Os Indianos vão acabar voltando atrás e comprando o Gripen NG

A poucas horas do encerramento da missão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na Líbia, o novo governo do país anunciou seu primeiro-ministro interino. Abdel-Rahim al-Keeb, um acadêmico especializado em engenharia elétrica de Trípoli, foi escolhido pelos membros do Conselho Nacional de Transição (CNT) líbio numa eleição que contou com a presença de jornalistas estrangeiros. Eleito por um voto de diferença - 26 a favor e 25 contra -, Keeb substitui Mahmoud Jibril no posto e deve nomear seu Gabinete nos próximos dias.

O CNT quer que um Congresso Nacional seja eleito em oito meses, e que as eleições multipartidárias sejam realizadas em 2013. O governo interino vai governar a Líbia até o pleito.

A segunda-feira também será de mudanças no campo militar. Sete meses depois de bombardear Benghazi no início da ofensiva contra as forças de Muamar Kadafi, Otan encerra à meia-noite a missão que ajudou a dar fim aos 42 anos do regime. Anunciado na semana passada, o término das operações desagradou o governo interino líbio, que pedia ações internacionais até o fim do ano. Diante do fim da ajuda militar, o CNT líbio acelera agora a formação de um novo Exército.

ORGULHO: 'Capturei o maior terrorista depois de Bin Laden', diz jovem que achou Kadafi

Desde 19 de março, quando a Otan começou a agir amparada por uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, as mais de duas mil ações aéreas, o patrulhamento da costa, e o envio de assessores militares franceses, britânicos e italianos ajudaram a impedir que a revolta popular contra Kadafi fosse sufocada pela resistência de suas forças. Mas, embora tenham pedido a prorrogação das operações da Otan, os líbios acreditam que os kadafistas remanescentes no país não representam um perigo para o novo governo do país.

- Devemos ter cautela. Preferiríamos que a Otan permanecesse até o fim do ano, mas não acreditamos que seja possível um contra-ataque dos fiéis ao antigo regime. Cada dia estamos mais fortes - diz ao jornal "El País" Mohamed Alí bin Kura, porta-voz militar de Zauiya.

A formação de um novo governo interino e de um Exército que substitua as milícias que ajudaram a derrubar o ditador são as prioridades dos atuais governantes líbios. Segundo o "El País", coronel Bashir el Neiri, um dos oficiais que combateu em Misurata, explica que o procedimento de formação do Exército tem base local.

- O conselho militar de cada cidade está escolhendo seus representantes, que irão a Benghazi na próxima semana para estabelecer a nova hierarquia militar e escolher seus chefes - diz Neiri.

Fonte: O Globo

As unidades militares sublevadas e as forças rebeldes se unirão para criar um novo Exército Nacional líbio cuja missão será garantir a segurança do país, anunciou ontem o general Omar al Hariri, integrante da equipe de crise do Conselho Nacional de Transição (CNT). Em entrevista coletiva concedida no hotel Radisson, em Tripoli, o militar pediu paciência aos líbios e prometeu que “em um breve espaço de tempo” haverá novos soldados profissionais nas ruas.

“Não existe diferença alguma entre as forças rebeldes e o Exército Nacional. Grande parte do Exército esteve com os rebeldes desde o princípio. Todos lutaram no mesmo grupo e agora seguirão unidos”, afirmou o general.

“O objetivo agora é criar um novo Exército Nacional com todas as forças para garantir a segurança do país, a constituição da democracia e o respeito dos direitos humanos da nova Líbia”, acrescentou. Al Hariri disse também que o antigo homem forte da Líbia, Muammar Gaddafi, debilitou o Exército Nacional criando diferentes unidades para sua própria defesa e para a defesa de sua família e marginalizando outras, em particular as do Leste do país.

“Estou aqui para dizer-lhes que o Exército Nacional existe e muito em breve estará outra vez em todas as ruas do país”, declarou o militar, que, no entanto, admitiu que, apesar da grande quantidade de voluntários de todas as idades que se somaram à revolta, as novas Forças Armadas líbias carecem ainda do nível de profissionalismo necessário.”Precisamos de tempo. Já não somos um país de 60 anos, somos um país de zero anos que tem que crescer. Nos últimos seis meses, veio muita gente, e trabalhamos para formá-los e em muito pouco tempo haverá novos soldados na rua”, afirmou. Sobre isso, Al Hariri detalhou que nem todas as forças rebeldes serão integradas no Exército, mas que o objetivo é atrair profissionais especializados.

O general falou sobre as Forças Armadas líbias no ato de apresentação da denominada Equipe de Emergência de Crise do CNT, liderado por oito membros provenientes de diferentes cidades do país. Segundo o comunicado, o objetivo da equipe é facilitar as condições de segurança e a logística da futura mudança do CNT de Bengazi para Tripoli, que poderá ocorrer nas próximas semanas. “Prometemos perante Deus que o sangue derramado de nossos mártires e a detenção de nossos presos não foram em vão. A futura líbia será constitucional, com sociedade civil e respeito à lei e aos direitos humanos”, disse por sua vez o diretor da equipe, Abdul Razaq Mukhtar.

Forças armadas serão integradas por rebeldes, segundo o general do CNT

Fonte: Folha PE

XB-70 Valkyrie: Colisão no ar sobre o Deserto de Mojave




MOP: A bomba destinada a “furar” literalmente as defesas iranianas



FAB Testa motor do VLS




Líbia investiga suposto abuso sexual contra Kadafi antes de sua morte


Com excelente desempenho e sucesso no mercado executivo, o helicóptero EC130 alcança novos mercados e se consolida como uma opção para utilização policial, com destaque para as missões de resgate aeromédico e defesa civil.
O monoturbina, que pode ser configurado para receber um exclusivo kit aeromédico desenvolvido pelo Centro de Engenharia da Helibras, se destaca também por ser leve, versátil e silencioso e vem sendo utilizado para missões de policia e bombeiros, como no Paraná, onde a Secretaria de Segurança Pública acaba de receber a segunda aeronave deste modelo para integrar sua frota.

O operador do helicóptero, Tenente Coronel Orlando Artur da Costa, Comandante do GRAER, Grupamento Aeropolicial-Resgate Aéreo, da Polícia Militar do Paraná, salienta as qualidades do modelo. “A maior vantagem operacional do EC130 comparando-se às demais aeronaves na atividade de Segurança, é a possibilidade de se manter nas missões uma tripulação mínima de 2 pilotos e 1 ou mais tripulante operacional, o que gera maior segurança e precisão nos trabalhos”, explicou.
Além da maior segurança na operação, este modelo conta com um kit nacional, desenvolvido pela Helibras para missões de resgate aeromédico, instalado no sentido longitudinal para comportar um paciente em maca e até dois assistentes ou médicos; o que permite uma maior movimentação da equipe na cabine provendo assistência permanente ao paciente durante o vôo. Certificado pelos órgãos competentes, o kit, que pode ser configurado com a montagem rápida da maca e do piso aeromédico, já está em uso no primeiro helicóptero EC130 utilizado no Paraná.
Segundo Eduardo Marson Ferreira, presidente da Helibras, “nossa gama de produtos, aliada à nossa capacidade de desenvolvimento de projetos e somada aos serviços que oferecemos aos operadores governamentais, fazem da Helibras uma das empresas mais bem preparadas para atender a este importante segmento, provendo solução personalizada para segurança pública e defesa civil no atendimento da população”.
Para o comandante Orlando Artur da Costa, o kit é uma inovação para as missões. “É extremamente importante para resgate ou transporte aeromédico, pois conseguimos manter a tripulação mais um médico ou enfermeiro e a vítima, devidamente estabilizada em uma maca de rápida configuração, além do espaço da cabine garantir uma viagem segura a todos os passageiros”, disse. O helicóptero foi utilizado para ajuda no salvamento das vítimas das chuvas e enchentes na Serra Fluminense, no RJ, no início de 2011 e no sul do país, no meio deste ano.
A segunda aeronave EC130 adquirida pela Secretaria de Segurança Pública do Estado do Paraná, entrará em operação amanhã, data em que o GRAER comemora um ano de atividades em prol da população.

Fonte: Revista Asas

Uma nova corveta russa, da classe Inteligente, foi aprovada nos exercícios navais que testaram a eficiência e a agilidade da reação russa a uma suposta agressão externa. A corveta, recém-incorporada à Frota do Báltico, participou das manobras com lançamento de mísseis e reagiu com êxito ao simulado ataque inimigo.

O Ministério da Defesa informou que a corveta da classe Inteligente foi projetada para combater embarcações de superfície e submersíveis, bem como para prestar apoio de artilharia aos fuzileiros navais em operações anfíbias. A corveta está armada com torpedos, mísseis mar-ar, diversos sistemas de artilharia e ainda helicóptero de apoio do tipo Ka-27.

O casco e a estrutura são feitos com tecnologia stealth, o que torna o navio “invisível” ao radares inimigos. Segundo o Ministério da Defesa, no futuro, a Marinha russa terá 20 corvetas da classe Inteligente.

Fonte: Diário da Russia

Um ataque aéreo do Quênia no domingo matou cinco pessoas e deixou outras 45 feridas, na maioria mulheres e crianças, em um acampamento na Somália que abriga desabrigados pela seca e pela violência, disse a agência de ajuda humanitária MSF (Médicos Sem Fronteiras).

Um porta-voz militar do Quênia confirmou no domingo que seus jatos atingiram a cidade de Jilib, onde está localizado o acampamento de pessoas deslocadas de suas regiões por causa da seca e violência. A fonte disse que dez insurgentes do grupo Al Shabab foram mortos, mas negou as informações de que civis estariam entre as vítimas.

"Posso confirmar cinco mortos e 45 feridos", disse Gautam Chatterjee, chefe da Missão do MSF-Holanda na Somália. "Em nossos hospitais em Marare, recebemos 31 crianças, nove mulheres e cinco homens. Todos tinham feridas de estilhaços de bomba."

O Quênia enviou suas tropas para a Somália em meados de outubro em busca de insurgentes somalis que o país culpa por uma série de sequestros em território queniano e ataques frequentes contra as forças de segurança na província do Nordeste, que faz fronteira com a Somália.

O primeiro grave confronto entre tropas do Quênia e insurgentes da Al Shabab, supostamente ligada à rede terrorista Al Qaeda, ocorreu na última quinta-feira. Segundo o Quênia, suas forças mataram nove rebeldes, enquanto um de seus soldados morreu depois de ser ferido em uma emboscada insurgente.

