sendo entregues mais cedo. Além de a EMBRAER ter, do mesmo modo, a tal tecnologia para construção de supersônicos.Ei, Vinna, gostei do seu blog (encontrei pelo Google)! Boas notícias! Um abraço.

Wislley costa disse...

muito bom o seu blog amigo!!gostei dessa noticia,eu não tinha conhecimento que a FAB estava dessenvolvendo esse projeto com os russos!!!parabéns pelo blog amigo vou passar a seguir suas postagens!!!vlw!!

Sponsor

AD BANNER



Os Indianos vão acabar voltando atrás e comprando o Gripen NG

Videos Recomendados

Acidente do 737 MAX


Drones Para Uso policial



Abate de Avião Russo incrementa a tensão na Siria






A MELHOR HISTÓRIA DE AVIAÇÃO DE TODOS OS TEMPOS


BANNER 728X90