Chatterjee, do MSF, disse que três crianças, um homem e uma mulher morreram no bombardeio aéreo. As informações eram de funcionários da entidade que estão trabalhando no acampamento, que abriga 1.500 famílias.

Chatterjee não quis comentar sobre o fato de que o Exército queniano havia negado a ocorrência de vítimas civis em Jilib, dizendo que poderia dar detalhes apenas de pacientes recebidos pelo MSF para tratamento.

Ele afirmou que o MSF retirou sua equipe de Jilib após o incidente e que uma distribuição de mantimentos planejada para esta segunda-feira foi adiada.

Fonte: BOL/Folha

O governo e a iniciativa privada da Grã-Bretanha têm enfrentado um número "perturbador" de ataques cibernéticos, incluindo uma recente invasão à rede do Ministério de Relações Exteriores, disse nesta segunda-feira o chefe da agência britânica de espionagem no setor das comunicações.

Iain Lobban, diretor da Sede Governamental de Comunicações do Governo, disse que os ataques constituem uma ameaça econômica ao país. "O volume de ataques e crimes eletrônicos contra os sistemas do governo e da iniciativa privada continuam sendo perturbadores", escreveu Lobban em artigo no diário TheTimes.

http://2.bp.blogspot.com/_-ZRDu9NKCus/So7rBflkGtI/AAAAAAAAAgA/-R84f3LFP9M/s320/ciberguerra3.jpg

"Posso atestar as tentativas de furtar ideias e projetos britânicos - nos setores de tecnologia da informação, tecnologia (em geral), defesa, engenharia e energia, e também em outros setores - para obter vantagens comerciais ou lucrar com o conhecimento secreto de arranjos contratuais", afirmou Lobban.

O órgão dirigido por Lobban é uma grande operação de espionagem, semelhante à Agência de Segurança Nacional dos EUA, e como tal responsável por operações de coleta de informações e decifração de códigos.

Lobban raramente faz declarações públicas, e seu artigo surge um ano depois de ele fazer um discurso no qual afirmou que há países usando a guerra cibernética para atacarem outros.

Ele repetiu a tese de que o governo é tão alvo quanto as empresas.

"Também estamos cientes de que técnicas semelhantes estão sendo empregadas para tentar obter informações estratégicas dos sistemas informatizados do governo britânico, incluindo uma tentativa significativa (mas sem sucesso) contra a Chancelaria e outros departamentos do governo neste verão (boreal)."

Políticos e chefes de espionagem do mundo todo têm alertado cada vez mais para as crescentes ameaças digitais vindas de outros países e de quadrilhas.

No ano passado houve um dramático aumento nos casos noticiados de ataques cibernéticos, o que inclui desde o roubo de dados do FMI, num caso em que a China é suspeita, até a invasão do "worm" Stuxnet na rede do programa nuclear iraniano, num incidente atribuído a Israel e aos EUA.

A Grã-Bretanha realiza esta semana uma importante conferência internacional sobre a gestão do espaço digital, à qual devem comparecer a secretária norte-americana de Estado, Hillary Clinton, e também representantes de China, Rússia, Índia e outros governos, além de dirigentes empresariais.

O evento buscará uma maior cooperação internacional nas questões do mundo digital, mas dificilmente resultará em um consenso imediato sobre o que deve ser feito.

Fonte: BOL/Reuters

Tropas da Otan deixam o país africano depois de sete meses de ação militar. Para chefe da aliança, mandato histórico foi "bem-sucedido". Por outro lado, críticos dizem que missão deixou como herança racha diplomático.

Foram sete meses de missão: nesta segunda-feira (31/10), a aliança militar internacional transfere a responsabilidade pela segurança da Líbia ao Conselho Nacional de Transição. Paralelamente, o mandato das Nações Unidas chega ao fim – a zona de exclusão aérea e a autorização para ação militar com finalidade de proteger a população do país africano também expiram.

http://1.bp.blogspot.com/-kjiFjyhDAeQ/Tdt-p_boynI/AAAAAAAAAKk/CEcXbslk7ek/s1600/Libia%2Brapi%25C3%25B1a.jpg

O país agora é livre e Kadafi está morto. Depois de os rebeldes terem tomado o poder e assassinado o ditador, que ficou no comando por quatro décadas, a Otan não tem mais nada a fazer na Líbia.

"A nossa missão está cumprida", disse Anders Fogh Rasmussen, secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Segundo ele, o "mandato histórico" das Nações Unidas foi cumprido por completo e essa teria sido "uma das missões mais bem-sucedidas da história da Otan".

No entanto, o fato de a morte de Kadafi ainda não ter sido totalmente esclarecida e de o corpo do ditador ter sido exposto publicamente podem comprometer tal sucesso. Segundo Alain Juppé, ministro francês do Exterior, a morte de Kadafi não era o objetivo da ação. "O nosso alvo era forçá-lo a renunciar", completou.

Alto preço diplomático

Dentre os 28 países ligados à Otan, doze participaram diretamente da missão militar na Líbia, liderados pela França, Reino Unido e Estados Unidos. A Alemanha decidiu votar contra a ação no Conselho de Segurança e, por isso, despertou a irritação de alguns membros da aliança.

Desde março, os aviões da Otan sobrevoaram o país africano cerca de 26 mil vezes – a aliança administrou a área de exclusão aérea, bombardeou as tropas de Kadafi e os locais de armazenamento de armas, além de ajudar os rebeldes a abrir caminho rumo à tomada do poder. Nenhum soldado da Otan foi morto durante a missão. Entre os combatentes rebeldes e os aliados de Kadafi, o número de vítimas continua incerto - pode chegar aos dez mil.
http://1.bp.blogspot.com/-aUWjBXI6ulk/TiXjsN9bJuI/AAAAAAAAASU/C79RAm66nnc/s400/zona+de+exclusio+aerea+en+Libia.jpg
Para Thomas Jäger, professor de política internacional da Universidade de Colônia, a missão militar na Líbia foi, sem dúvidas, bem-sucedida. "Politicamente, no entanto, o efeito é outro. A resolução líbia provocou um profundo racha entre os que lideraram a ação, como Reino Unido, França e Estados Unidos, e aqueles que se abstiveram, como China, Rússia, Brasil e Alemanha", analisa.

Além disso, a União Europeia (UE) viveu uma situação embaraçosa ao não adotar um discurso único. "A UE não tinha condição de lidar com um conflito à sua porta. A missão teve um alto preço diplomático", completa Jäger.

Armas químicas

A Otan também não deveria adotar a ação na Líbia como modelo para o futuro – afinal,, nem todas as missões podem ser conduzidas apenas por ar e com risco relativamente baixo, sem presença de tropas terrestres. Segundo Robert Gates, ex-ministro norte-americano da Defesa, a missão na Líbia deixou os problemas da Otan mais visíveis. para ele, existem alguns países da Otan que absorvem os encargos e riscos das missões, e outros que "usam as vantagens da aliança, mas não gostam de assumir os riscos".

Thomas Jäger vê ainda outro problema na missão na Líbia: a aliança militar extrapolou o mandato das Nações Unidas. A resolução 1973 da ONU permitiu que "todas as medidas necessárias" fossem tomadas para proteger a população civil líbia dos ataques das tropas de Kadafi.

A meta mais importante da missão, entretanto, veio à tona no 15 de abril, nas páginas do jornal britânico Times, do espanhol Fígaro e do norte-americano Washington Post : "Kadafi deve partir e para sempre", diziam o presidente norte-americano, Barack Obama, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e o primeiro-ministro britânico, David Cameron.

Assim foi estabelecido um alvo de guerra que não fazia parte da resolução da ONU, explica Jäger. O fato de a Alemanha não ter participado da ação na Líbia é "justificável", diz o especialista. Não era óbvio que a missão correria tão bem para a aliança. Para a Otan, "o melhor cenário virou realidade" na Líbia.

Herança do regime

O comando líbio de transição confirmou neste domingo a existência de armas químicas na Líbia. O atual primeiro-ministro Mahmoud Jibril disse que a Líbia não tem interesse em manter o armamento e que aguarda a chegada de inspetores internacionais até o fim da semana para tomar conta da situação.
http://3.bp.blogspot.com/-fv4fQMiKwYU/TlZpYDQT_nI/AAAAAAAAEXI/-NzdwI_47jI/s400/rebeldes.jpg
"Nós queremos assegurar a todos que a nova Líbia será pacífica e que não temos interesse em manter armas aqui", comentou Jibril. Na última semana, um enviado da ONU havia dito que armazéns clandestinos com armas químicas haviam sido localizados.

Uma resolução esboçada pela Rússia, que deve ser votada ainda nesta semana, pede que as autoridades líbias destruam os estoques desse tipo de armamento num trabalho conjunto com a comunidade internacional.

Fonte: DW-World

O Irã iniciou a criação de um "cibercomando" para combater possíveis ataques de hackers contra as redes do país, informou nesta segunda-feira a agência "Mehr".

Segundo a fonte, o diretor da Organização de Defesa Passiva do Irã, Gholam Reza Jalali, informou nesta segunda-feira que já recebeu o decreto que estabelece a criação desta unidade imediatamente.

http://4.bp.blogspot.com/_a-ZiWkYqOVk/TK0RpiOEPAI/AAAAAAAAAp8/AqoBG2uujTs/s640/ciberataque+4.jpg

As funções desse cibercomando serão "vigiar, identificar e contra-atacar ameaças virtuais contra as infraestruturas nacionais", explicou Jalili.

No dia 16 de maio, segundo a agência, o Irã anunciou que as linhas gerais do cibercomando estavam prontas e sendo analisadas pelo Conselho Supremo de Segurança Nacional e pelas Forças Armadas.

O Irã denunciou supostos ataques virtuais, os quais atribuiu aos Estados Unidos e Israel, para criar problemas em seus sistemas militares e de segurança e, principalmente, em suas instalações nucleares.

Fonte: EFE/BOL

Os Estados Unidos informaram nesta segunda-feira que interromperam seu financiamento para a Unesco, agência cultural da Organização das Nações Unidas, após a aprovação dos palestinos como novo membro pleno da entidade.

A porta-voz do Departamento de Estado norte-americano Victoria Nuland disse a repórteres que os EUA não tinham escolha a não ser suspender os financiamentos por causa da lei norte-americana, dizendo que Washington não faria a transferência de 60 milhões de dólares planejada para novembro.


A Unesco é a primeira entidade da ONU à qual os palestinos buscaram adesão como membro pleno desde que o presidente Mahmoud Abbas fez o pedido à ONU para ser um Estado-membro completo da organização, em 23 de setembro.

Estados Unidos, Canadá e Alemanha votaram contra o pedido dos palestinos na Unesco. Brasil, Rússia, China, Índia, África do Sul e França votaram a favor. A Grã-Bretanha se absteve da votação.

Fonte: BOL/Reuters

Pelo menos dois satélites desses sofreram interferências em quatro ou mais ocasiões em 2007 e 2008, por meio de uma base terrestre na Noruega. Segundo relatório enviado ao Congresso pela Comissão de Revisão Econômica e de Segurança EUA-China, os militares chineses são os principais suspeitos disso.

O texto admite que não há ligação direta dos incidentes com a China, mas o país comunista é citado "porque as técnicas parecem consistentes com escritos autorizados dos militares chineses" relacionados a neutralizar satélites em caso de conflito.

Hong Lei, porta-voz da chancelaria chinesa, disse que a comissão dos EUA "sempre viu a China por meio de lentes coloridas". "Esse relatório é inverídico e tem segundas intenções. Nem vale a pena comentar". acrescentou.

O porta-voz reiterou que a China "também é vítimas de ataques de hackers, e vai se opor a qualquer forma de crime cibernético, inclusive o hackeamento".

Os ataques cibernéticos se somam a uma longa lista de atritos entre EUA e China, que incluem também questões de direitos humanos, política cambial e as relações com Taiwan.

Fonte: BOL/Reuters

Israel reformulará sua cooperação com a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), após a admissão da Palestina como membro da organização nesta segunda-feira.

"Trata-se de uma manobra unilateral palestina que não trará nenhuma mudança no terreno, mas afasta ainda mais a possibilidade de um acordo de paz. Esta decisão não transformará a Autoridade Palestina em Estado, mas colocará obstáculos desnecessários ao caminho para renovar negociações", afirmou o Ministério de Relações Exteriores israelense em comunicado.

http://asfaltoemato.files.wordpress.com/2011/10/israel-palestina-nayyagami-blogspot.jpg?w=300&h=213

Para Israel, este é um passo que danifica as possibilidades de alcançar a paz na região. "Após esta decisão, o Estado de Israel considerará seus próximos passos sobre a cooperação com a organização", adverte a nota.

O ministério diz que a posição israelense é em prol do diálogo como a única via para conquistar a paz, e que ele deve acontecer sem condições preliminares, incluindo a exigência palestina de suspender o crescimento das colônias de judeus em seu território.

"A estratégia palestina na Unesco e os passos similares em outros organismos da ONU supõe uma rejeição dos esforços da comunidade internacional para avançar no processo de paz", diz a nota, que agradece aos países que se opuseram ao pedido palestino.

Israel também declarou sua decepção pelo fato de que a União Europeia não conseguiu alcançar uma posição unificada nesta questão.

A admissão da Palestina como membro número 195 da organização foi ovacionada pelos participantes da Conferência Geral da Unesco. Foram registrados 107 votos a favor, 14 contra e 52 abstenções.

Votaram a favor do ingresso, entre outros, Índia, China, Espanha e França, enquanto Estados Unidos, Alemanha, Canadá e Israel rejeitaram e se abstiveram o Reino Unido, Colômbia, Japão e México.

Fonte: EFE/BOL

O governo e a iniciativa privada da Grã-Bretanha têm enfrentado um número "perturbador" de ataques cibernéticos, incluindo uma recente invasão à rede do Ministério de Relações Exteriores, disse nesta segunda-feira o chefe da agência britânica de espionagem no setor das comunicações.

Iain Lobban, diretor da Sede Governamental de Comunicações do Governo, disse que os ataques constituem uma ameaça econômica ao país. "O volume de ataques e crimes eletrônicos contra os sistemas do governo e da iniciativa privada continuam sendo perturbadores", escreveu Lobban em artigo no diário TheTimes.

"Posso atestar as tentativas de furtar ideias e projetos britânicos - nos setores de tecnologia da informação, tecnologia (em geral), defesa, engenharia e energia, e também em outros setores - para obter vantagens comerciais ou lucrar com o conhecimento secreto de arranjos contratuais", afirmou Lobban.

O órgão dirigido por Lobban é uma grande operação de espionagem, semelhante à Agência de Segurança Nacional dos EUA, e como tal responsável por operações de coleta de informações e decifração de códigos.

Lobban raramente faz declarações públicas, e seu artigo surge um ano depois de ele fazer um discurso no qual afirmou que há países usando a guerra cibernética para atacarem outros.

Ele repetiu a tese de que o governo é tão alvo quanto as empresas.

"Também estamos cientes de que técnicas semelhantes estão sendo empregadas para tentar obter informações estratégicas dos sistemas informatizados do governo britânico, incluindo uma tentativa significativa (mas sem sucesso) contra a Chancelaria e outros departamentos do governo neste verão (boreal)."

Políticos e chefes de espionagem do mundo todo têm alertado cada vez mais para as crescentes ameaças digitais vindas de outros países e de quadrilhas.

No ano passado houve um dramático aumento nos casos noticiados de ataques cibernéticos, o que inclui desde o roubo de dados do FMI, num caso em que a China é suspeita, até a invasão do "worm" Stuxnet na rede do programa nuclear iraniano, num incidente atribuído a Israel e aos EUA.

A Grã-Bretanha realiza esta semana uma importante conferência internacional sobre a gestão do espaço digital, à qual devem comparecer a secretária norte-americana de Estado, Hillary Clinton, e também representantes de China, Rússia, Índia e outros governos, além de dirigentes empresariais.

O evento buscará uma maior cooperação internacional nas questões do mundo digital, mas dificilmente resultará em um consenso imediato sobre o que deve ser feito.

Fonte: BOL/Reuters

A Palestina se converteu nesta segunda-feira em Estado membro pleno da Unesco, com o apoio de mais de uma centena de países e apesar da recusa dos Estados Unidos durante uma votação nominal na 36ª Conferência Geral em Paris, que o presidente palestino, Mamud Abbas, saudou e chamou de "vitória da justiça".

"A Conferência Geral decidiu pela admissão da Palestina como membro da Unesco", segundo a resolução adotada por 107 votos a favor, 52 abstenções e 14 votos contra.



"Este é um momento histórico que devolve à Palestina alguns de seus direitos", afirmou o ministro palestino das Relações Exteriores, Riyad al Malki.

"Posso garantir que seremos um elemento positivo a serviço desta organização", afirmou Malki depois de agradecer a todos que deram seu voto à iniciativa promovida pelo grupo de países árabes.

"Esta votação vai apagar uma pequena parte da injustiça cometida contra o povo palestino", afirmou ainda.

Já Mahmud Abbas comemorou a decisão como uma vitória para os direitos de seu povo.

"Aceitar a Palestina na Unesco é uma vitória para (os nossos) direitos, para a justiça e para a liberdade", afirmou seu porta-voz, Nabil Abu Rudeina, citando declarações feitas por Abbas em uma ligação a partir de Amã.

Em um auditório repleto e ante inúmeras câmeras de televisão, os presentes aplaudiram aos países europeus que apoiaram a iniciativa, começando pela Áustria, Bélgica, Espanha, Luxemburgo e Finlândia.

Estados Unidos, Alemanha e Canadá votaram contra, enquanto a Itália e o Reino Unido se abstiveram.

Quase todos os países árabes, africanos e da América Latina votaram pela adesão.

A França, que tinha sérias reservas, finalmente votou pela adesão.

"A entrada da Palestina leva o número de Estados-membros da Unesco a 195", afirmou a Unesco em um comunicado emitido imediatamente após a votação.

Segundo o governo israelense, em reação imediata, a admissão da Palestina à Unesco afeta as perspectivas de um acordo de paz.

"Israel rejeita a decisão da Assembleia Geral da Unesco (...) aceitando a Palestina como Estado membro da organização", indica um comunicado do ministério das Relações Exteriores, ao estimar que "se trata de uma manobra palestina unilateral que não mudará nada no terreno, mas que afasta a possibilidade de um acordo de paz".

O embaixador dos Estados Unidos ante a Unesco, David Killion, reiterou a posição de seu país ao considerar que a adesão é prematura.

A Casa Branca também criticou a notícia. "A votação de hoje na Unesco para admitir a Autoridade Palestina é prematura e prejudica a meta compartilhada da comunidade internacional de uma paz abrangente, justa e duradoura no Oriente Médio", afirmou o porta-voz Jay Carney.

Os Estados Unidos - que se retiraram da Unesco em 1984 argumentando que não estava de acordo com a gestão desse organismo ao qual regressou em 2003 - advertiram em reiteradas ocasiões que poderá cortar sua ajuda econômica à Unesco, de 22% do orçamento bianual, que chega a 653 milhões de dólares.

"Hoje é um dia triste, quando uma organização decide desconectar-se da realidade", afirmou o embaixador israelense ante a Unesco, Nimrod Barkan, que classificou de ficção científica a entrada dos palestinos na Unesco.

Para Barkan, os países que, como a França, apoiaram o pedido de adesão da Palestina na Unesco verão sua influência sobre Israel enfraquecer.

"Isto vai enfraquecer a capacidade deles de influenciar na posição de Israel", principalmente em relação ao processo de paz, disse à AFP.

A surpresa veio da França que, após fazer várias considerações, finalmente se pronunciou em favor da admissão da Palestina.

"A Unesco não é o local e nem o momento. Tudo deve acontecer em Nova York", dizia até sexta-feira o porta-voz do Ministério francês das Relações Exteriores, Bernard Valero, justificando que a admissão na Unesco não poderia preceder a votação do pedido de adesão na ONU apresentado pelos palestinos no dia 23 de setembro.

Paris justificou seu voto surpresa. "Hoje, a questão apresentada era para saber se a comunidade internacional responderia sim ou não ao pedido de adesão palestino na Unesco", afirmou Bernard Valero.

"A partir deste momento, devemos assumir a responsabilidade e responder sobre o mérito. E sobre este mérito, a França diz que sim, a Palestina tem o direito de se tornar membro da Unesco, desta organização cuja missão é trabalhar para a generalização de uma cultura de paz dentro da comunidade internacional", concluiu.

A entrada da Unesco supõe uma vitória diplomática considerável para a Palestina em sua aspiração de converter-se em Estado soberano da ONU.

Sua candidatura nas Nações Unidas será examinada em 11 de novembro no Conselho de Segurança, onde poderá enfrentar um veto dos Estados Unidos.

A votação na Unesco acontece depois de um fim de semana violento na Faixa de Gaza, onde 12 palestinos morreram nos ataques israelenses nos campos de treinamento e um israelense morreu no disparo de um obus.

Fonte: BOL/EFE

A Marinha do Brasil adiou mais uma vez o cronograma de conclusão do primeiro submarino nuclear brasileiro. Desta vez, para 2022/2023. Após fase de testes de mar e todas as avaliações técnicas, sua entrada em operação no oceano é prevista para 2025. As novas datas foram divulgadas ontem pelo comandante do Material da Marinha, almirante-de-esquadra Arthur Pires Ramos, durante visita do vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), ao Centro Experimental Aramar, na cidade de Iperó, a 15 quilômetros de Sorocaba. Desde a década de 1980, quando Aramar foi inaugurado (8 de abril de 1988), a Marinha trabalhou com sucessivas datas para a conclusão do submarino: 1995, 2000, 2005, 2006 e 2007.

Nos últimos anos, a projeção tinha sido estendida para 2020 e 2021. Em relação ao novo período, são trinta anos de atraso no cronograma do submarino. "Eu não só acredito, como tenho certeza de que (o submarino) vai sair do papel", disse Ramos. Temer, quando perguntado sobre quando acredita que o País terá o submarino nuclear em funcionamento, declarou: "Se Deus quiser, dois mil e logo. Quanto mais nós investirmos nessa tecnologia e nesse desenvolvimento, tanto melhor para o Brasil."

O diretor-geral do Material da Marinha (setor ao qual Aramar é vinculado e que cuida de submarinos, porta-aviões, aeronaves, navios de superfície) acrescentou: "Todo o processo de pesquisa e desenvolvimento envolve um grande risco. Tudo o que é pesquisado, a pesquisa de ponta pode dar certo e pode não dar certo, é inerente à pesquisa. E como esse empreendimento é típico de pesquisa e desenvolvimento, podem ocorrer eventualidades não previstas. Entretanto, o nosso projeto já ultrapassou o ponto de não retorno. Ele agora vai até o fim. E certamente os processos que já estão dominados levarão ao ciclo do combustível completo e ao desenvolvimento e construção do submarino". Ramos deixou claro que a visita de Temer a Aramar traz ao empreendimento o "prestígio" que ele representa e isso, na sua expectativa, poderá acelerar o programa nuclear da Marinha.

Atualmente, Aramar atravessa "uma ocasião favorável" e "a pleno vapor", segundo definições de Ramos, por conta de recursos anunciados pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em 2007 e que são da ordem de R$ 1,040 bilhão num período de 8 anos -- o equivalente a repasses em torno de R$ 135 milhões ao ano. Ramos disse que "em princípio" não há intenção de pedir recursos adicionais ao governo federal, "a menos que se deseje acelerar ainda mais o programa (Aramar)". Esclareceu que a "agilização" do programa nuclear da Marinha não diz respeito apenas a recursos financeiros: "Nós temos que ter capacitação, é um projeto de ponta, é a fronteira do conhecimento e nós precisamos de capacitação, gente capacitada, para poder agilizar cada vez mais."

O submarino será um gigante de 9.200 toneladas e 110 metros de comprimento. O programa nuclear da Marinha para atingir esse objetivo foi iniciado em 1979, pelas mãos do vice-almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, atualmente na reserva, até 2010 consumiu recursos da ordem de US$ 1,4 bilhão. Para a conclusão do programa, segundo a Marinha, são necessários investimentos de mais R$ 1,3 bilhão.

"Impressionadíssimo"

Após chegar em Aramar às 11h05, Temer ouviu uma exposição sobre o programa nuclear da Marinha. Terminado esse primeiro contato, em entrevista coletiva, ele disse: "Fiquei impressionadíssimo com a exposição que acabaram de fazer. O avanço tecnológico brasileiro é uma coisa extraordinária." Ele acrescentou que não conhecia Aramar, este era um velho sonho e adiantou que sairia dali "sensibilizado": "Isto pode fazer com que nós venhamos advogar um pouco a causa, que é dos recursos para esse projeto, não tem dúvida disso. Saímos daqui com a convicção de que nós vamos trabalhar nessa direção". Sobre se a Marinha pediu mais recursos além do que tem recebido, o vice-presidente disse: "Pelo que eu ouvi da exposição é claro que os recursos adicionais são sempre bem-vindos e são sempre pleiteados. A Marinha não chegou a pedir, mas sugeriu (recursos adicionais)."

Submarino Classe Scorpène, similar ao que será produzido pelo PROSUB

Temer admitiu que o programa de produção de um submarino nuclear também fortalece a soberania brasileira. Ele informou que "concretamente" o governo vai investir muito na área de ciência e tecnologia, independentemente das necessidades em outros programas para serem enfrentados, o que inclui questões sociais. Na sua análise, o setor de reatores nucleares exige mão de obra qualificada e especializada: "Nesse quadro de reatores nucleares não há dúvida de que ela (mão de obra) é especializadíssima."

Ramos afirmou que Aramar traz uma série de benefícios à população: "Benefícios sociais, do tipo aumento da demanda por empregos, aumento da riqueza da região, e traz também benefícios indiretos como isótopos para a medicina, projetos de qualidade em meio ambiente, enfim, a população certamente é beneficiada com a presença do projeto nessa região." Ao chegar em Aramar, Temer tinha programação para ficar ali até 15h. Desembarcou no aeroporto de Sorocaba e seguiu de helicóptero para Aramar. Estava acompanhado do comandante da Marinha, Julio Soares de Moura Neto, dos deputados federais Gabriel Chalita e Edinho Araújo, ambos do PMDB, e do ex-prefeito de Sorocaba e ex-deputado federal Renato Amary (PMDB).

O vice-presidente visitou em Aramar as seguintes unidades: Oficina Mecânica de Precisão (Ofmepre), Usina de Hexafluoreto (Usexa), Laboratório de Teste da Propulsão (Latep), Oficina Mecânica de Equipamentos (Ofmeq) e o Laboratório de Enriquecimento Isotópico (LEI).

Fonte: Cruzeiro do Sul

O Ministro da Defesa do Irã, Ahmad Vahidi, disse que a República Islâmica do Irã tem na sua programação a fabricação de novos caças. O Brigadeiro-General Vahidi salientou que Força Aérea Iraniana está cooperando na fabricação do novo avião militar juntamente com especialistas do Ministério da Defesa.

“Caças diferentes, a sua manutenção, suas modernizações, concepção e fabricação de caças a jato, como o Azarakhsh e Saeqeh, assim como outros novos aviões, é o sinal de conhecimento de gênios, de tecnologia nacional, e da expansão de indústrias de defesa do país, no auge das sanções impostas unilateralmente pelos EUA”, acrescentou.

Ele enumerou vários fatores, como a bravura dos soldados iranianos no cumprimento das suas missões e no fato de que milhares de jovens soldados foram martirizados para ajudar o Irã a alcançar a posição como está agora.

O Brigadeiro-general também anunciou a entrega de um novo submarino para a Marinha da República Islâmica do Irã em agosto para realizar as suas missões nas águas do Golfo Pérsico.

“Este submarino é equipado com uma tecnologia estado-da-arte e possui armas avançadas, alta capacidade de manobra e adequada capacidade de operação submarina”, acrescentou.

Fonte: IRNA – Via: Cavok

O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, disse nesta segunda-feira à rádio militar "Galei Tzahal" que ainda não foi adotada uma decisão sobre um eventual ataque ao Irã, mas que todas as opções são analisadas.

Barak respondeu desta forma a informações recentes de que Israel poderia estar planejando atacar o Irã, opção que segundo ele não teria sido decidida pelo primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.

"Não é preciso ser um gênio para compreender que em Israel no ano de 2011 duas pessoas não podem decidir executar algo deste tipo por si mesmas", declarou à emissora militar.

Barak disse que no Ministério da Defesa "há milhares de páginas de análise sobre a matéria, (que são abordadas) na presença de dezenas de ministros, militares e especialistas".

Israel considera o programa nuclear iraniano uma de suas maiores ameaças e um elemento desestabilizador de toda a região. Já Teerã afirma que o programa tem exclusivamente fins pacíficos.

O Ministro explicou que o debate sobre lançar um eventual ataque contra o Irã não é novo, mas deve ser abordado de forma reservada pelos órgãos de defesa.

"O programa nuclear iraniano foi analisado publicamente durante anos em Israel. Há inúmeras reuniões e debates públicos. Nós não pretendemos encobrir nossas ideias, entretanto existem questões operativas que não abordamos publicamente porque isso tornaria impossível que pudessem ser executadas", afirmou.

Barak defendeu que o regime de Teerã é uma ameaça a estabilidade do Oriente Médio e de todo o mundo, e insistiu que todas as opções estão sobre a mesa. Entretanto, o ministro israelense não descartou alternativas menos ofensivas como a pressão diplomática ou as sanções contra o país.

O responsável pela Defesa concluiu dizendo que não há razão para a sociedade israelense se "sentir intimidada" pelo Irã e que "Israel é o país mais poderoso desde Trípoli até Teerã. Não há razão para temer nada".

Fonte: Terra



O Japão planeja enviar uma unidade de Forças de Autodefesa ao Sudão do Sul (África oriental) para integrar-se à missão de paz da Organização das Nações Unidas (ONU), confirmou nesta segunda-feira o Governo japonês.

O país asiático planeja despachar a unidade entre fevereiro e março de 2012 em dois contingentes, o primeiro composto por 200 membros e o segundo por 300, detalham dados divulgados pela agência local 'Kyodo'.

Essas equipes das Forças Terrestres de Autodefesa realizarão trabalhos de engenharia durante cinco anos, e começarão tarefas de reconstrução a partir de abril.

Está previsto que as operações ocorram principalmente na capital do país, Juba, 'longe' da zona do norte do país onde um grupo rebelde perpetrou no sábado um ataque contra militares e civis, revelou nesta segunda-feira em entrevista coletiva o titular da Defesa do Japão, Yasuo Ichikawa.

O ministro porta-voz, Osamu Fujimura, afirmou em declarações a agência 'Kyodo', que o Governo vai anunciar em breve os detalhes do plano definitivo.

Ambos os ministros se reuniram nesta segunda-feira para analisar o tema com o premiê do Japão, Yoshihiko Noda, e o chanceler, Koichiro Gemba, a fim de que o Governo dê na terça-feira a aprovação oficial à transferência das tropas.

O envio cada vez mais frequente de membros deste corpo defensivo ao exterior é uma questão polêmica no Japão, cuja Constituição pacifista, em vigor após a Segunda Guerra Mundial, permite unicamente o uso da força em autodefesa.

Antes do país africano se tornar independente em julho deste ano, o Exército japonês mantinha desde 2008 somente dois membros nesta missão de paz da ONU.

O Parlamento nipônico aprovou em 1992 uma lei que permite os membros das Forças de Autodefesa participar de missões de manutenção de paz da ONU.

Fonte: Veja

Na véspera da captura e da morte de Muamar Kadafi em Sirte, o primeiro-ministro rebelde, Mohamed Jibril, convocou a imprensa líbia e estrangeira para uma reunião no Qaat Alshaab, o Congresso do Povo, em Trípoli. Em um discurso franco, criticou as lutas internas pelo poder no Conselho Nacional de Transição, advertiu para a ameaça de caos pós-revolucionário no país e anunciou – mais uma vez – seu afastamento da vida política tão logo a Líbia fosse liberada.

Quatro dias depois, Jibril nem mesmo participaria da festa da vitória, em Benghazi, revelando as divisões no Conselho Nacional de Transição (CNT) às vésperas do fim do mandato da Organização para o Tratado do Atlântico Norte (Otan) no país, amanhã.

Com sua ausência, o chefe de governo e da diplomacia do CNT durante os oito meses da revolução desejava enviar um sinal: preferia deixar de lado qualquer ambição por poder e mudar-se para o Catar a ter de enfrentar as duras negociações internas por cargos no conselho. Esse é o cenário político na Líbia do pós-revolução: um emaranhado de grupos locais, representantes de cidades e tribos que enaltecem suas vitórias na guerra, assim como suas perdas, para obter mais espaço no governo interino que será formado até as eleições gerais, em oito meses.

Ao longo de duas semanas o Estado conversou com líderes locais e nacionais, intelectuais e com a população. Duas conclusões sobressaem: a primeira indica que a sociedade civil está desconectada das negociações, e mal conhece os nomes dos novos líderes políticos do país; a segunda é que, a despeito da indiferença pública, briga-se muito pelo poder em um momento delicado, em que o Conselho de Segurança das Nações Unidas revoga o mandato da Otan no país.

Na prática, o CNT perde seu “anjo da guarda”, a máquina de guerra que permitiu que vencesse a revolução contra as tropas de Kadafi. Além disso, os rebeldes perdem – ao menos oficialmente – grande parte da capacidade de inteligência para perseguir os líderes do regime deposto em fuga pelo país, como Saif al-Islam Kadafi, filho e herdeiro político do ditador, e Abdullah al-Senoussi, ex-chefe do poderoso serviço de espionagem da Líbia.

Disputas

Em meio a esse cenário político ainda instável, as disputas internas mostram-se cada vez mais presentes, com sobe e desce de nomes. Mohamed Jibril, o premiê do CNT, deixa o cargo sem dar maiores explicações, desgastado com o jogo político que diz não gostar. Mustafa Abdel Jalil, presidente do conselho, não apenas se mantém no cargo, como gesticula em favor de uma aproximação com as correntes mais conservadoras do Islã na Líbia. Daí seu discurso, há uma semana, defendendo que a nova Constituição do país tenha inspiração na lei islâmica, a sharia.

Mesmo dentro da corrente mais radical, as divergências mostram-se cada vez mais visíveis. Antes poderoso no comando militar dos rebeldes, Abdelhakim Belhadj – muito questionado por seus antigos vínculos com a Al-Qaeda no Afeganistão – saiu de cena e, segundo o Estado apurou, deve deixar nos próximos dias o CNT. Belhadj, ex-líder de um grupo de combatentes islâmicos proscrito após os atentados do 11 de Setembro – tinha emergido como líder durante a operação para tomar Trípoli.


http://3.bp.blogspot.com/-MJQVbvBvfLM/TXy7Pf7vSLI/AAAAAAAAA4U/mvwS3uzJeeU/s1600/show_image_NpAdvSinglePhoto.php.jpg

Em seu lugar uma autoridade ascendente é Ramadan Zarmouh, chefe militar do CNT em Misrata. Fortalecido por três vitórias na guerra contra Kadafi – o cerco de Misrata, a participação na tomada de Trípoli e a tomada de Sirte, seguida da captura do ditador – Zarmouh estaria pressionando por mais espaço no comando do governo interino.

Fonte: Estadão - Via Plano Brasil


A empresa China Southern Airlines foi obrigada a cancelar um voo com o gigante Airbus A380 apenas doze dias após o primeiro voo por problemas mecânicos.

A empresa alegou que necessitava de peças para fazer algumas substituições, porém sem especificar qual era a natureza do problema.

Para acomodar os passageiros que iriam viajar no gigante da Airbus, a empresa utilizou um modelo A330 na viagem de Pequim a Xangai, na China.


O A-380 no dia de sua chegada a China, em 17 de outubro
]
Este foi o primeiro de cinco jatos A380 a ser entregue pela Airbus à China Southern. O segundo chegará em dezembro, e os outros três serão entregues no próximo ano.

A China Southern Airlines é a primeira operadora do A380 na China e a sétima em todo o mundo a utilizar o avião.

O A380 possui 506 assentos. A grande envergadura desse avião faz com que o mesmo só possa aterrissar em pouco mais de cem aeroportos do mundo.

Fontes: UOL Economia / Xinhuanet - Foto: Li Fangyu - Via: Noticias Sobre Aviação

Foram encontradas armas químicas em duas localizações diferentes no território da Líbia, segundo declarou o primeiro-ministro interino daquele país. Mahmoud Jibril disse ontem que o país não tem interesse em manter as armas e que inspetores estrangeiros chegarão esta semana para analisar a situação.

Já na semana passada, Ian Martin, enviado da ONU à Líbia, reportou ao Conselho de Segurança que teriam sido localizadas armas químicas não declaradas na Líbia, altura em que expressou séria preocupação com a gestão e o controlo de instalações químicas e material nuclear naquele país. A suspeita foi entretanto confirmada pelo primeiro-ministro eleito pelo Conselho Nacional de Transição (CNT). No entanto, Jibril não forneceu quaisquer detalhes sobre o arsenal.

A Rússia já elaborou uma resolução a ser votada na ONU esta semana que obriga as autoridades líbias a destruir o arsenal químico. Jibril convocou uma conferência de imprensa em Tripoli para garantir que o país não está interessado em manter as armas e ter já notificado a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) em Haia e o Governo dos Estados Unidos da América.


Saiba que países são suspeitos - ou conhecidos - detentores de armas químicas.

“Os Estados Unidos da américa foram notificados porque estão tecnicamente equipados para lidar com esta questão”, justificou Jibril. O primeiro-ministro não especificou detalhes sobre os dois locais onde as armas foram localizadas ou como e quando foram encontradas, garantindo apenas que “a OPAQ estará a ajudar as autoridades do país a lidar o melhor possível com a descoberta”, sendo que uma delegação da Organização deverá chegar ao país na próxima quinta-feira.

“Ao fazer este anúncio, reafirmamos que a Líbia é um país novo, que a Líbia é um país pacífico, que a Líbia se rege pelo direito internacional e que a Líbia visa o desenvolvimento antes de mais nada para o bem de seu povo”, terminou Jibril.

Muammar Kadhafi abriu mão, oficialmente, do seu programa de armas químicas e nucleares em 2004, numa tentativa de fortalecer os laços da Líbia com o Ocidente.

NATO termina uma das “mais bem sucedidas” missões na Líbia
A NATO pretende terminar esta segunda-feria a sua missão na Líbia, após uma campanha de sete meses para proteger os civis sob um mandato do Conselho de Segurança da ONU. A Aliança Atlântica decidiu interromper formalmente a missão após a ONU cancelar o mandato na semana passada, embora os líderes do CNT da Líbia tenham incitado a NATO a continuar até o final do ano, devido a preocupações de segurança.

A Organização tem referido esta missão como uma das "mais bem sucedidas", depois dos seus ataques aéreos desempenharem um papel fundamental na queda do ditador Kadhafi. A zona de exclusão aérea e o bloqueio naval, impostos pela NATO desde 31 de março, terminou às 11h59 (9h59 em Lisboa), conforme estipulado por uma resolução do Conselho de Segurança da ONU.

"Cumprimos plenamente este mandato histórico da Organização das Nações Unidas para proteger o povo da Líbia”, garantiu o secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussen, num comunicado anunciando a decisão.

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, diz que Líbia enfrenta um "enorme desafio" para unificar o país e que os líderes têm uma tarefa política “muito complicada” a cumprir. Em declarações ao jornal Washington Post, disse ainda que os Estados Unidos, bem como outros países, “ofereceram assistência e irão ajudar a Líbia como puderem”.

Os líderes provisórios da Líbia declararam o país livre da ditadura de 42 anos sob o Governo de Muammar Kadhafi durante uma cerimónia oficial a 23 de outubro, em que garantiram pretender formar um novo governo interino no prazo de um mês, realizar eleições para uma Assembleia Constituinte no prazo de oito meses e eleições parlamentares e presidenciais dentro de um ano.

Fonte: RTP

A presidente Dilma Rousseff recebeu nesta terça-feira, 25, o chefe de Estado da Ucrânia, Viktor Yanukovych, com quem decidiu acelerar uma parceria bilateral no mercado de lançamento de satélites.

Em declaração conjunta à imprensa, os dois presidentes classificaram como "prioridade" na relação entre Brasil e Ucrânia o desenvolvimento do projeto Cyclone-4 Alcântara, estipulado pelos dois países em 2003 para uma "sociedade estratégica" no setor aeroespacial.

Para essa iniciativa, ambos decidiram no momento da assinatura do acordo um investimento total de US$ 588 milhões, em partes iguais, até 2013. Da metade que lhe corresponde, o Brasil desembolsou até agora cerca de 42%, enquanto a Ucrânia forneceu cerca de 19% de sua parte.


Empresa binacional (Alcântara Cyclone Space) pode iniciar construção de plataforma de foguete ucraniano

Segundo fontes oficiais, Yanukovych garantiu a Dilma que seu Governo pretende liberar antes do fim do ano pelo menos US$ 100 milhões, a fim de se equiparar ao investimento já feito pelo Brasil.

O programa assinado em 2003 incluiu a constituição da empresa binacional Cyclone-4 Alcântara e propõe um plano de cooperação para o desenvolvimento conjunto de um lançador de foguetes que operaria na base brasileira de Alcântara, no Maranhão.

Dilma afirmou que esse projeto terá um efeito multiplicador na área tecnológica nacional e introduzirá o Brasil totalmente no mercado de lançamento de satélites, um exclusivo clube de países que conta até agora com Estados Unidos, China, França, Índia, Israel, Japão, Rússia e a própria Ucrânia.

Em documento divulgado após a reunião, os dois presidentes também manifestaram o interesse de expandir a cooperação entre Brasil e Ucrânia na área de prospecção e uso pacífico do espaço exterior, por meio do desenvolvimento conjunto de novos projetos, que não foram especificados.

Além da relação no setor aeroespacial, os líderes revisaram a agenda global e concordaram na necessidade de avançar "com urgência" em uma reforma profunda dos organismos internacionais que garanta mais atenção aos países em desenvolvimento, o que ambos consideraram essencial para combater a atual crise financeira.

Durante a visita de Yanukovych também foram assinados acordos nas áreas militar, agropecuária, energética, comercial e de saúde.

Além disso, os líderes se comprometeram a estudar alternativas que permitam potencializar o intercâmbio comercial entre os dois países, que, segundo previsões oficiais, deve chegar a US$ 1 bilhão neste ano.

Fonte: Estadão


A administração de Barack Obama planeja aumentar presença militar dos EUA no golfo Pérsico depois de ter retirado as tropas americanas do Iraque em dezembro do ano corrente. No âmbito do projeto novas tropas dos EUA, prontas a reagir no caso de insegurança no Iraque ou confrontação militar com o Irã, vão reagrupar-se e podem instalar-se no Kuwait.

Junto com a transferência de tropas para o Kuwait, os Estados Unidos estão prevendo a possibilidade de enviar um número maior de navios militares para a região, através das águas internacionais. Ao mesmo tempo, tendo em conta a ameaça por parte do inimigo Irã, a administração do presidente americano tenta ampliar as relações militares com seis países-membros do Conselho de Cooperação dos Estados Árabes do Golfo (a Arábia Saudita, o Kuwait, o Bahrein, o Qatar, os EAU e Omã).

Os efetivos que os EUA vão instalar no Kuwait ainda estão em discussão. As negociações sobre o assunto vão terminar em breve.

Fonte: Voz da Russia

Uma aeronave de treinamento a jato Aero L-39ZA Albatros, da Força Aérea da Nigéria, pertencente a Escola de Formação de Voo 303, de Kano, caiu perto do aeroporto de Uyo nessa sexta-feira, dia 28 de outubro, durante um voo de treinamento de rotina, que havia decolado de Calabar e seguia para Uyo. Os dois pilotos conseguiram ejetar e estão sob observação.

A Agência de Notícias da Nigéria (NAN) informou que não houve vítimas no solo após a queda da aeronave, e que uma equipe da Força Aérea da Nigéria está investigando a causa do acidente.

A Força Aérea da Nigéria possui cerca de 24 aeronaves de treinamento L-39ZA na sua frota, adquiridos entre 1986 e 1987. O país tentou adquirir mois 27 unidades em 1991, mas a compra foi vetada pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

Fonte: CAVOK


Lula 2.0

O diagnóstico do câncer do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva repercutiu na imprensa internacional neste domingo.

O jornal americano The New York Times publicou uma reportagem na qual afirma que o diagnóstico do câncer acontece em um momento em que o ex-presidente é visto como dominante na política brasileira.

"A revelação da sua condição acontece em um momento em que ele ainda é admirado aqui como o líder político contemporâneo mais dominante do Brasil", escreve o jornalista do New York Times Simon Romero, do Rio de Janeiro.

"Desde que deixou a presidência, Silva, um ex-líder sindical, manteve ampla influência na política brasileira. Ele viajou muito dentro do Brasil e no exterior, fazendo discursos por cachês altos, e na semana passada ele apareceu ao lado [da presidente Dilma] Rousseff na inauguração de uma ponte na cidade amazônica de Manaus."

O New York Times diz que a notícia sobre Lula mostra um "contraste grande" em relação à forma como o presidente venezuelano, Hugo Chávez, revelou seu câncer, em junho.

Enquanto o brasileiro optou por revelar rapidamente a doença, Chávez "surpreendeu os venezuelanos" ao anunciar que já havia sido submetido a uma cirurgia, segundo o New York Times. O jornal também lembra que o venezuelano nunca revelou o tipo de câncer que teve.

Fonte: BBC/Estadão


Senti um misto de vergonha e enjoo ao receber centenas de comentários de leitores para a minha coluna sobre o câncer de Lula. Fossem apenas algumas dezenas, não me daria o trabalho de comentar. O fato é que foi uma enxurrada de ataques desrespeitosos, desumanos, raivosos, mostrando prazer com a tragédia de um ser humano. Pode sinalizar algo mais profundo.

Centenas de e-mails pediam que Lula não se tratasse num hospital de elite, mas no SUS para supostamente mostrar solidariedade com os mais pobres. É de uma tolice sem tamanho. O que provoca tanto ódio de uma minoria?

Lula teve muitos problemas --e merece ser criticado por muitas coisas, a começar por uma conivência com a corrupção. Mas não foi um ditador, manteve as regras democráticas e a economia crescendo, investiu como nunca no social.

No caso de seu câncer, tratou a doença com extrema transparência e altivez. É um caso, portanto, em que todos deveriam se sentir incomodados com a tragédia alheia.

Minha suspeita é que a interatividade democrática da internet é, de um lado um avanço do jornalismo e, de outro, uma porta direta com o esgoto de ressentimento e da ignorância.

Isso significa quem um dos nossos papéis como jornalistas é educar os e-leitores a se comportar com um mínimo de decência.

Por Gilberto Dimenstein de Folha


Segundo revista, Chineses teriam hackeado satélites dos EUA

Postado por Vinna sexta-feira, outubro 28, 2011 0 comentários

Hackers interferiram com dois satélites norte-americanos quatro vezes entre 2007 e 2008, segundo o site Bloomberg Businessweek. Uma comissão do congresso dos Estados Unidos acredita que os hackers possam ser militares chineses e que a intervenção tenha sido feita de uma estação na Noruega.

O site afirma que as intervenções nos satélites de observação terrestre, como o lançado nesta sexta-feira, foram avaliadas pelo relatório de Revisão Econômica e de Segurança Estados Unidos/China, que será divulgado apenas no próximo mês.

O rascunho, a que o veículo teve acesso, afirma que "tais interferências apresentam diversas ameaças em potencial, particularmente se forem atingidos satélites com funções mais sensíveis."

Fonte: Estadão

Este ano foi lançado com fins comerciais e de aperfeiçoamento tecnológico o primeiro VANT (Veículo Aéreo Não Tripulado) elétrico produzido com tecnologia 100% brasileira. A empresa AGX Tecnologia, com sede em São Carlos, em parceria com a empresa Aeroalcool, fabricou o Tiriba 2, o VANT mais barato do Brasil. A aeronave mais básica custa R$ 30 mil, e dependendo de como for incrementada com equipamentos acessórios (câmeras, sensores, antenas e etc) pode chegar a R$ 100 mil.

A produção do Tiriba 2 atende ao mercado nacional e internacional. As exportações devem começar no início do próximo ano. O que mais chama a atenção nesse VANT é a possibilidade de ser empregado para diversas finalidades: defesa civil, agricultura e meio ambiente.

Na agricultura, o Tiriba 2 pode auxiliar no levantamento de pragas, na qualificação e quantificação da cultura e no acompanhamento da lavoura. Na área ambiental, o VANT pode mapear e quantificar Áreas de Preservação Permanente (APPs), ajudando a traçar planos para a sua conservação, além de detectar focos de desmatamento e incêndio.

A alta capacidade da aeronave em realizar levantamentos aereofotogramétricos e tirar fotografias em alta resolução permitirá o maior controle sobre a imagem obtida. Ao se analisar dados como dimensão, posicionamento e ângulo será possível compor mosaicos fotográficos que poderão auxiliar em levantamentos topográficos, além da medição e quantificação de dados.

“O custo de operação do Tiriba é zero. Basta carregar a bateria. É uma aeronave revolucionária que tem custo de manutenção também muito baixo”, afirma Adriano Kancelkis, diretor da AGX. O Tiriba é leve e portátil, e deve ser lançado manualmente, sem a necessidade de pista de pouso e decolagem.

Para o diretor da AGX, o mercado nacional ainda não decolou para os VANTs por falta de divulgação dessa tecnologia. “O VANT ainda é uma tecnologia muito nova. Eu comparo o VANT com o MP3. O MP3 revolucionou a indústria fonográfica e o VANT irá revolucionar o mercado de sensoriamento aéreo. É questão de tempo e de divulgação”, observa Kancelkis.

Com quase três metros de asa e cerca de um metro e meio de comprimento, o VANT pode embarcar câmeras fotográficas de alta definição, sensores, além de câmeras de vídeo convencionais com transmissão em tempo real em uma distância de até 12 km. Dados como telemetria da aeronave, velocidade e posicionamento também são obtidos. O Tiriba 2 ainda conta com uma estação de solo que recebe os dados e imagens transmitidos pelo avião.

Fonte: Portal 360 Graus, via CAVOK

-

Frases

Audiência

Cotação do Hangar

Mais vistas na última semana

Postagens populares últmos 30 dias

Marcadores

Brasil (1752) USA (1724) Esquema (1427) Defesa Brasil (1367) aviação (1347) Zona de Conflito (1191) tecnologia (1133) sinistro (1103) Geopolitica (937) História (829) Video (760) aviação militar (743) Russia (700) Afeganistão (667) Espaço (658) EMBRAER (584) China (571) Defesa USA (567) OTAN (499) Estratégia (466) Diplomacia (441) ONU (436) Boeing (430) noticia (425) ww2 (410) Espionagem (405) Nuclear (392) AGRESSÃO AO BRASIL (382) Brasil Potência (375) Irã (366) Insólito (364) Libia (356) UNIÃO/Defesa America do Sul (348) Argentina (347) Terrorismo (347) By Vinna (346) Inglaterra (345) Israel (341) Industria Brasil (312) Ciberguerra/Cyber Attacks (301) França (299) opinião (294) Defesa Russia (288) Industria Americana (284) Hoje na História (273) Siria (242) Europa (237) curiosidade (232) NASA (231) direito (219) Segurança Pública (214) Chile (209) Industria Russia (209) Exercícios Militares (202) Evangelho do dia (201) Lockheed (201) Defesa Irã (200) Dassault (198) Alemanha (189) Drone (179) Industria Francesa (178) SAAB (178) Defesa India (171) NSA (164) India (161) Defesa Venezuela (157) Oriente Médio (157) Japão (155) CIA (152) Petrobrás e biocombustivel (149) Coreia do Sul (147) Nova Guerra Fria (138) Front Interno (137) Airbus (136) Arqueologia Militar (132) OVNIs (132) Defesa Chile (126) F1 (126) Defesa Europa - OTAN (122) Sukhoi (122) Defesa China (120) Eixo Bolivariano (120) Ceará (118) Acidente AF 447 (116) Defesa Israel (114) PRISM (114) AVIAÇÃO CEARÁ (113) Africa do Sul (112) Rosoboronexport (112) EADS (110) Coreia do Norte (109) Ucrania (109) Iraque (106) Palestina/Gueto de Gaza (104) Venezuela (104) Turquia (103) Malasia (100) Defesa França (99) Asia (95) Evento (94) Itália (94) Terminator (94) Dissuasão (89) Sovieticos (88) Rolls-Royce (87) Guerra Cambial Mundial (86) Acidente MH370 (85) União Europeia (85) Bolivia (84) Falkland/Malvinas (83) Industria Europeia (83) obituário (83) MiG (80) AVIC (79) Arábia Saudita (78) General Electric (77) Defesa Portugal (76) Industria Chinesa (76) Industria Sueca (76) Defesa Colombia (75) Guerra da Amazônia (74) Saúde (73) Filme (71) Paquistão (70) BRIC (68) Suécia (68) 2014 (66) Africa (66) DARPA (65) Petroleo (64) Espanha (63) Minustah (60) Crime de Guerra (58) Russian Helicopters (58) Portugal (57) Armas Quimicas (55) Canadá (55) Defesa Equador (55) Defesa Iraque (55) Estreito de Ormuz (55) De olho na Imprensa (54) AIEA (52) Elbit (52) HANGAR DO VINNA (52) AEB (51) Mar da China (51) ciência (51) 2012 (50) Colombia (50) Egito (50) Energia (50) Avião (49) BAE Systems (49) Colirio (49) FICHA TECNICA (48) Taiwan (48) Australia (47) Defesa Coréia do Sul (47) Defesa Japão (47) Emirados Árabes (47) Defesa Peru (46) Libano (46) Mali (46) Hawker Beechcraft (45) crimeia (45) Avibrás (44) Stealth (44) Industria Israel (42) Northrop Grumman Corp (42) Vietnã (42) DCNS (41) Defesa Britânica (41) Rio 2016 (41) Helibras (39) Holanda (39) esporte (39) Defesa Paquistão (38) Hindustan Aeronautics (38) MATRIX (38) Industria India (37) Peru (37) ISS (36) Paraguai (36) União Africana (36) Equador (35) Eurocopter (35) Mar do Japão (35) Star Trek (35) Uruguai (35) Finmeccanica (34) Georgia (34) IAI (34) Pioneiro do ar (34) Cuba (33) Industria (33) Industria Iraniana (33) veículo (33) Corrente do Bem (32) Odebrecht (32) Pici Field (32) Suiça (32) AEL (31) Sikorsky (31) Recebi por e-mail (30) Antonov (29) Argélia (29) Defesa Coréia do Norte (29) Iemen (29) Indonésia (29) Qatar (29) digital (29) Aircraft For Sale (28) Cazaquistão (28) Defesa Emirados Árabes (28) Defesa Haiti (28) Industria Italia (27) Mar do Sul da China (27) Nazistas (27) Polonia (27) Biografia (26) Defesa Uruguai (26) Filipinas (26) Defesa Turquia (25) IVECO (25) Angola (24) Defesa Itália (24) Defesa Polonia (24) Denel (24) FAdeA (24) Mexico (24) Narcotrafico (23) Noruega (23) OEA (23) 2013 (22) CATIC (22) Colonialismo (22) Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (22) Defesa Siria (22) Industria Portugal (22) Jordania (22) livro (22) Austrália (21) Defesa Espanha (21) Defesa Georgia (20) HESA/IAIC (20) Industria Alemanha (20) MERCOSUL (20) Romenia (20) Turkish Aerospace (20) Agusta (19) Bombardier (19) Defesa Libano (19) GS Yuasa (19) Tupolev (19) Bell (18) Defesa Indonésia (18) Defesa Paraguai (18) Dinamarca (18) Grécia (18) HESA (18) Industria Espanha (18) Rosocosmos (18) Tailandia (18) Defesa Taiwan (17) McDonnell Douglas (17) OMC (17) teoria dos falcões (17) Belgica (16) CASA (16) Defesa Libia (16) Haiti (16) Ilyushin (16) Industria Inglesa (16) MUSICA (16) Nigeria (16) Omã (16) Sierra Nevada Space Systems (16) Beechcraft (15) Bielorussia (15) Guatemala (15) Honduras (15) KAI (15) Kuwait (15) Mectron (15) OrbiSat (15) PreSal (15) Star Wars (15) Sudão (15) Antartida (14) Bulgaria (14) Cingapura (14) Congo (14) Coréia do Sul (14) Defesa Kuwait (14) Defesa Malasia (14) HUMOR (14) Nova Zelândia (14) Bahrein (13) Defesa Marrocos (13) ESA (13) Fim dos tempos (13) KMW (13) Lei do Abate (13) Raytheon (13) Servia (13) ww1 (13) Colômbia (12) Defesa Suiça (12) Defesa Suécia (12) FBI (12) Kamov (12) Liga Arabe (12) República Tcheca (12) Shenyang Aircraft (12) Sri Lanka (12) Thales (12) Yantar (12) industria Coreia do Sul (12) 2016 (11) Atech (11) Austria (11) Bangladesh (11) CREA (11) Defesa Rep.Dominicana (11) Defesa Romenia (11) Defesa Tailandia (11) Defesa Ucrania (11) Industria Japão (11) Irkut (11) Mitsubishi (11) PAC Kamra (11) SpaceX (11) Unifil (11) Anonymous (10) Croacia (10) El Salvador (10) Finlândia (10) Google (10) Hungria (10) Industria Turquia (10) Mauritania (10) Microsoft (10) Navantia (10) OPEP (10) Pilatus (10) Quirguistão (10) Revolucao do "Tudo Gratis" (10) religião (10) 2015 (9) Aero (9) COMAC (9) Cesna (9) Chad (9) Defesa Jordania (9) Guerra Fria (9) Harbin (9) INACE (9) Inteligencia Artificial (9) Sisfron (9) Somalia (9) Chengdu (8) FAA (8) Gana (8) Industria Argentina (8) MBDA (8) Niger (8) Olimpiada (8) Peninsula Coreana (8) Renault (8) ThyssenKrupp (8) defesa Iêmen (8) ANAC (7) Aero Vodochody (7) Aeroespatiale (7) Armenia (7) Defesa Noruega (7) Defesa Sudão (7) Defesa Vietnã (7) ENAER (7) FMI (7) Férias (7) General Dynamics (7) OGMA (7) OMS (7) Panamá (7) Quenia (7) Republica Theca (7) oceania (7) British Aerospace (6) Brunei (6) Defesa Qatar (6) ELTA Systems (6) Guiana (6) Guiné-Bissau (6) LET (6) Mianmar (6) Pratt Whitney (6) Rep.Dominicana (6) Tribunal de Haia (6) Tunísia (6) Uganda (6) 2018 (5) 2020 (5) ARTICO (5) Aeroeletrônica (5) Artigo (5) Azerbaijão (5) Defesa Namibia (5) Dornier (5) Estonia (5) Europa do Leste (5) Fokker (5) Inbra (5) Lituania (5) MARKETING PESSOAL (5) Nicaragua (5) Print 3D (5) Suriname (5) 2017 (4) 2040 (4) AIE (4) Alianca Pacifico (4) Apple (4) Aquecimento Global (4) Beriev (4) Cabo Verde (4) Colinas do Golã (4) ENGESA (4) Eslovaquia (4) General Eletric (4) Huawei (4) IBM (4) INDRA (4) INPE (4) ISAF (4) Irlanda (4) Islandia (4) Kalashnikov (4) Kaspersky Lab (4) Marrocos (4) Messerschmitt (4) Moçambique (4) Myanmar (4) Namibia (4) Novaer (4) OSK (4) Patria Aviation (4) Pirataria/Tortuga (4) Rekkof Aircraft (4) Resenha (4) Rio+20 (4) Rockwell (4) Rostvertol (4) SIPRI (4) Selex Galileo (4) Senegal (4) Sevmach (4) Sudão do Sul (4) Titanic (4) Yakovlev (4) ZTE (4) armas eletromagnéticas (4) 2030 (3) AGX (3) Air Race (3) Akaer (3) Albânia (3) Avia (3) Bukina Faso (3) Curdistão (3) EMBARGO (3) Eritrea (3) Facebook (3) General Atomics (3) Guinness Book (3) Harpia (3) Helibrás (3) Honda (3) IMBEL (3) MH-17 (3) MIT (3) Mercenarios (3) Neonazistas (3) OAK (3) OAS (3) Oboronprom (3) Opto Eletrônica (3) Qantas (3) Rafael (3) Samsung (3) Sirius (3) Tajiquistão (3) Tecnobit (3) Trinidad e Tobago (3) Turismo (3) Ukrspetsexport (3) VARIG (3) Zimbabwe (3) ilhas Kurilas (3) prosub (3) savis (3) 2003 (2) AIDC (2) ARAMAR (2) ASMAR (2) Agrale (2) Air Tractor (2) Andrade Gutierrez (2) Astrium (2) Bielorrússia (2) Bigelow Aerospace (2) Birmânia (2) Boston Dynamics (2) Botswana (2) BrahMos (2) Britânica (2) CIAC-Corporación de la Indústria Aeronáutica Colombiana (2) COTEMAR (2) Caltech (2) Camarões (2) Camboja (2) Cirrus (2) DROGA (2) DSME (2) De Havilland (2) ENGEPRON (2) El (2) Enstrom (2) Flight Technologies (2) Ford (2) G20 (2) GROB (2) Harris Corporation (2) Hong Kong (2) IACIT (2) INDUMIL (2) IZHMASH (2) Imperialismo (2) Itaipu (2) Iugoslávia (2) Iêmen (2) KAPO (2) Kongsberg (2) Kosovo (2) Laos (2) Launch Services (2) Letonia (2) Liebherr-Aerospace (2) Luxemburgo (2) Maldivas (2) Malta (2) Malásia (2) Marsh Aviation (2) Massacre (2) México (2) Nepal (2) Next Generation Aircraft/Fokker (2) Nissan (2) Obvilion (2) Orbital Technologies (2) PDVSA (2) Queiroz Galvão (2) RSC Energia (2) Robocop (2) Rosvertol (2) Ruag Aerospace (2) Santos Lab (2) Scania (2) Seagate (2) Sevmash (2) Sony (2) Synergy Defense (2) TAP (2) TAP Maintenance and Engineering (2) Tekever (2) Telebras (2) Togo (2) Toshiba (2) Toyota (2) United Shipbuilding Corporation (2) Usbequistão (2) Vaticano (2) Western Digital (2) YPF (2) Yugoimport (2) Zambia (2) comissao da verdade (2) panair (2) xian (2) Índia (2) 1950 (1) 1962 (1) 2011 (1) 2024 (1) 2025 (1) 2032 (1) 2035 (1) 2047 (1) 2050 (1) 2068 (1) ACS Aviation (1) ADCOM Systems (1) ALMA (1) ANATEL (1) AOL (1) ASTRAEA (1) ATE (Advanced Technologies and Engineering) Aerospace (1) ATK (1) Active Space Technologies (1) Aero-Engine Goup Corp (1) Aeromot (1) Aeroscraft (1) Aerotech (1) Araguaia (1) Ares Aeroespacial (1) Atlas Elektronic (1) Aurora Technologies (1) AutoGyro (1) Aviakor (1) Avio Group (1) BLOG (1) BMW (1) BUG (1) Baterias Moura (1) Belarus (1) Benin (1) Beretta (1) Beureau LUTCH (1) BioExplorers (1) Bloom e Voss (1) Burevestnik (1) Burocracia (1) CACMA (1) CAE (1) CAIGA (1) CBC (1) CETEC (1) CTEx (1) Camargo Corrêa (1) Cellebrite (1) Ceska Zbrojovka (1) China Broad Group (1) Chrysler (1) Citasa (1) Complejo Industrial Naval Argentino - CINAR (1) Condor Tecnologias (1) Continental Motors (1) Conviasa (1) Costa Rica (1) Costa do Marfim (1) Cotecmar (1) Curaçao (1) DNA (1) DRS (1) Da Vinci Code (1) Daewoo (1) Daimler (1) Damen Shipyard (1) Dark Web (1) Datsun (1) Dearman Engine Company (1) Democracia (1) Diageo (1) Diamond Aircraft (1) DoniRosset (1) Dropbox (1) Dígitro (1) EASA (1) EIKE (1) ELEB (1) ESO (1) Ecopetrol (1) Enercon GmbH (1) Energomash (1) Engevix (1) Equipaer (1) Eslovenia (1) Estaleiro Atlantico Sul (1) Esterline (1) Esterline Electronics (1) Etiopia (1) Evektor (1) Evolução (1) Fairchild (1) Fassmer (1) Ficantieri (1) Fincantieri (1) Flying Legends (1) Focal Aviation (1) Foxconn (1) Fujitsu (1) GCHQ (1) GM (1) GeneXus (1) General Motors (1) Genetica (1) Global tech (1) Gorizont (1) Grauna Aerospace S.A (1) Guerrilha (1) Guizhou Aviation (1) Gulfstream (1) Hamilton Sundstrand Corporation (1) Heckler e Koch (1) Heinkel (1) Holocausto (1) Hybrid Air Vehicles (1) IAMI (1) INTA (1) Ilhas Samoa (1) Ilhas Seychelles (1) Increase Aviation Service Ltda (1) Inter RAO (1) International Aero Engines (1) Israel Military Industries (1) JDI Holdings (1) Jet Propulsion Laboratory (1) Jiuyuan Hi-Tech (1) KAMAZ (1) Kangnam Corporation (1) Kawasaki (1) Kazan (1) Kazaquistão (1) LIATEC (1) LINKS (1) Lihttp://www.blogger.com/img/blank.gifbano (1) Linux (1) Lituânia (1) Lufthansa Technik (1) Líbia (1) MALAT (1) MDA (1) MPX (1) Martin-Baker (1) Maçonaria (1) Messier-Bugatti-Dowty (1) Milestone Aviation Group (1) Modelismo (1) Moldávia (1) Molgolia (1) Mongolia (1) Motor Sich (1) Motorola (1) Mowag (1) NKAU (1) NPO Saturn (1) NTSB (1) National Rifle Association (1) Near Eart Autonomy (1) Norse Corp (1) OGX (1) OTT Blindados (1) Oddyssey (1) Odessa (1) Ominsys (1) Orbital Corporation (1) Oto Melara (1) PZL Mielec (1) Pacifismo (1) PalTalk (1) Paramount Group (1) Polaris (1) Polônia (1) Porto Rico (1) QinetiQ (1) R2Tech (1) RKF Tecnologia (1) Ralls Corp (1) Reaparelhamento (1) Remington (1) Renova Goup (1) Reshetnev (1) Rontan (1) Rosatom (1) Rossin-Bertin Vorax (1) Rostekhnologii (1) Rotax (1) Rudolph Usinados (1) Sabia-Mar (1) Sagem (1) Saker Aircraft (1) Sale (1) Sanofi (1) Savis Tecnologia (1) Securaplane Technologies (1) Siemens (1) Soko (1) Solar Impulse (1) Space Exploration (1) Spyker (1) Stidd Systems (1) SwampWorks (1) São Tomé e Príncipe (1) TAO (1) TELMEX (1) TIM (1) Tanzania (1) Taser (1) Taurus (1) Telecom Itália (1) Terrafugia (1) Textron (1) Thielert Aircraft Engines (1) Timor Leste (1) Tortura (1) Troller (1) Turcomenistão (1) UEE (1) UNDOF (1) UTVA Aircraft (1) United Aircraft Corporation (1) United Technologies Corporation (UTC) (1) Urban Aeronautics (1) VSMPO-AVISMA (1) Vanguard (1) Vector Aerospace (1) Velika Gorica (1) Virgin Galactic (1) Voronezh (1) WZL-Wojskowe Zaklady Lotnicze (1) Wega (1) World Aeros (1) XMobots (1) Xi'an Aircraft (1) Yahoo (1) Yakhont (1) YouTube; Skype (1) android (1) bullying (1) clonagem (1) eco (1) feganistão (1) fine (1) htc (1) isra (1) racismo (1) rosco (1) whatsapp (1) ww3 (1) x9 (1) África do Sul (1)

Nós no Face...

Facebook

Feed de Notícias

De fato...

“Um dos mais influentes psicanalistas da Inglaterra, autor de dez livros e editor da nova tradução da obra de Sigmund Freud (1856-1939),…
pensadoranonimo.com.br
Hangar do Vinna adicionou 3 novas fotos ao álbum "MIG USAF".

A maior recompensa para o trabalho do homem não é o que ele ganha com isso, mas o que ele se torna com isso.
John Ruskin

A imagem pode conter: texto
A imagem pode conter: céu e avião
A imagem pode conter: céu

Que o serviço melhore...

AEROPORTO PINTO MARTINS - R$ 425 MI
Alemã Fraport é nova concessionária do Aeroporto de Fortaleza

Últimas notícias de futebol, esportes, política, economia, concursos, classificados, empregos, cinema, trânsito em Fortaleza e no Ceará é no Diário do Nordeste. Notícias atualizadas, matérias, reportagens, entrevistas, vídeos e fotos de Fortaleza, Ceará, Nordeste, Brasil e Mundo
diariodonordeste.verdesmares.com.br

Pensando em conseguir de uma só vez todos os ovos de ouro que a galinha poderia lhe dar, ele a matou e a abriu apenas para descobrir que não havia nada dentro dela.
Esopo

bem instrutivo!

Vivendo e aprendendo.

Você sabe a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido? Veja aqui
180graus.com
Encontre-nos no Facebook

Salmo

Meta: Informação Livre e um Blog novo todo dia

Bem vindo, amigo visitante: Procuro atualizar o blog várias vezes por dia e este trabalho solitário é feito pensando em vocês. Financeiramente Não ganho NADA a não ser a amizade de alguns de vocês... ALGUMAS IMAGENS RETIREI DA INTERNET SEM AUTORIA. SE ALGUMA DELAS FOR PROTEGIDA POR DIREITOS AUTORAIS, A VIOLAÇÃO NÃO FOI INTENCIONAL, NESTE CASO, SE NÃO ME FOR AUTORIZADA A EXPOSIÇÃO DA MESMA, A IMAGEM SERÁ RETIRADA DO BLOG, BASTA QUE ENTREM EM CONTATO POR COMENTARIO OU EMAIL.
Vinicius Morais - Vinna

Translate

Pesquisar este blog

Visitas by Google - Since 02/05/2008

Videos em Destaque

The Blue Angels - Set to Van Halen's Dreams Top Gun Music Video - "Dreams" by Van Halen

Links de Referência & PARCEIROS


Blog Cavok

Campo de Batalha

Cultura Aeronáutica

Alternativa Car

Fumaça Já!



Noticias Sobre Aviação

DEFESANET


Tecnologia & Defesa


Portal Rudnei Cunha

ANVFEB



Plano Brasil

Geo Política

Defesa Aérea

Estratégia Nacional de Defesa


Defesa BR

Revista ASAS


VAE VICTIS

Segurança & Defesa


Infodefensa

BLOG CONTROLE AÉREO

ANUNCIE - AQUI

archive

Museus